Dilma depende do PMDB para manter o cargo | Fábio Campana

Dilma depende do PMDB
para manter o cargo

renan, dilma e michel temer

Gabriel Garcia

É inquestionável, dentro e fora das paredes do Congresso Nacional, a falta de habilidade política da presidente Dilma Rousseff. Nas cordas por causa da crise política e das denúncias de corrupção que vêm de Curitiba, provenientes da Operação Lava Jato, Dilma não foi à lona por causa do PMDB, que não embarcou no discurso de impeachment da oposição. Não significa que o cenário está resolvido.

O partido do vice-presidente da República Michel Temer afaga a petista com uma mão e a estoca com a outra, tornando-a cada vez mais dependente dos 67 deputados federais e 17 senadores peemedebistas. Se o pedido de impeachment não começou a tramitar no Congresso, Dilma deve ao maior aliado da fragilizada coalizão do governo. Mas o providencial socorro do presidente do Senado, Renan Calheiros (PMDB-AL), é insuficiente para acalmar os ânimos na base aliada.

A denúncia que será apresentada nesta quinta-feira (20) pelo procurador-geral da República, Rodrigo Janot, contra o presidente da Câmara, Eduardo Cunha (PMDB-RJ), não encerra o drama do Palácio do Planalto. Refresca, mas Dilma precisa da Câmara. “O governo precisa das duas Casas (Senado e Câmara) para estancar a crise”, resume o deputado Danilo Forte (PMDB-CE), parlamentar com trânsito entre os baixo e médio cleros.

Cunha é conhecido por sua habilidade política e capacidade de controlar a bancada peemedebista, mas tem ascendência sobre outros partidos. Aliado de Dilma, o deputado Rogério Rosso (PSD-DF), líder da sua bancada, não descarta apoio a Cunha. Segundo ele, o peemedebista representa a independência do Parlamento. Tal opinião é compartilhada pelo deputado Sérgio Souza (PMDB-PR), suplente da senadora petista Gleisi Hoffmann (PR). Ele lembra que, apesar de questionado, Cunha exerce bastante força entre seus pares.

Dilma Rousseff já entendeu o recado. Mesmo contra sua vontade, a presidente reconhece a necessidade de se recompor com o aliado, ainda que precise entregar o sua principal joia, o ministro da Casa Civil, Aloizio Mercadante. Tudo porque pretende angariar 200 aliados fiéis, que impeçam a todo custo a tramitação do impeachment. Somando-se aos 63 deputados federais petistas, os 67 peemedebistas formariam uma bancada de 130. Os outros 70 fieis Dilma conseguiria de partidos menores, como os 13 deputados do PCdoB. Dilma pretende fazer sua reforma ministerial com esse pensamento. Estuda reduzir o número de aliados e de ministérios, mas exige absoluta fidelidade. Quem ficar, deverá garantir a governabilidade. Resta saber se realmente os peemedebistas embarcarão, sem questionamentos, na proposta de Dilma.


4 comentários

  1. Sergio Silvestre
    quinta-feira, 20 de agosto de 2015 – 7:54 hs

    Não adianta espernear,a Dilma FICA até 2018 e com amplas possibilidades de arrumar a economia e o Lula papar de novo e ficar no poder até morrer.
    Os Reaças ai raciocinem comigo,com todo esse tiroteio o homem tem perto de 40% dos votos,agora imaginamos um cenário em que a economia volte nos patamares de 2013,ai o Lula nada de braçada.
    Esse ano tem o final da transposição do São Francisco,a duplicação de muitas estardas federais ,ferrovias e hidrelétricas.
    Vem ai o evento das Olimpíadas e o povo vai estar com o lula nos braços.
    E essa historia de que o Lula roubou etc dos coxinhas está caindo por terra as mentiras,uma delas é o triplex do Lula onde ele esta´processando a globo,

  2. Juca
    quinta-feira, 20 de agosto de 2015 – 13:04 hs

    Sério mesmo SS Calça Frouxa? Duplicação de muitas estradas federais? Ferrovias? Tudo concluído em 2015. 40% dos votos para teu chefe: Você deve estar bêbado e delirando como teu chefe, o 51!

  3. quinta-feira, 20 de agosto de 2015 – 14:28 hs

    O Lula nadando de braçadas , acredito, mas no dinheiro desviado do MENSALÃO, DO PETROLÃO, DOS FUNDOS DE PENSÃO, DAS ESTATAIS e etc etc. O homem está podre de rico. E o fato da Dilma arrumar a economia, até pode ser que a faça, mas em benefício próprio, pois o caso da Usina de Pasedina (EUA) ainda não restou solucionado.

  4. LENZA TOLEDO
    quinta-feira, 20 de agosto de 2015 – 15:33 hs

    Esse tal de SS não deve ser bom de cabeça. Não é de dar dó, uma figura dessas? Como fala besteira esse daí. Pelo visto tinha algo de errado no sanduíche dele na manifestação pró-Dilma.

Deixe seu comentário:

Campos obrigatórios estão marcados com *

*

*