Suspeito de matar GM chorou ao ser preso, mas não por arrependimento | Fábio Campana

Suspeito de matar GM chorou ao ser preso, mas não por arrependimento

Por Luiz Henrique de Oliveira e Djalma Malaquias, da Banda B:

Apesar de uma postura fria e calculista em seus atos, Evandro de Oliveira Marcolino, de 27 anos, o ‘Peixinho‘, chorou quando foi preso na tarde de sábado (1°) no bairro Brás, em São Paulo. Segundo o delegado Rafael Vianna, da Delegacia de Furtos e Roubos de Curitiba (DRF), responsável pela investigação, Peixinho, acusado de matar o guarda municipal Roni Fernandes em um assalto no último dia 10, no Centro de Curitiba, teve a postura de um covarde.

“Apesar de frio e calculista em seus crimes e não demonstrar arrependimento, quando foi preso ele chorou e teve uma atitude de um covarde, por perder a liberdade. Ele estava escondido em São Paulo e nos disse que a arma do crime já foi dispensada, com isso não conseguimos encontrá-la”, disse à Banda B o delegado Rafael Viana, da DFR. Na delegacia, Peixinho negou à imprensa que chorou, mas disse estar arrependido. “Eu tô arrependido, mas fazer o que?”, limitou-se a dizer.

Prisão
A prisão de Peixinho aconteceu durante uma semana intensa de investigação, quando os policiais civis da DFR permaneceram em São Paulo seguindo todos os passos de Luana Débora Domingues da Luz, de 28 anos, namorada do suspeito. Ela chegou a ser presa por favorecimento real, assinou Termo Circunstanciado (TC) e foi liberada.

“Monitoramos a namorada dele e chegamos até o suspeito depois da passagem dela pela delegacia. Nossos policiais se fantasiaram até de vendedores de ovos para conseguir êxito. Foi um trabalho honrado destes policiais que conseguiram com muito empenho localizar o Peixinho”, disse Vianna.

Além de Luana, foi presa Sueli Carolina da Silva, a Carol, de 32 anos. Amiga do suspeito, a polícia disse que ela estava passando informações falsas para atrapalhar as investigações.

Velho conhecido da polícia
O suspeito é velho conhecido da polícia, por praticar assaltos na região central e também cobrar pedágio de prostitutas e travestis no bairro Boqueirão. No último dia 10, na hora do almoço. Peixinho assaltou uma loja de doces e na fuga matou o guarda Roni, que chegou a ser socorrido ao hospital, mas não resistiu.

Outro caso
Agora a DFR volta a sua equipe para a prisão dos quatro suspeitos de matarem o policial civil Nielsen Custódio da Silva, de 37 anos, em um assalto a um restaurante no bairro Vila Izabel, em Curitiba, na semana passada.


4 comentários

  1. Kátia Flávia
    segunda-feira, 3 de agosto de 2015 – 11:25 hs

    Chora e apanha, apanha e chora até o FIM !!

  2. ferreira
    segunda-feira, 3 de agosto de 2015 – 11:39 hs

    Que saudades do esquadrão da morte dos anos 70.
    Mas quando botarem esse cara na rua provavelmente irá abraçar o kPTa.

  3. Zé da Bota
    segunda-feira, 3 de agosto de 2015 – 11:46 hs

    Coitado… as lagrimas dele comoveram a Maria do Rosário(PT-RS) que se prontificou a colocá-lo em sua casa, na função de segurança…….

  4. LUIZ
    terça-feira, 4 de agosto de 2015 – 8:59 hs

    LEVA ESSE LIXO PRA DAR UMA VOLTA ( SÓ DE IDA ) ATÉ O VIADUTO DOS PADRES,A VISTA É MUITO BONITA.

Deixe seu comentário:

Campos obrigatórios estão marcados com *

*

*