Comando-Geral da PM pede desculpas a vereadores | Fábio Campana

Comando-Geral da
PM pede desculpas
a vereadores

cmc_pmpr

do Bem Paraná

A polêmica declaração do major Alex Breunig, da Polícia Militar, durante a votação do projeto que libera a venda de bebidas alcoólicas nos estádios, na sessão plenária desta quarta-feira (26), motivou um pedido oficial de desculpas por parte do Comando da Polícia Militar do Paraná. O comandante-geral da PM, Maurício Tortato, visitou na manhã desta quinta-feira (27) o presidente da Câmara Municipal de Curitiba, Ailton Araújo (PSC). “Humildemente venho aqui manifestar meu absoluto respeito a todos os integrantes da Câmara de Vereadores em relação à forma como foi conduzido o debate acalorado. Podemos traduzir isso [essa visita] em um pedido de desculpas a todos os vereadores”, disse.

O tenente-coronel ainda deixou claro que a postura institucional da Polícia Militar é “de absoluto respeito aos legítimos representantes do povo curitibano, razão pela qual não adotaríamos institucionalmente nenhuma postura mais agressiva que não fosse da composição, da construção e do aperfeiçoamento do processo democrático em prol da sociedade curitibana”, complementou.

Durante a votação em segundo turno do projeto de lei que libera a venda de bebidas alcoólicas dentro dos estádios, Breunig ameaçou publicar os nomes dos responsáveis pela aprovação, sempre que forem registrados crimes relacionados a bebidas nos jogos. “Desta vez, o aumento da criminalidade tem endereço e tem nomes. Cada vez que um vereador oficiar a polícia dizendo que está com problemas de segurança, vou colocar esse cartaz de votação na resposta, incluindo quem votou a favor e, pior, aqueles que se omitiram”, disse na tribuna da Câmara Municipal.

Leia a matéria completa aqui.


12 comentários

  1. Marcelo Santos
    quinta-feira, 27 de agosto de 2015 – 15:44 hs

    Claramente o cara apresenta um projeto que atende aos próprios interesses.. devia ter vergonha… Não é ele que tem que mandar policiais militares para separar bêbados se matando na saída dos jogos!

  2. SANDOR MENDES
    quinta-feira, 27 de agosto de 2015 – 15:50 hs

    Concordo com o que disse o nobre militar Breunig.
    Aproveito para sugerir ao mesmo que divulgue o nome de todos os deputados que são contra a redução da maioridade penal todas as vezes que a SUA PM prender menores bandidos e for obrigado a solta-los no mesmo dia.
    Divulgue também o nome dos PM’s corruptos, todas as vezes que comerciantes são extorquidos em troca de segurança.
    Divulgue também o nome de juízos carentes de receber incentivos financeiros, todas as vezes que concedem habeas corpus a bandidos de diversos quilates.
    Se a PM não consegue garantir segurança à população por conta de alguns bêbados, então fecha este boteco e proiba tambem a venda em supermercados, em bares e até nas festas das igrejas.

  3. Pedro Fernandes de Oliveira
    quinta-feira, 27 de agosto de 2015 – 16:21 hs

    Institucionalmente o Major não poderia ter feito o que fez, mas, como cidadão ele está absolutamente certo e pior, todo mundo sabe disso. Será que o cidadão que vai ao estádio, torcer pelo seu time, não consegue ficar ao menos duas horas sem beber uma cachaça (cerveja, etc)?. A legislação, a título de exemplo, não permite a bebida a menores de 18 anos, ou ainda, “se beber não dirija”. Não entendo porque o indivíduo tem que beber quando vai ao estádio. Alguém está efetivamente ganhando com isso, e certamente, não é a sociedade ou as pessoas de bem. Se for o caso, é só fazer um plebiscito. Duvido que tirem a razão do Major.

  4. Carlos
    quinta-feira, 27 de agosto de 2015 – 16:27 hs

    Deviria aproveitar e prender esses vereadores que querem a liberação de bebidas, tantas outras coisas importantes para resolver na cidade e ficam fazendo lobby para a indústria de bebidas, bando de safados e corruptos.

  5. Paulo
    quinta-feira, 27 de agosto de 2015 – 16:46 hs

    Se hoje sem a mardita da cachaça o pessoal se mata, imagina com o esqueleto molhado. Está certo a proibição, lá é lugar para diversão e não para bebedeira e confusão, apesar que isso teria uma solução, caso os nossos políticos não só aqui mas em todo o Brasil, priorizar a educação que levará a resultados positivos e a consciência do cidadão.

  6. Adilson
    quinta-feira, 27 de agosto de 2015 – 17:17 hs

    no calor do debate, sua declaração foi intimidadora e pessoal. Os vereadores sentiram-se ofendidos e repudiaram. Eu concordo com o militar e não retiro uma palavra que disse.

  7. Roberto
    quinta-feira, 27 de agosto de 2015 – 17:18 hs

    Este major representa o que há de pior no meio militar: o autoritarismo. Eleito por si mesmo como “salvador da pátria”, coagindo os representantes eleitos ( pro bem ou pro mal, foram eleitos pelo voto e não por portarem uma arma à cintura) a tomarem posição, obviamente a que ele defende…

    Como dito acima, se não podem fazer a segurança de meia dúzia de bebedos, que fechem as portas…

    deveria receber uma punição pelo comandante da coorporação pela desfeita de ir armado ao plenário… quiçá por falar as asneiras que falou!

  8. OLHO VIVO.
    quinta-feira, 27 de agosto de 2015 – 18:22 hs

    ESSE TORTATO É UMA PIADA,FOI LAMBER AS BOTAS DESSES TRASTES,POR ISSO PERDE O RESPEITO DA TROPA,SERÁ QUE ESQUECEU QUANDO OFICIAL DE RUA,OS PEPINOS QUE DESCASCOU POR CONTA DOS ” CACHAÇADOS “.

  9. João
    sexta-feira, 28 de agosto de 2015 – 10:36 hs

    Vivemos os tempos da hipocrisia. Não teria o comandante da gloriosa PM de ir pedir desculpas na câmara. O Militar que participou dos debates merece todo o nosso apoio. Continue assim.

  10. Jacinto Ferro
    sexta-feira, 28 de agosto de 2015 – 10:40 hs

    DESCULPAAAA?
    Que que é isso companheiro?
    Os dados são inverdades? Diminuiu ou não as ocorrências? O Ministério Público está correto?
    Então, se realmente liberarem e as ocorrências aumentarem quem será o pai da criança.
    Eu vou a estadio e tenho medo dessa medida. Se aprovada não irei mais.

  11. Zé Ninguém
    sexta-feira, 28 de agosto de 2015 – 12:31 hs

    Em um debate democrático qualquer pessoa tem o direito de discordar do ponto de vista de seu debatedor, a forma e condução e que determinam o nível do debate , eu posso discordar veemente do ponto de vista dos vereadores que são favoráveis a venda de bebidas em estádios mas para ganhar tal discussão tenho de saber debater e ter uma estrategia de dialogo, os vereadores em sua maioria são despreparados em dados e estatísticas da cidade , agora já o oficial militar tem esse conhecimento então cabe ao militar orientar o nobre edil pois seu maior conhecimento e da religião, Mas de qualquer forma o militar mostrou humildade e educação , mesmo estando correto sobre a proibição da venda .

  12. Coronel João Gualberto
    sexta-feira, 28 de agosto de 2015 – 13:23 hs

    O comando da PM está mostrando serviço nas ruas de Curitiba e
    apesar desse assunto ser tão insignificante,pois os vereadores deviam trabalhar de verdade e não só discutir coisinhas menores,o
    Comandante geral,mostrou civilidade e respeito as instituições,após
    o fatídico episódio contra os professores no centro cívico!

Deixe seu comentário:

Campos obrigatórios estão marcados com *

*

*