Dinheiro sujo pagava até motorista de Gleisi | Fábio Campana

Dinheiro sujo pagava até motorista de Gleisi

O juiz federal Sergio Moro encaminhou nesta terça-feira (25) ao Supremo Tribunal Federal (STF) os indícios de envolvimento da senadora Gleisi Hoffmann (PT) e do ex-ministro Paulo Bernardo (PT) na Operação Lava Jato. Segundo o despacho, parte do dinheiro repassado da Consist ao escritório do advogado Guilherme Gonçalves foi usado para pagar despesas da senadora. Um dos exemplos citados no despacho de Moro é o pagamento do salário de um motorista de Gleisi.

Reportagem da Gazeta do Povo, trouxe que documentos e controles apreendidos no escritório de Gonçalves, que foi alvo de mandados de busca e apreensão na 18.ª fase da Operação, mostram repasses da empresa Consist que podem ter ligação com o pagamento de honorários de campanhas da petista.

Segundo os investigadores, Gonçalves era responsável por administrar o “Fundo Consist”. De acordo com o despacho de Moro, uma planilha de fevereiro desse ano apreendida no escritório de Gonçalves revela que no “Fundo Consist, com crédito de R$ 50.078,00, foram efetuados diversos lançamentos de débitos em favor da senadora e de pessoas ligadas a ela”.

Na planilha apreendida estão listados débitos como o pagamento de uma multa relacionada ao nome de Gleisi, no valor de R$ 1,3 mil, e débitos relacionados a Zeno Minuzzo – secretário de finanças do diretório estadual do PT – e Hernany Mascarenhas – motorista.

Segundo os documentos apreendidos, “constam indícios de que o referido Hernany era remunerado pelo Fundo Cosnist administrado por Guilherme Gonçalves desde pelo menos outubro de 2011”.

Fundo Consist
De acordo com os investigadores, a Consist teria iniciado pagamentos de vantagens indevidas depois da celebração de um acordo de cooperação entre o Ministério do Planejamento, a Associação Brasileira dos Bancos (ABBC) e o Sindicato das Entidades Abertas de Previdência Privada (Sinapp). O objetivo do acordo era a disponibilização, pela internet, de serviços e sistema informatizado de gestão de margem consignável em folha de pagamento.

Segundo Moro, há provas que revelam que “parte expressiva da remuneração da Consist, cerca de 9,6% do faturamento líquido, foi repassada, por solicitação de Alexandre Romano [operador, preso na 18.ª fase da Lava Jato], ao advogado Guilherme Gonçalves, em Curitiba, que, por sua vez, utilizou esses mesmos recursos para pagamentos associados à senadora da República Gleisi Hoffmann [PT]”.

Paulo Bernardo
O ex-ministro Paulo Bernardo, marido de Gleisi, também aparece nas anotações apreendidas no escritório de Gonçalves. De acordo com o despacho de Moro, em um dos documentos apreendidos consta uma anotação de que “do pagamento de R$ 50 mil de honorários pela Consist a Guilherme em 29/09/2011, ele teria acertado com o ex-ministro Paulo Bernardo (…) que ficaria, desta feita, com todo o montante”.

Para Moro, a anotação indica que os valores não se tratavam de honorários por serviços prestados por Gonçalves à Consist, já que o advogado “precisaria de concordância de terceiro para lidar com honorários pagos pela Consist”.

Outro lado
Em nota, a senadora Gleisi Hoffman (PT) afirmou que conhece o advogado Guilherme Gonçalves há muito tempo e que em 2008 e 2010 foi advogado das campanhas da senadora. “Em 2014 atuou como advogado das candidaturas proporcionais da coligação pela qual fui candidata. A minha campanha foi atendida pelo Dr. Luiz Fernando Pereira. Todo o trabalho do Dr. Guilherme Gonçalves consta nas minhas prestações de contas, aprovadas pela Justiça Eleitoral”, diz um trecho da nota. A senadora afirmou, ainda, que em relação a campanha de 2014 ainda existe débito com o escritório, o que está a cargo do PT. “Desconheço as relações contratuais que o Dr. Guilherme Gonçalves mantém com outros clientes, assim como desconheço qualquer doação ou repasse de recursos da empresa Consist a minha campanha”, afirmou Gleisi.

O advogado Guilherme Gonçalves informou que liberou acesso a todos os arquivos referentes à empresa Consist e aguarda a decisão do Supremo Tribunal Federal a respeito do assunto. Em nota, o advogado reforçou que prestou serviços jurídicos para a Senadora Gleisi Hoffmann e também para a empresa Consist Software, “conforme firmado em contrato e de forma lícita”.

O ex-ministro Paulo Bernardo não foi localizado para comentar o caso.

Nova nota
Em nova nota encaminhada, a assessoria de Gleisi esclarece que “Zeno Minuzzo é dirigente do Partido dos Trabalhadores. Já ocupou vários cargos na direção partidária. A relação da senadora Gleisi com Zeno é de militância partidária.”. E aponta ainda que “Hernany Bruno Mascarenhas é filiado ao Partido dos Trabalhadores e motorista do Dr. Guilherme Gonçalves. Como a senadora conhece Guilherme há muito tempo, ele cedia seu motorista quando a senadora não possuía escritório em Curitiba”.


4 comentários

  1. MANOEL BOCUDO.
    quarta-feira, 26 de agosto de 2015 – 11:25 hs

    PIZZA ??? OU PÃO E BANANA EM PINHAIS ????

  2. Zé Pitoco
    quarta-feira, 26 de agosto de 2015 – 16:58 hs

    Conta outra. Quem conhece o Hernany sabe que ele foi casado com a assessora de comunicação da senadora Gleisi e sempre foi funcionário exclusivo da senadora. Hernany simprão, nos dias de folga passeava de gareli vermelha pelo centro de Curitiba. E quando a ministra estava no Paraná, ele andava de harly.O TEMPO PASSA E a poupança Bamerindus, continua numa boa!

  3. dercio
    quarta-feira, 26 de agosto de 2015 – 20:36 hs

    A Operação Política Supervisionada suspeita de alimentação superfaturada ou de terceiros de Valdir Rossoni (PSDB-PR), ressarcido pela cota parlamentar. Só em uma pizzaria, gastou sozinho R$ 250.

  4. jose carlos pinto
    quinta-feira, 27 de agosto de 2015 – 7:52 hs

    O HERNANY SEMPRE FEZ GRANDES APLICAÇÕES,
    APLICAVA O GOLPE NO POVO, NOIS TI CONHECE HERNANY.
    SÓ CARRÃO E HOTEIS CAROS HEIM … CONTA OUTRA.

Deixe seu comentário:

Campos obrigatórios estão marcados com *

*

*