Promotora do Gaeco, bêbada, queria fugir do flagrante, mas populares impedem. Olha o vídeo | Fábio Campana

Promotora do Gaeco, bêbada, queria fugir do flagrante, mas populares impedem. Olha o vídeo

A promotora de Justiça, que atua no Gaeco em Londrina, Leila Schimiti, queria fugir do flagrante após bater em três carros ao dirigir embriagada. Populares a impediram até a chegada da Polícia Militar. Leila foi presa e autuada (veja aqui). Agora veja o vídeo do vexame em público da rigorosa promotora do Gaeco em suas investigações. Assim caminha a humanidade.


25 comentários

  1. TROLL
    domingo, 9 de agosto de 2015 – 20:06 hs

    Conduta ilibada!!!
    Manguaça ilimitada!!!
    Ìiiçaaa…
    Viva a Promotora…..

  2. zangado
    domingo, 9 de agosto de 2015 – 20:29 hs

    A promotora não é o GAECO.

    O GAECO, queremos crer, vai continuar apurando até o centro das responsabilidades pelo escândalo da receita estadual; talvez como mais aplicação, pois está vendo que querem abalá-lo vergonhosamente.

    O escândalo da receita estadual é superiormente mais grave do que o deslise da promotora; se ela bebeu, errou em dirigir, foi com o seu dinheiro; enquanto que os criminais da receita detonaram o dinheiro público, à vista de todos os seus superiores, íntimos ou distantes.

    Força GAECO sempre !!!!!

  3. Emal Souza
    domingo, 9 de agosto de 2015 – 20:58 hs

    O GAECO não merece ! Saiu da polícia e não pagou fiança!!! Por que o privilégio… Essa mulher não livra a cara de ninguém!

  4. eduardo ferreira
    domingo, 9 de agosto de 2015 – 21:02 hs

    Grande Fábio manda este vídeo para toda a mídia ,que em londrina os promotores e um procurador novo no cargo estão interferindo para não sair em rede de televisão sobre o fato já que ela faz parte da turma que cobra e cobra exemplo do povo ,saiu da delegacia na boa sem dor de cabeça e os cinegrafistas foram proibidos em filmar a Dra que toma uma ela é do Gaeco de londrina detona na rede porque ela ,cobra e agora é hora da mídia mostrar quem é este povo

  5. Ex-Funcionário
    domingo, 9 de agosto de 2015 – 21:36 hs

    Acho que é promotora de outras bandas… acho que é da caninha 51… vomitando aqui!!!!

  6. Anibal Junior
    domingo, 9 de agosto de 2015 – 22:12 hs

    Rapaz… ta chamando Jesus de Genésio… Quero acreditar que sua habilitação ficou retida bem como foi liberada mediante pagamento de fiança…

  7. luis
    segunda-feira, 10 de agosto de 2015 – 7:58 hs

    Porque esse blog tem tanto interesse nisso?
    Por acaso tem algum motivo pessoal para explorar notícias como essa?
    O caso pode ser de imprudência, mas com certeza não é de desvio de dinheiro público ou outra improbidade que o valha!

  8. Juca
    segunda-feira, 10 de agosto de 2015 – 8:13 hs

    Tinha que dar exemplo não é mesmo? Tomara que a Corregedoria-Geral do Ministério Público as providências. Agora o preparo dos policiais também é belíssimo, pois no vídeo tem uma voz dizendo que “nem fo…..você vai sair daqui.” Já tratramento melhor, pelo menos sem palavras chulas.

  9. lika
    segunda-feira, 10 de agosto de 2015 – 8:24 hs

    Querem desqualificar a promotora, que estava em desacordo co a lei, mas será que é motivo pra tanto barulho, ou querem dizer que o roubo do dinheiro do povo do parana, feito por essa gangue da receita liderada por esse vagabundo primo do beto que nem faz parte da receita mas é quem manda no governo segundo o proprio cunhado do beto.

  10. segunda-feira, 10 de agosto de 2015 – 8:36 hs

    “Exemplo lamentável e reprovável. Num País civilizado onde vige o respeito ao Estado Democrático de Direito essa lei que membros do Ministério Público só podem ser presos em casos de crimes inafiançáveis. Jamais deveria existir. Provando que no Brasil é letra morta o princípio pétreo de que TODOS são iguais perante a lei sem distinção de qualquer natureza. A sua efetiva e literal aplicação só funciona para o ALTO CLERO. A NOBREZA. OS SANGUE AZUIS. Que vivem no alto do monte olimpo. São semi-deuses contemplando a desventura de não pertencermos a CASTA deles. A sociedade é desrespeitada e aviltada todos os dias. O MP poderia dar o bom exemplo e pedir a EXTINÇÃO dessa lei. Porquê se recusou a fazer o teste? Porquê? Só ela se recusou. Todos os outros envolvidos fizeram. Só ela não. Espero que o MP dê uma resposta a sociedade. Independente do brilhante trabalho que ela faz na operação Publicano. Independente. Profissionalmente ela é um exemplo, e deve continuar a frente do trabalho que está fazendo. Uma coisa é uma coisa. Outra coisa é outra coisa… Muda Brasil. Acorda Brasil!…” – Profº Celso Bonfim

  11. Renato Britto Barros
    segunda-feira, 10 de agosto de 2015 – 9:13 hs

    Que estranha essa atitude dessa promotora e da sua turma.
    Se a lei é para todos e o Ministério Público existe para vigiar o seu cumprimento, por que a turma de promotores tentou dar carteirada e também evitar que a polícia cumprisse o seu papel ?
    Quem investiga o Ministério Público ?

  12. Paula
    segunda-feira, 10 de agosto de 2015 – 9:47 hs

    Bebeu cachaça, que Exemplo ?

  13. Antonio Grando
    segunda-feira, 10 de agosto de 2015 – 10:03 hs

    A promotora, como todo ser humano, tem o direito de errar. As pessoas são falíveis, mas devem responder por seus erros. O problema não reside no erro em si (dirigir em aparente estado de embriaguez, segundo a reportagem), uma vez que -graças a Deus- não houve vítimas; mas no artifício de não realizar o teste do ‘bafômetro’.
    Embora seja uma prerrogativa legal (a de não produzir provas contra si mesmo), na prática trata-se de uma ‘chicana’ jurídica.
    Agindo desta forma, demonstra que o respeito à lei pode ser flexível, de acordo com as conveniências. Triste…

  14. jaferrer
    segunda-feira, 10 de agosto de 2015 – 10:42 hs

    A promotora deve ser punida com o rigor da lei, principalmente por ser uma agente que deveria zelar pelo cumprimento da lei. Agora, quanto ao conteúdo da matéria, acho estranho o comentário. Uma coisa é a corrupção que está sendo investigado, outra é esta atitude da promotora. O fato dela pisar na bola não minimiza a gravidade do escândalo de corrupção envolvendo o estado do Paraná. Jornalismo e militância partidária são coisa que devem ter um tratamento distinto.

  15. Sergio Silvestre
    segunda-feira, 10 de agosto de 2015 – 10:59 hs

    Juca ,seu imbecil,que disse nem que se foda foi o condutor do carro acidentado.
    Os policiais só vieram depois e fizeram o laudo.

  16. Ponderado
    segunda-feira, 10 de agosto de 2015 – 11:40 hs

    Sem maiores delongas, no Estado democrático de direitos (democracia) não pode haver tratamento desigual aos se encontram em situação semelhante.
    Assim, justiça se faz aplicando a todas as autoridades públicas as mesmas regras processuais previstas no art. 101, inc. VII, “A” da Constituição Estadual, sob pena da Constituição Federal ser tratada como um mero pedaço de papel..

  17. João Armindo
    segunda-feira, 10 de agosto de 2015 – 11:59 hs

    Ela precisa d tratamento médico…

  18. João Carlos Coas
    segunda-feira, 10 de agosto de 2015 – 12:07 hs

    A Lei é para todos…….e sem comentários

  19. Parreiras Rodrigues
    segunda-feira, 10 de agosto de 2015 – 12:17 hs

    Ninguém está desclassificando ninguém. Ela mesma se desmereceu.
    Torço para que não reccaia.

  20. luiz
    segunda-feira, 10 de agosto de 2015 – 13:59 hs

    Código de Trânsito Brasileiro

    Art. 306. Conduzir veículo automotor com capacidade psicomotora alterada em razão da influência de álcool ou de outra substância psicoativa que determine dependência: (Redação dada pela Lei nº 12.760, de 2012)

    Penas – detenção, de seis meses a três anos, multa e suspensão ou proibição de se obter a permissão ou a habilitação para dirigir veículo automotor.

  21. Tostão
    segunda-feira, 10 de agosto de 2015 – 14:24 hs

    Infração de transito. Retenção da carteira de habilitação e do veículo se for o caso. Ate o Aécio foi pego assim no Rio. Agora querer desqualificar a promotora, já tem cheiro de politicagem… Cadê o Carli ??

  22. Juca
    segunda-feira, 10 de agosto de 2015 – 15:28 hs

    Você deve saber, não é Calça Frouxa, pois você sabe tudo! Agora falar palavrões desse jeito só mesmo ignorante. Talvez você tenha bola de cristal para garantir que não era um policial falando. E imbecil é você, que tem o traseiro tatuado coma a estrela do PT e a carranca do lula.

  23. segunda-feira, 10 de agosto de 2015 – 18:07 hs

    Conheco a familia, conheco a Leila, posso garantir ser uma pessoa especial, carinhosa, humana, dedicada – integra e excelente profissional. Infelizmente, como todos nós, cometeu um erro – não como “promotora” mas simplesmente como pessoa normal, dentro da rotina de sua vida privada. Tenho certeza que seu senso irrepreensível de justiça compensará devidamente os prejudicados por esse momento infeliz de uma vida brilhante. Garanto que não fugirá das suas responsabilidades devido – não somente ao berço – mas ao seu carácter, sua boa-fé, seu histórico pessoal. Lamentamos o fato – lamentamos pelos danos a terceiros – mas – sem nenhum constrangimento fica aqui minha solidariedade pessoal e de minha família. Temos certeza que o tempo dará a devida resposta e demonstrará a boa-fé de uma pessoa muito especial – porém – humana como todos nós.

  24. jonas tibilete
    segunda-feira, 10 de agosto de 2015 – 19:34 hs

    Privilegio vergonhoso! Cadeia pra esta manguaceira! Pessimo exemplo que o MP passa a sociedade!

  25. Vigilante do Portão
    terça-feira, 11 de agosto de 2015 – 4:36 hs

    A Vênus Platinada das Araucárias, através de seu Jornal, demorou 50 HORAS para colocar a notícia no jornal “online”.

    Depois, claro, de combinar as versões e misturar os relevantes trabalhos da Dra. Leila.

    A questão é simples:

    Uma pessoa (independentemente de ser Promotora) dirigia alcoolizada e se envolveu em acidente.

    Acontece, às centenas, nas ruas e estradas do Brasil.

    Erram as mídias, ao dar maior ênfase;
    Erra a Gazeta/RPC, ao esconder o fato;
    Erra o MP, ao tentar minimizar a conduta(*);
    Erra a Promotora, ao não fazer os exames.

    (*)…Ela estava FORA do horário de trabalho, disse o Procurador.

    Então, na ótica obtusa, FORA do expediente a Dra. Leila poderia se embriagar e sair dirigindo?

    A tese vale para as demais pessoas?

Deixe seu comentário:

Campos obrigatórios estão marcados com *

*

*