MST ocupa Receita Federal em Curitiba | Fábio Campana

MST ocupa Receita Federal em Curitiba

Quatrocentos integrantes do MST ocuparam a Receita Federal em Curitiba na manhã desta segunda-feira (3). Também ocorrem mobilizações em rodovias e pedágios. As ocupações, segundo o MST, fazem parte da segunda Jornada de Lutas e ocorrem em todo o país. Os sem terra denunciam o ajuste fiscal do governo no orçamento da reforma agrária.

“A paralisação da reforma agrária se agrava com o ajuste fiscal do governo que cortou 50% dos recursos – de R$ 3,5 bilhões sobraram apenas R$ 1,8 bilhão. O que ameaça estagnar ainda mais o processo da reforma agrária no país, pois sem orçamento não há como o governo cumprir o compromisso político que assumiu no início deste ano de assentar 120 mil famílias Sem Terra acampadas no Brasil”, diz nota à imprensa.

Segundo o MST, no Paraná, são 7 mil famílias acampadas em 75 latifúndios improdutivos. Os sem terra exigem que o governo elabore um plano de metas para assentar no mínimo 50 mil famílias por ano em todo o país, no período de 2016-2018. Hoje, 193 áreas se encontram com processos judiciais que impedem aquisição pelo Incra. São mais de 986 mil hectares de terras, em todo o País, que dependem da Justiça para a sua liberação para a Reforma Agrária.

Eles também reivindicam do governo federal um programa que garanta o desenvolvimento produtivo e social, resolvendo os problemas infraestruturais dos assentamentos, como: a construção/recuperação de estradas; energia elétrica para consumo familiar e produção agrícola e agroindustrial; a construção de escolas nos assentamentos; a construção de postos de saúde, combinados com o programa Mais Médicos; a viabilização de saneamento ambiental e ecológico nos assentamentos; a construção de centros comunitários, para convivência cultural e lazer.

Os trabalhadores sem terra também cobram a continuidade da assistência técnica que estimula a cooperação e a produção de alimentos saudáveis, respeitando e garantindo a participação das organizações das famílias assentadas, e a ampliação de programas para a agroindustrialização e comercialização dos alimentos produzidos camponeses Sem Terra. Durante essa semana todos os estados estarão mobilizados em luta permanente em defesa da pauta da classe trabalhadora camponesa.


10 comentários

  1. QUESTIONADOR
    segunda-feira, 3 de agosto de 2015 – 12:47 hs

    -As verbas destinadas ao programas do MST deveriam ser sumariamente cortadas, pois trata-se de um grupo suportamente armado que pode ser considerado como milícia e alguns até afirmam que seria o braço armado do partido da estrela.
    -Por via das dúvidas, a reforma agrária neste País é tema importante e merece estudo profundo, pois não pode ser considerado apenas o lado político da questão, mas real necessidade de quem precisa de terra para seu sustento e não como especulação imobiliária.

  2. Cesar
    segunda-feira, 3 de agosto de 2015 – 13:09 hs

    Foram ao local errado.Este pessoal deveria ir à Brasília no Ministério da Fazenda.Lá poderiam conversar com o Levy,marionete da Dilma.Foram eles que fizeram o corte de verbas.

  3. Luigi
    segunda-feira, 3 de agosto de 2015 – 13:16 hs

    Os Sans-culottes tentam reprisar a revolução francesa. O que farão, sem o seu próprio Robespierre, que acaba de ser condenado a 31 anos de masmorra?

  4. segunda-feira, 3 de agosto de 2015 – 13:41 hs

    O MST até parece o Estado Islâmico, por onde passa deixa um rastro de rapinagem, de destruição. de vandalismo, de insegurança nas propriedades rurais, de furtos e ameaças aos proprietários de terras. Depois que o maior mentiroso, da história deste País, de apelido Lula, que para agradar a ditadura colocou o apelido em seu nome, numa demonstração da falta de caráter e de dignidade, disse que se houvesse algo contra Dilma, ele colocaria o exército (?) de Pedro Stédile em ação. Isto é o que menos se esperava de um ex Presidente. Chamar BADERNEIROS de EXÉRCITO é instigar para uma convulsão social, algo tão peculiar dos petistas. Quando Lula diz: Nós contra eles, significa o “NÓS”, os “CORRUPTOS” contra “ELES” que somos nós os “HONESTOS” e “PROBOS”.

  5. segunda-feira, 3 de agosto de 2015 – 13:48 hs

    O MST não respeita ninguém mesmo, ao invadir a Receita Federal em quase todos os Estados demonstra que o objetivo principal dele é mesmo a INVASÃO, a BADERNA e a falta de EDUCAÇÃO, esta que é um dos pilares da DEMOCRACIA.

  6. jose carlos pinto
    segunda-feira, 3 de agosto de 2015 – 13:55 hs

    TINHAM QUE OCUPAR O INCRA, E A PETROBRAS, MAS O ESTÉDILE
    COM SEU EXERCITO SÓ ENTRAM ONDE INTERESSA AOS COLEGAS
    ALIADOS E SÓCIOS EM GRANDES MONTANTES, E JÁ ESTÁ NA HORA
    DE ABRIR A CAIXA PRETA DO BNDS.

  7. AMARAHAL
    segunda-feira, 3 de agosto de 2015 – 13:56 hs

    Porque será que esses Mercenários Sanguessugas Terroristas vulgo MST ainda não invadiram os latifúndios do sr. LULLADRÃO DA SILVA ?

  8. tche
    segunda-feira, 3 de agosto de 2015 – 13:58 hs

    Pera aí. Como? ????
    Vamos limpar já a nossa mal deodoro desses
    fedorentos. do gringo nojento stedile et lula.

  9. TROLL
    segunda-feira, 3 de agosto de 2015 – 13:59 hs

    Será que o “exército” do Lula e do Stedile não estão ocupando o lugar errado? kkkkk….

  10. RR
    segunda-feira, 3 de agosto de 2015 – 16:26 hs

    CADE AS FFAA PRA ACABAR COM ESSE LIXO TERRORISTA.

Deixe seu comentário:

Campos obrigatórios estão marcados com *

*

*