A compulsão do nada | Fábio Campana

A compulsão do nada

Tenho enfrentado dificuldades para conversar com os fundamentalistas, especialmente os dessa nova religião que coloca Lula e Dilma nos altares da pátria. Para ser mais exato, desisti. Há duas coisas que não tolero, burrice e agressividade. Lamento que pessoas inteligentes, sensíveis e criativas, especialmente entre os artistas e intelectuais nativos, permaneçam aferradas a um projeto que demonstrou, à exaustão, sua falência e os estragos que produziu na vida intelectual do país.

Há explicação para esse fenômeno. Leio Czeslaw Milosz, poeta polonês, Nobel de Literatura de 1980, que escreveu “Mentes Cativas”, onde descreve com precisão assustadora como o ambiente, marcado pela submissão e pelo fanatismo, “cria separadamente os estágios sobre os quais a mente dá passagem à compulsão do nada”.

A rendição intelectual, segundo Milosz, cria um “universo de sombras ambulantes”. Ele se referia ao ambiente intoxicado de um regime de partido único instalado à força, num país dominado e subjugado de fora para dentro. Mas nem sempre a força é ferramenta indispensável para subjugar as mentes. A rendição pode ser voluntária, como é voluntária a rendição aos dogmas de fé das religiões.

Esse tipo de rendição suprime o senso crítico, que é fundamento da independência intelectual, e produz abjeções como o discurso póstumo de Lavrenti Béria no funeral de Stálin – “o grande arquiteto do comunismo, guia genial”, por quem “nossos corações estão cheios de tristeza infinita”. Essa obra-prima da bajulação não impediu que oito meses depois do enterro do guia genial Béria fosse fuzilado por traição.
É constrangedor ver que mentes, outrora brilhantes, tenham se consumido nas sombras da ignorância lulopetista, bolivariana, ciclistíca, e ecochata, com seu discursinho chinfrim onde não economizam grandiloquência retórica para saudar seus líderes – Presidenta, Guia, Timoneiro, Grande Líder, Comandante, Chefe Supremo – todas essas bajulações que conduzem ao ridículo. Haja engov!


16 comentários

  1. terça-feira, 18 de agosto de 2015 – 0:14 hs

    Alan Jones Oliszeski de Lima é meu nome. Neste domingo exerci minha cidadania e apoiei a manifestação em PG. Parabéns a todos que foram as ruas neste dia 16-08-15.

  2. Luigi
    terça-feira, 18 de agosto de 2015 – 0:15 hs

    Bravo por texto tão acertivo!
    O genial Einstein também observou isso quando disse que duas coisas são infinitas: o universo e a estupudez humana, se bem que ainda não tinha certeza quanto à primeira. Como explicar quando um ser humano se recusa ‘idiotamente’ em olhar em frente, mas insiste em postar-se na frente? Brertrand Russell o explicou:
    “A estupidez coloca-se na primeira fila para ser vista; a inteligência coloca-se na rectaguarda para ver”.

  3. Big Peter
    terça-feira, 18 de agosto de 2015 – 3:10 hs

    Parabéns, grandiloquente e escorreito jornalista…
    O duro é saber que uma das classes mais afetadas por esse terrível mal, é a classe dos jornalistas; um povo dotado de talento especial para “fazer amigos e influenciar pessoas”, como diria o outrora mui lido Dale Carnagie. Alguns por ingênua convicção, vinda ainda dos tempos da foice e do martelo, os quais merecem o benefício da dúvida; e outros tantos por absoluto amor ao dinheiro.
    Sim; Dinheiro público, que cai em suas burras, com a mesma facilidade com que nos é tomado quase à força, pela camarilha que tomou de assalto nosso Brasil, brasileiro.

  4. TROLL
    terça-feira, 18 de agosto de 2015 – 3:19 hs

    Caro Fabio
    Estas “sombras”, com raríssimas exceções agem por convicção.
    São apenas rêmoras interesseiras porque não sabem fazer nada além de sobreviver.
    Pensar? Nem pensar….
    Tão ridículos quanto o fim que os espera!

  5. Strapasson
    terça-feira, 18 de agosto de 2015 – 4:35 hs

    Muito bom, Fábio. Não consola, mas você não está só.

    É difícil entender essa entrega ao fanatismo.

  6. Noé da Arca
    terça-feira, 18 de agosto de 2015 – 7:09 hs

    E o nosso Governador, não esta incluído nos seus ideais??

  7. Marcos Souza
    terça-feira, 18 de agosto de 2015 – 7:32 hs

    Tudo se resume no dinheiro, o sr.jô soares defende a sra. dilma e seus aceclas por que recebeu mais de 7 milhões de reais da Fundação de Incentivo a Cultura, ou algo parecido, para suas 3 peças de teatro.

  8. roger
    terça-feira, 18 de agosto de 2015 – 7:53 hs

    Burrice e agressividade de ambas as partes né…. inclusive sua…. tanto dos Petistas quanto dos anti-petistas…..

  9. roberto novaes
    terça-feira, 18 de agosto de 2015 – 10:10 hs

    Texto inteligente e pragmático. Dissertou TUDO o que eu mesmo quero dizer a muitos obcecados que me cercam. Minhas congratulações pela precisão nas palavras. E obrigado pela indicação do livro “Mentes Cativas”.

  10. terça-feira, 18 de agosto de 2015 – 10:12 hs

    Campana:
    Você mudou muito. Até parece que você é de direita.
    Navarro

  11. terça-feira, 18 de agosto de 2015 – 10:19 hs

    “É massificação e doutrinação do mesmismo. São todos vis e abjetos seguidores de Gramsci, o famigerado intelectual dos esquerdopatas na Europa no pós 1ª, e pré 2ª guerra mundial. A desconstrução de toda e qualquer ordem. Principalmente dos conceitos familiares, religiosos. Não pode haver oposição. E se houver, segundo eles, faz parte do eixo do mal e tudo de ruim que representa quem pensa diferente deles, principalmente politicamente falando. Parafraseando o autor do texto: Haja engov, e muito engov!…” – Profº Celso Bonfim

  12. Alaor
    terça-feira, 18 de agosto de 2015 – 10:45 hs

    É constrangedor ver que mentes, outrora brilhantes, tenham se consumido nas sombras da ignorância do PT, PMDB, PP, PSC, PSD, PV,PSOL, PDT, PV, STJ…OAB…ALEP..AL.TODAS..ETC..ETC…ETC..E TAL

  13. luiz carlos correa
    terça-feira, 18 de agosto de 2015 – 11:02 hs

    Perfeito, jornalista Fábio Campana.

  14. Sergio Silvestre
    terça-feira, 18 de agosto de 2015 – 11:37 hs

    Campana,problema de quem pensa e por que sofre muito,e ninguém mais do que você para saber os meandros da politica,justiça e até das igrejas.
    Eu navego pela vontade de saber as coisas por isso me considero curioso,como o blogueiro que já passou por varias etapas da vida.
    O Jovem da minha geração e da sua era diferente desta geração X,nós eramos mais românticos e mais rudes,alguns caminharam por caminhos fáceis,outros optaram para ficar na mesmice gostosa de outrora.
    Sou um deles que chora quando canta Dolores Duran,se emocionana com o bandido “TUCO”(ELY WALLACH) e com as trilhas sonoras de Énio Morricone.
    Sou um critico de velhos amigos meus ,poetas e escritores hoje que foram para o doce mel da facilidade politica,mas não os culpo não,acho que els foram mais espertos do que eu.

  15. terça-feira, 18 de agosto de 2015 – 13:42 hs

    Fábio, acontece que pessoas assim, não tem mais argumentos , perderam o rumo e o prumo, a cegueira não permite muitas informações e também por comodismo seguem cartilhas deterioradas, não percebem o retrocesso e pior, ainda acreditam que a melhor defesa é o ataque, se tornam agressivos justamente pela burrice que os ronda e sofrem também , se isolam, sentem -se inferiores muitas vezes, pela incapacidade de reverter situações.
    Quando se tem liberdade, independência a pessoa torna mais interativa, é capaz de debater de igual para igual, sabe escutar, admitir erros , se alegra com os acertos , enfim se torna inteira e feliz
    MAS JOGAR XADREZ COM POMBOS( Lobão) REALMENTE NÃO DA CERTO

  16. Sergio Silvestre
    terça-feira, 18 de agosto de 2015 – 16:02 hs

    O Verde e Amarelo,perfeito o Lobão que vocês trocaram pelo Chico Buarque de Holanda,

Deixe seu comentário:

Campos obrigatórios estão marcados com *

*

*