Rui Barbosa tinha razão? | Fábio Campana

Rui Barbosa tinha razão?

mail.google.com

Cláudio Slaviero

“De tanto ver triunfar as nulidades; de tanto ver prosperar a desonra, de tanto ver crescer a injustiça. De tanto ver agigantarem-se os poderes nas mãos dos maus, o homem chega a desanimar-se da virtude, a rir-se da honra e a ter vergonha de ser honesto.” Rui Barbosa parece vivo no Brasil de hoje. As pessoas parecem sentir vergonha da honestidade e parecem endossar atitudes para que os poderes cresçam e apareçam nas mãos dos maus. Um paranaense, nascido em Maringá, que poderia começar a mudar essa situação no país a partir de Curitiba, o juiz federal Sérgio Moro, sem ter o devido aval da maioria das pessoas ou pelo menos das entidades representativas de seu estado, recebe pressões absurdas dos encastelados e dos ameaçados por seu trabalho, que não querem que ele consiga finalizá-lo a bom termo.

A Operação Lava Jato, conduzida por Moro, formado pela UEM, juiz federal desde 1996, com cursos na Universidade de Harvard (EUA), mestre e doutor em Direito pela UFPR, causa calafrios nos empreiteiros, diretores da Petrobras, políticos, banqueiros e agentes da propina e de outros crimes que sugam o país há anos, sempre cobertos e disfarçados por um sistema maléfico que surpreende, por sua dimensão, o noticiário mundial. Ele tem precedentes: especializou-se em crimes financeiros e no caso Banestado, um processo judicial desenvolvido entre 2003 e 2007, levou à condenação 97 pessoas.

Causa-me calafrios o silêncio de entidades paranaenses (em primeiro lugar) e brasileiras, que deveriam apoiar o trabalho de Moro para que ele o continuasse com a serenidade necessária. Mesmo porque, em sua postura contra o crime, sempre armando ratoeiras no caminho de desonestos, já foi alvo, inclusive, em processos anteriores, de procedimentos administrativos no Conselho Nacional de Justiça. Felizmente, o fim desses processos não corroborou o triste sintoma de sociedade apodrecida denunciado por Rui Barbosa. Mas as ameaças atuais contra Moro corroboram vergonhosamente a constatação de Barbosa.

Sérgio Moro está recebendo pressões de todo lado. Como, aliás, um outro juiz, Joaquim Barbosa, recebeu por não ter medo de desmascarar o crime nutrido em Brasília. O trabalho do juiz paranaense vem sendo questionado e desvalorizado, com obstáculos que vão desde pedidos de informações do presidente do STF, ministro Ricardo Lewandowski, sobre denúncias contra o presidente da Câmara Federal, Eduardo Cunha; pedidos de informações do presidente do STJ, ministro Francisco Falcão, a respeito da prisão preventiva de executivos de grandes empreiteiras; até editoriais irados da mídia conduzida por verbas do Palácio do Planalto. Estão todos de cabelo em pé. Empreiteiros, intermediários, funcionários da Petrobras, “laranjas” e políticos, principalmente Lula, Dilma, Cunha, José Dirceu, João Vaccari e os abrigados nos palácios e nos porões do poder, especialmente os de foro privilegiado ou seus cupinchas.

A artilharia contra Moro não tem sido pequena e aumentará. Tanto que Lewandowski, Dilma e seu ministro da Justiça, José Eduardo Cardozo, se encontraram no exterior, sob outro pretexto, e lá conversaram talvez pelo mesmo motivo pelo qual Lula ameaçou procurar Fernando Henrique Cardoso para, como disseram seus áulicos, conversar sobre sustentabilidade democrática.

É preciso deixar claro que o que Moro está fazendo, em guerra contra o crime, não ameaça as instituições democráticas. É exatamente o contrário. O trabalho de combate sem tréguas à corrupção e aos corruptos fortalece essas instituições, deixa-as livres dessas quadrilhas que roubam impunemente. Esses quadrilheiros fazem a democracia sangrar no que ela tem de mais valioso: a credibilidade.

Resta-nos a crença de que a sociedade paranaense, por ver um filho seu em tão importante embate, lhe dê apoio e respaldo para que, como também preconizou Rui Barbosa, “a força do Direito supere o direito da força”.

Cláudio Slaviero, empresário, é ex-presidente da Associação Comercial do Paraná e autor de A vergonha nossa de cada dia.


6 comentários

  1. Alguém revoltado
    sexta-feira, 31 de julho de 2015 – 12:25 hs

    Excelente matéria. Faço minhas as palavras desse cidadão.

  2. Moisés Fróes
    sexta-feira, 31 de julho de 2015 – 13:28 hs

    Contra, só os bandidos.
    Moro não vai esmorecer com o apoio dos brasileiros de verdade.

  3. Rafael Êrico Kalluf Pussoli
    sexta-feira, 31 de julho de 2015 – 14:14 hs

    Artigo competente e Assertivo,de quem sabe o que escreve!Parabens
    Claúdio Slavieiro pela qualidade do artigo!

  4. toscani
    sexta-feira, 31 de julho de 2015 – 16:34 hs

    Eu já não concordo acho esse cidadão pomposo, arrogante, metido a dono da verdade e que se acha mais do que é. Mais um debiloide a serviço do “impichment.”.

  5. sexta-feira, 31 de julho de 2015 – 16:59 hs

    Este JUIZ FEDERAL,e serio e levara Ate as ultimas consequências estas roubalheiras do PT,todos ladroes em CANA, 93,pro cento esta com ele,queremos que leve Ate o fim,prendendo,começando pelo Lula ralapio!!!!

  6. Maria Helena Panka Dziecinny
    sábado, 1 de agosto de 2015 – 0:32 hs

    Como é bom poder ler artigos inteligentes e esclarecedores.O povo precisa tomar conhecimento destas verdades. Infelizmente a ignorância impera pela falta de incentivo à Educação. Governo da vergonha,que nos envergonha perante o mundo. Juiz Moro, o Sr.é o símbolo de patriotismo ,decoro,honra e moral. Vai em frente, estamos rezando pela sua vitória nesta luta pela legalidade no País. A ignorância de poucos não poderá jamais dissuadí-lo. Deus o cubra com suas bênçãos e o guie com Sua luz.

Deixe seu comentário:

Campos obrigatórios estão marcados com *

*

*