Michel Temer lá | Fábio Campana

Michel Temer lá

mail.google.com

Mary Zaidan

Profissionais da política não costumam improvisar. Não apostam no acaso. Dito isso e diante da sequência de acontecimentos desta semana, dá-se por óbvio observar: Michel Temer está a um passo da cadeira de Dilma Rousseff. Por impedimento ou renúncia da presidente.

Tudo parece fruto de uma combinação elaborada, prevista para ser colocada em prática se e quando uma bomba letal fosse colocada dentro da sala dos que realmente regem o poder. O estopim teria sido a prisão de José Dirceu, o ex-ministro e ex-amigo de Lula, o ex-todo-poderoso do PT, o ex-capitão do time, o guerreiro do povo brasileiro.

De lá para cá, movimentações antagônicas e ao mesmo tempo complementares desembocaram na solução Temer.

Lula reúne-se com petistas em São Paulo e traça cenário desolador para o PT, o ministro-chefe da Casa Civil de Dilma, Aloizio Mercadante, vai à Câmara dos Deputados, admite erros do governo e elogia a oposição, o vice-presidente da República conclama por união nacional.

Na contramão do ajuste, a Câmara espreme ainda mais Dilma. Na madrugada de quinta-feira aprova a PEC que vincula os salários da Advocacia-Geral da União e de delegados a 90,25% do salário dos ministros do Supremo, incluindo ainda procuradores de estado e de municípios com mais de 500 mil habitantes. Apenas três petistas votam com o governo.

PDT e PTB, que juntos somam 44 deputados, formalizam o abandono à base. E o plenário aprova – com celeridade nunca vista – as contas dos dois governos de Fernando Henrique Cardoso e de Lula. Com isso, a pauta para votar as contas de Dilma que podem vir do TCU com a indicação de rejeição está limpa. Daí para abertura do processo de impeachment é um pulo.

Ainda na quinta-feira, Temer volta a apelar pela união de todas as forças em nome do Brasil. As federações das indústrias de São Paulo e do Rio — Fiesp e Firjan – assinam documento conjunto de apoio à união pregada pelo vice-presidente da República. Uma nota oficial de duas das maiores entidades empresariais do país, aprovada com rapidez sem igual, aponta como saída a “proposta de união apresentada pelo vice-presidente da República”. Nem por cortesia citam Dilma.

Difícil crer que tudo isso – convocação e união pelo Brasil, apoio empresarial, votação das contas de ex-presidentes para limpar a pauta abrindo-a para a possibilidade de impeachment – tenha ocorrido por capricho do destino, pelos ares de agosto ou conjunções astrais. Até porque são lances de quem entende o xadrez da política, sabe jogá-lo e dificilmente perde.

Dilma pode até não ser o cerne da crise, gestada nos tempos de Lula. Mas afastá-la tornou-se crucial para resolver a crise. Ameaçá-la com o impedimento constitucional para que ela se convença de que a renúncia é o melhor caminho pode ser parte do script. Se vai dar certo ou não, impossível prever.

País algum consegue encarar (e superar) uma crise, quanto mais da gravidade da que está instalada por aqui, com uma presidente tão frágil e impopular. E que ainda tem mais de 40 meses de mandato, quase três anos e meio.

Profissional, o vice Temer sabe muito bem disso. Tem passado todos os seus dias construindo a tal da credibilidade de que Dilma não goza e não tem mais como recuperar. Se dará certo ou não, impossível prever.


5 comentários

  1. AMO
    sábado, 8 de agosto de 2015 – 19:34 hs

    Ja vai tarde, e o Lulinha?

  2. QUESTIONADOR
    sábado, 8 de agosto de 2015 – 21:08 hs

    -União do Brasil em favor do Temer..é uma Temer(idade)!!!
    -Vejamos, o povo brasileiro está começando à reivindicar seus direitos e uma boa conduta dos políticos.
    -Temer nunca foi e nunca será unanimidade nacional. Vem de um partido que já governou mal o Brasil. Como sempre a presidência cai no colo do PMDB…mas este não é credenciado para um governo austero e competente.
    -A aposta da Fiesp e Firjan é para que o Brasil não pare. Mas esquecem que a economia brasileira precisa menos interferência do estado e mais liberalismo.
    -E como fica a questão moral? O PMDB e Temer foram a base deste esdrúxulo governo petista. Tem envolvimento no Mensalão, Petrolão e outros ão que devem surgir pela frente, como BNDES!!!
    -Estamos perdidos e no fim do poço!!!

  3. manoel bocudo
    domingo, 9 de agosto de 2015 – 10:38 hs

    TÁ LOUCO DE VONTADE DE PEGAR A TETA, MAS SE ELA CAIR
    O DRÁCULA AI CAI JUNTO, MAIS FALSO QUE ROLEX DO PARAGUAY,
    COMO PODEM VOTAR EM UM HOMEM COM UMA CARA DE FALSO
    COMO ESTE.

  4. NA CORDA BAMBA
    domingo, 9 de agosto de 2015 – 17:52 hs

    Que Temer !? Hoje o mais indicado e preparado para melhorar um pouco
    mais é o Aécio. Aliás o menos pior…

  5. marcello
    segunda-feira, 10 de agosto de 2015 – 10:20 hs

    Dilma é ruim. PT é ruim. Mas o Conde Drácula é o que?

Deixe seu comentário:

Campos obrigatórios estão marcados com *

*

*