Cunha diz que governo está se 'autodestruindo' ao sugerir aumento de impostos | Fábio Campana

Cunha diz que governo está se ‘autodestruindo’ ao sugerir aumento de impostos

cunha

De O Globo

O presidente da Câmara dos Deputados, Eduardo Cunha (PMDB-RJ), disse nesta quarta-feira que o governo está se ‘autodestruindo’ ao propor novos impostos para conter o déficit orçamentário. Ele afirmou ser contra o aumento do Imposto de Renda, a recriação da CPMF ou qualquer outro tributo.

— É uma estratégia de desgaste do governo. O governo está se autodestruindo. É um Maquiavel ao contrário: faz mal aos poucos, o que é pior, sem concretizá-lo. Você ameaça o mal. Isso é de uma falta de inteligência inominável — disse Cunha.

Segundo ele, o governo tem que reduzir drasticamente os gastos.

— O que estamos vendo é o governo tentando passar a conta para a sociedade. Sou contra qualquer aumento de impostos. Não há condições de achar que vamos passar esse sinal para a sociedade, enquanto o governo mantém uma máquina ineficiente a custo elevado — disse Cunha.

Uma ideia discutida ontem à noite, em reunião entre o vice-presidente Michel Temer, ministros, governadores e congressistas do PMDB, é mudar o sistema de partilha para a concessão do pré-sal. O líder do PMDB, Leonardo Picciani (RJ) deverá apresentar um requerimento de urgência para fazer a alteração, e Cunha se comprometeu a colocar em pauta na próxima semana.

— Essa mudança traria recursos para o governo sem ônus para a sociedade — defendeu o presidente da Câmara.

O presidente do Senado, Renan Calheiros, disse hoje que o governo deve primeiro cortar gastos antes de falar em impostos.

FINANCIAMENTO DE EMPRESAS DEVE SER REJEITADO

A Câmara vota hoje a reforma política que foi finalizada ontem pelo Senado. Cunha disse que os deputados não deverão manter o fim do financiamento empresarial às campanhas eleitorais. Chamou de “situação esdrúxula” a mudança feita pelos senadores, já que a Câmara aprovou a manutenção em dois turnos e cabe a ela a palavra final sobre o assunto.

Quanto à restrição da contratação de pequisas eleitorais por órgãos de empresas e partidos um ano antes das eleições, Cunha também afirmou que deverá mudar. O Senado aprovou a medida.

— Sou contra. Se depender de mim, tira. É uma questão de liberdade de opinião — afirmou o presidente da Câmara.


6 comentários

  1. Sergio Silvestre
    quarta-feira, 9 de setembro de 2015 – 18:17 hs

    Sujeito escroto,vendilhão do Pais.

  2. quarta-feira, 9 de setembro de 2015 – 21:44 hs

    Só falam em aumento de impostos. Cortar gastos nem pensar!
    O povo que trabalha e produz que se dane, paga muito e o
    governo quer muito mais! E com um agravante, pagamos muito
    para nada pois quando precisamos dos serviços do governo, como saúde, segurança, educação, etc, temos que recorrer ao setor privado, como plano de saúde, pedágio etc., ou seja: pagamos tudo em dobro.
    Cadê os Ministério que iam cortar já o fizeram?

  3. ARS
    quarta-feira, 9 de setembro de 2015 – 21:59 hs

    A autofagia vai levar o governo da organização criminosa à morte por intoxicação alimentar, ao provar do próprio veneno.

  4. clarice franze
    quinta-feira, 10 de setembro de 2015 – 8:29 hs

    POIS É , CUNHA, ACHO QUE VOCE FALA DEMAIS E SEQUER SABE O QUE FALA.

    ACHO TAMBÉM QUE VOCE DEVE DORMIR DE TOUCA, POIS O QUE É TEU….ESTÁ GUARDADO..

    NÃO PERCEBEU QUE AGORA VOCE FAZ PARTE DOS *INCONFIÁVEIS>

    RESPINGOU, SUJOU , CARA.

  5. Sergio Silvestre
    quinta-feira, 10 de setembro de 2015 – 9:05 hs

    Se cada mordida desse sr custar 17 milhões de reais o Brasil não aguenta mesmo,se tivesse lei dura(ai sr Moro) esse cara estaria de tornozeleira

  6. Parreiras Rodrigues
    quinta-feira, 10 de setembro de 2015 – 9:16 hs

    Ué, prá resolver o problema de caixa do governo aumentando impostos. não é preciso importar phd do Bradesco. O Papai aqui, ó, faz isso e nem precisa de vencimentos de ministro. O cartão corporativo me basta.

Deixe seu comentário:

Campos obrigatórios estão marcados com *

*

*