Retrato do país | Fábio Campana

Retrato do país

Pasmem, senhores. O The Global Competitiveness Report – 2014/2015, do World Economic Forum, analisa o nível de competitividade de 144 países – o melhor tem rank 1º e o pior 144º. Quando são separados os setores privado e publico do Brasil, há uma surpreendente distancia: o país é o 36º (melhor que seus competidores mais próximos) do setor privado e 136º em relação ao setor publico, ou seja, muito pior do que seus competidores. A ineficiência do setor publico leva o Brasil ao 57º lugar no índice geral. E há quem defenda com unhas e dentes a eternização do Estado Patrimonialista brasileiro. Argh!


2 comentários

  1. johny
    sexta-feira, 24 de julho de 2015 – 11:17 hs

    Que vergonha, campana. Quem diria que o “bicho grilo” (com direito a sandália de bolsa artesanal de couro), que foi visto saindo da Sala do então Secretário Erasmo Garanhão, agora se tornou um liberal de ultra direita? Quanto espanto…

  2. antonio carlos
    sexta-feira, 24 de julho de 2015 – 21:17 hs

    Gente, que falta de patriotismo é esta, afinal de contas estamos no País da Mandioca, uma dádiva que os deuses indígenas nos legaram, e que nós, com o auxílio inestimável da Mulher Sapiens, vamos tratar de universalizar. O Estado-empresário é o sonho de todo tolo e ingênuo que, acredita que o Estado é um ser supremo e que ele pode e deve tudo fazer por nós. E nós ficamos esperando, do lado de fora é claro, os resultados. Para isto temos uma máquina pública montada, chamada de Serviço Público, que virou um fim em si mesma. Aí temos o que temos, porque quem não quer se vira( progride) e quem espera fica sempre esperando, ou seja, fica na pior.

Deixe seu comentário:

Campos obrigatórios estão marcados com *

*

*