Prefeito que não pagou "caixinha" ao PT é ameaçado de expulsão | Fábio Campana

Prefeito que não pagou “caixinha” ao PT é ameaçado de expulsão

mail.google.com

O prefeito Affonso Guimarães, de Campo Largo (RMC) não teria pago contribuição partidária sobre seu salário. Comissão de ética do partido também analisa denuncia de infidelidade partidária de Affonso por apoio ao filho, Alexandre Guimarães, candidato a Deputado Estadual pelo PSC em 2014.

A mesa executiva do Partido dos Trabalhadores (PT) no Paraná se reúne neste sábado, dia 1º de agosto, para deliberar sobre o processo de expulsão de Affonso Guimarães, Prefeito de Campo Largo, na Região Metropolitana de Curitiba.

O conselho de ética do partido apura denúncia contra Affonso por infidelidade partidária. O apoio do Prefeito a candidatura do filho, o deputado estadual Alexandre Guimarães, nas eleições de 2014, é um dos motivos. Alexandre foi eleito pelo Partido Social Cristão (PSC), legenda que esteve ao lado da candidatura de Beto Richa (PSDB), adversário de Gleise Hoffman, candidata do PT ao Governo do Estado. O fato de Affonso apoiar o filho e não um candidato petista à Assembleia Legislativa gerou desconforto em membros do PT – “Em 08 de abril foi protocolizado vasta documentação a embasar o pedido (de expulsão), consistente” – justifica Renata Venancio Froening, coordenadora da Comissão de Ética.

Outro fator observado na denuncia é a falta de pagamento da contribuição partidária. Segundo o processo, o Prefeito não teria pago o “caixinha” ao PT desde que assumiu a Prefeitura Municipal. Para quem ocupa cargo eletivo, a contribuição pode variar de 6% à 20% sobre o salário recebido mensalmente – “O Prefeito, segundo informações, está inadimplente com o partido” – cita a denuncia.

Nos três anos que antecederam a reeleição de Dilma Roussef ao Planalto, o PT havia arrecadado R$ 50 milhões através dessas contribuições, apontou a revista Veja. No início de abril de 2014, a maioria dos ministros do Supremo Tribunal Federal posicionou-se contra tais doações, ao julgar ação movida pela Ordem dos Advogados do Brasil (OAB). O julgamento foi interrompido na ocasião por um pedido de vista do ministro Gilmar Mendes

Além de Affonso, são alvo do processo Avanir Mastey, secretário de Educação, Cultura e Esporte do município e Marcus Preis, ex dirigente do PT de Campo Largo e diretor financeiro da Companhia Campolarguense de Energia (Cocel).

Desfiliação

Em virtude do mal estar causado pelo processo de expulsão movido no partido, o Prefeito Affonso Guimarães protocolou nesta quarta (29), pedido de desfiliação partidária no Cartório Eleitoral de Campo Largo. Sem partido e apontado como um dos favoritos nas eleições municipais do ano que vem, Affonso tem até setembro para definir seu futuro político. O PSC, mesmo partido que elegeu seu filho, Alexandre Guimarães, deputado estadual, é um dos destinos mais prováveis para o Prefeito. Mas Affonso é sondado também pelo PSD, de Eduardo Schiarra. O Governador Beto Richa teria ligado para o Prefeito no início do ano convidando-o para voltar ao ninho tucano, o PSDB. Affonso ainda pode aterrizar no PSB, em virtude da ingressão de seu amigo, o Senador Alvaro Dias, na legenda.


3 comentários

  1. sexta-feira, 31 de julho de 2015 – 18:18 hs

    ROUBAR pode mas deixar de pagar caixinha para PT é crime

    É COISA DO PT né, Gleisi ?

  2. Parreiras Rodrigues
    sexta-feira, 31 de julho de 2015 – 21:13 hs

    Um arremedo dos partidos governistas ditatoriais de Cuba, Venezuela e assemelhados,.

  3. Luiz
    sábado, 1 de agosto de 2015 – 7:55 hs

    Desde quando o médico Afonso tornou-se um socialista? Nunca foi!
    O PT só foi usado, sequer fazem uma análise do curriculo do filiado.
    Quem não cuida disso, não pode reclamar..
    .

Deixe seu comentário:

Campos obrigatórios estão marcados com *

*

*