Consumo das famílias é o pior desde 2001 | Fábio Campana

Consumo das famílias
é o pior desde 2001

É grave a crise. Com peso de 62,5% do PIB pelo lado da demanda, o consumo das famílias fechou o semestre em queda de 1,8%. Trata-se do pior desempenho do indicador nesse tipo de cálculo desde a segunda metade de 2001, quando a queda acumulada no semestre foi de 2%. Por trás dessa perda de fôlego do consumo, está a combinação de juros, inflação e deterioração do mercado de trabalho.

Segundo Rebeca Palis, gerente de contas nacionais do IBGE, o crescimento do crédito nominal foi de 4,7% em operações de crédito para pessoas físicas, abaixo da inflação, o que representa queda em termos reais. Além disso, a inflação e o maior custo do crédito influenciaram no resultado do indicador.

— A inflação também acelerou, o IPCA cresceu 8,5% no segundo trimestre de 2015 contra 6,4% no segundo trimestre de 2014. A Selic aumentou, o crédito não está crescendo em termos reais e tivemos deterioração dos indicadores de emprego e renda.

O consumo das famílias já foi o motor do crescimento da economia nos anos anteriores. Para se ter uma ideia, em 2010, ano em que o país se recuperou da crise global, o indicador fechou o primeiro semestre com alta acumulada de 6,6%. Naquele ano, em que o PIB subiu 7,6%, o consumo no país subiu 6,4%.

A expectativa para o fim do ano é de piora no ritmo de consumo, na esteira dos dados negativos do mercado de trabalho. As projeções de analistas do mercado chegam a indicar perda de 1 milhão de postos de trabalho formais neste ano. Para André Perfeito, economista-chefe da Gradual Investimentos, é possível esperar novos dados negativos no próximo trimestre.

“No terceiro trimestre o ajuste será ainda mais severo no Consumo das Famílias na esteira do aumento do desemprego já verificado via Caged, PME e Pnad”, destacou Perfeito, em nota.

O dado negativo também impactou o resultado do consumo das famílias no acumulado em 12 meses. Nesse tipo de cálculo, a queda é de 0,6%, a primeira desde 2004. Isso significa que, se o ano terminasse agora, seria esse o resultado final do indicador. Caso o quadro negativo persista e o consumo, de fato, encerre 2015 no negativo, será a primeira queda anual desde 2003, quando a economia brasileira passava por outro período de ajuste.


3 comentários

  1. QUESTIONADOR
    sábado, 29 de agosto de 2015 – 21:14 hs

    -O melhor indicador são os supermercados!!!
    -Se a venda está diminuindo…então a crise chegou!!!
    -E os combustíveis??? Esqueceram, reparem nos postos de combustíveis.
    -Vão até os bairros no horário comercial e vejam se os carros estão na garagem??? Muitos estão de ônibus, outros vendendo os carros por vários motivos e um deles é não conseguir honrar os pagamentos dos financiamentos….
    -O País quebrou!!! Culpa desta quadrilha de ladrões e incompetentes que assaltaram os cofres públicos, mandando dinheiro para bancar obras fora do país com o nosso dinheiro!!!

  2. JÁ ERA ...
    domingo, 30 de agosto de 2015 – 7:48 hs

    A economia do país foi pro pau. Infelizmente para aqueles que
    não votaram nesta turma de ladrões do PT estamos amargando
    a decadencia das nossas vidas novamente. Vencemos a inflação
    desenfreada do Sarney e quando o país voltou a respirar um ar
    “Europeu” de inflação controlada, chega o PT e enfia a mão no nos-
    so bolso. Vamos vencer sim, porem vai levar uma década…

  3. FISCAL DE REALEZA
    domingo, 30 de agosto de 2015 – 8:23 hs

    NAO É NAO FABIO POIS EM 2002 O SALARIO MINIMO ERA OS MISEROS 58 DOLARES E HOJE COM TODA ESSA ALTA ESTA ACIMA DE 250 E O PROPRIO AROS QUE SE PAGAVA LA EM 2003 QUE ERA DE 13 REAIS HOJE COMPRA AINDA POR MENOS DE 10

    CLARO QUE NAO SOMOS HIPOCRITAS COMO OS TUCANOS DE DIZER QUE ESTA TUDO BEM PORQUE NAO ESTA MAS AINDA ESTA BEM MELHOR QUE QUANDO ERA ELES

Deixe seu comentário:

Campos obrigatórios estão marcados com *

*

*