Juiz Sérgio Moro veta a Gleisi Hoffmann acesso à Operação Pixuleco II | Fábio Campana

Juiz Sérgio Moro veta a Gleisi Hoffmann acesso
à Operação Pixuleco II

gleisi - foto 34

Juiz da Lava Jato argumentou que liberação dos documentos contidos em dois processos é inviável porque colocaria em risco diligências pendentes sobre ‘pagamentos sem causa’ à senadora do PT.

O juiz federal Sérgio Moro vetou à defesa da senadora Gleisi Hoffmann (PT/PR) acesso a dois processos criminais em que ela teria sido citada na Operação Pixuleco II, desdobramento da Lava Jato que mira em propinas a partir de contratos de empréstimos consignados no âmbito do Ministério do Planejamento.O juiz da Lava Jato autorizou acesso apenas a um processo. “Quanto aos demais, inviável porque colocaria em risco diligências pendentes”, ressaltou. As informações são da Agência do Estado.

Sérgio Moro observou que ‘não há nenhuma medida processual decretada contra a senadora, com o que o exercício do direito de defesa não é no momento premente’. Ele recomendou que ‘eventuais novos requerimentos deverão ser dirigidos exclusivamente ao Supremo Tribunal Federal’, Corte que detém competência para abrir investigação sobre políticos com foro privilegiado.

Na terça-feira, 25, Moro enviou ao STF documentos que podem indicar repasses ilícitos para Gleisi Hoffmann, ex-ministra do Governo Dilma Rousseff (Casa Civil). Ela teria sido beneficiária de parte de valores que transitaram pelo ‘Fundo Consist’ – empresa envolvida em desvios de empréstimos consignados. O dinheiro teria sido usado para cobrir também despesas pessoais da senadora.

Ao mandar para o Supremo as informações que citam a petista, o juiz acolheu pedido da Polícia Federal e do Ministério Público Federal. “Havendo indícios de que autoridade com foro privilegiado seria beneficiária de pagamentos sem causa, é o caso de acolher o requerimento da autoridade policial e do Ministério Público Federal e remeter o feito para o Supremo Tribunal Federal”, decidiu Moro.

Gleisi já é alvo de investigação da Procuradoria-Geral da República pelo suposto recebimento de R$ 1 milhão do esquema Lava Jato na campanha de 2010. A suspeita sobre Gleisi surgiu a partir da análise de documentos apreendidos no escritório de advocacia Guilherme Gonçalves, estabelecido em Curitiba, base da senadora, no último dia 13 de agosto. Na ocasião, foi deflagrada a Operação Pixuleco II.

“Na busca e apreensão realizada no escritório de Guilherme Gonçalves foram colhidos documentos que indicam que os valores recebidos da Consist Software teriam sido em parte utilizados para efetuar pagamentos em favor da senadora Gleisi Hoffmann”, apontou o juiz Sérgio Moro no despacho ao Supremo. São três autos em que a senadora teria sido citada. “Há necessidade de conhecimento do conteúdo desses três autos com celeridade, para que se garanta, com efetividade, a ampla e plena defesa”, sustenta a advogada Verônica Abdalla Sterman, constituída por Gleisi.

Verônica Abdalla Stermann requereu ‘seja franqueado o acesso aos elementos de prova e manifestações da autoridade policial e Ministério Público Federal já documentados nos autos, independente de sua remessa ao Supremo Tribunal Federal’. O juiz Moro, porém, autorizou acesso a apenas um processo.


8 comentários

  1. leandro
    quarta-feira, 26 de agosto de 2015 – 16:12 hs

    Então tem mais do que um processo?

  2. MANOEL BOCUDO.
    quarta-feira, 26 de agosto de 2015 – 16:26 hs

    o nariz está abaixando dona barby, mas não era o moro que vc
    falava que não sabia de nada.

  3. tadeu rocha
    quarta-feira, 26 de agosto de 2015 – 16:36 hs

    BICHO PEGOU PARA LADO DELA……NÃO SALVA NENHUM PT.

  4. Kátia Flávia
    quarta-feira, 26 de agosto de 2015 – 17:16 hs

    Tá chegando …

  5. sargento tainha
    quarta-feira, 26 de agosto de 2015 – 20:06 hs

    Diligencias a caminho, hum ! Hum, Sei Nao vem cana brava ai! Vai todo mundo em Cana. Bernardao que se cuide, pois alguem vai cuidar da “barbie”… kkkkk! Nao tem preço ver esses tronbadinhas com o C… to,…. piscando!

  6. iri
    quinta-feira, 27 de agosto de 2015 – 11:33 hs

    Barbye de luxo, não tem escapatória não, por mais que já tenha aprendido com os coleguinhas do PT a palavra “repúdio” está na cara que vc não é diferente dos demais bandidos de nossa política podre e suja.

  7. jose carlos pinto
    quinta-feira, 27 de agosto de 2015 – 13:46 hs

    OS NOSSOS PARANAENSES PRESENTES NESSES ROLOS,
    SÓ NOS ENVERGONHAM.

  8. merisa piras
    domingo, 20 de março de 2016 – 14:56 hs

    Mas para a Globo ele libera tudo antes mesmo de ser provado que são culpados. Muito cara de pau este juizinho de meia pataca e ainda mais quem o defende.

Deixe seu comentário:

Campos obrigatórios estão marcados com *

*

*