Ciumeira na Assembleia | Fábio Campana

Ciumeira na Assembleia

As ações na área de saúde do governo do Estado provocaram uma onda de ciumeira na Assembleia Legislativa, principalmente entre os deputados da auto-denominada Bancada Independente. Na terça-feira (30 de junho) Márcio Pauliki (PDT) foi a tribuna para se vangloriar de ter conseguido levar para Ponta Grossa cinco novos leitos de UTI (Unidade de Terapia Intensiva). O líder do Governo, Luiz Claudio Romanelli (PMDB) não esperou muito para dar a resposta ao pedetista: “Ou é preto, ou é branco”, disse, em referência a posição de Pauliki, que se alinhou aos oposicionistas desde o início da legislatura.

Na quarta-feira (1º de julho), novo ataque de ciumeira na tribuna da Assembleia. O novato Requião Filho (PMDB) foi a tribuna reclamar devido ao Governo não convidar os “independentes”, bancada formada por 14 deputados, para participar da entrega de 137 ambulâncias. Novamente coube a Romanelli atacar a dor de cotovelo dos oposicionistas. “Cabe ao Governo fazer as políticas públicas dele e chamar quem participa destas políticas”, disse. O peemedebista ainda lembrou que no governo Roberto Requião (PMDB), pai de Requião Filho, as coisas aconteciam exatamente da mesma forma, “como ocorre em todos os governos no Paraná, no Brasil e no mundo, onde existe a democracia”.


7 comentários

  1. Sergio Silvestre
    segunda-feira, 6 de julho de 2015 – 16:19 hs

    Essas ambulâncias são programas do governo federal,o que o beto Richa está comprando muito e viaturas com ar condicionado para seus amigos presos terem conforto

  2. Coringa
    segunda-feira, 6 de julho de 2015 – 16:26 hs

    O REQUIAOZINHO DEVIA LEMBRAR QUE O PAI DELE ESCONDEU DENTRO DA PENITENCIARIA DO AHU OS ONIBUS ESCOLARES DURANTE UM ANO PARA ENTREGAR SOMENTE PRÓXIMO DAS ELEIÇÕES. AS CRIANÇAS PRECISANDO DE TRANSPORTE E ELE PENSANDO SÓ NO GANHO POLITICO

  3. Joaquim
    segunda-feira, 6 de julho de 2015 – 17:50 hs

    Prezado Fábio, o meu comentário adiante poderia ser uma postagem em seu blog.

    Fica a sugestão

    O PETISTA:
    É o cara que se escandaliza com Bolsonaro, mas não vê problema algum em Graça Foster, em Dilma, em Lula.
    É o cidadão que se preocupa com os centavos da passagem de ônibus, mas ignora os milhões da Petrobras.
    É a moça que defende o aborto, mas considera a palmada um crime hediondo.
    É aquele que odeia os judeus e quer a destruição do Estado de Israel, mas faz campanha contra o racismo e xinga os adversários de nazistas.
    É aquele que acusa Bolsonaro de ser apologista do estupro, mas ignora o professor que defendeu o estupro de Rachel Sheherazade.
    É aquele que chama empresário de sonegador, mas aceita a maquiagem fiscal da Dilma.
    É aquele que protesta quando morre um traficante, mas festeja quando morre um policial militar.
    É aquele que não se importa em destruir a vida do adversário, se isso for importante para a causa.
    É aquele que passa a odiar sua cidade quando a maioria não vota em sua candidata.
    É aquele que chama o caso Celso Daniel de “crime comum”
    É aquele que usa a expressão “ação penal 470” para se referir ao mensalão.
    É aquele que prega a estatização do financiamento eleitoral.
    É aquele que usa a palavra “estadunidense”.
    É aquele que tem uma grande simpatia pelos nanicos da linha auxiliar do PT.
    É aquele que não vê nada demais no fato de o PIB per capita da Coreia do Sul ser de 32 mil dólares e o da Coreia do Norte, de 1.800 dólares. Afinal, a Coreia comunista é mais igualitária.
    É aquele que apoia o movimento gay, mas também apoia o regime cubano, que já fez campos de concentração para homossexuais.
    É aquele que acredita em governo grátis, mesmo quando o País trabalha até maio só para pagar impostos.
    É aquele que odeia a censura, mas quer o controle social da mídia.
    É aquele que faz tudo para acabar com a família e a igreja, pois sabe que elas são os principais focos de resistência ao poder do Estado e dos movimentos sociais.
    No fundo ele sabe que o país está sendo saqueado, exaurido, violentado – mas diz que o problema é o Bolsonaro.
    É aquele que nunca perdoa.
    É aquele que apoiou o impeachment de Collor e acha que foi legitimo, mas falar no impeachment de Dilma é golpismo.
    Publicado originalmente no Jornal de Londrina.

    Se você não é do PT e concorda com o texto, repasse, para o bem de todos.

  4. Juca
    segunda-feira, 6 de julho de 2015 – 18:51 hs

    SS Calça Frouxa e você anda de carroça aí em Londrina. O que você tem é ciúme.

  5. Bernardo
    segunda-feira, 6 de julho de 2015 – 23:39 hs

    Kkkkkk! Chupemmm! Quem pariu Roma que o embale! Kkkk!
    Kd os gargantas que iriam expulsar esse e aquele do partido!? Kkkkk! Só rindo!

  6. joão alves
    terça-feira, 7 de julho de 2015 – 14:01 hs

    bom esmo era na época do requião, que colocava 300 ônibus e deixava as crianças sem transporte por meses para ter um outdoor na frente do palácio, até o CQC veio fazer piada aqui na época!

  7. Educador
    terça-feira, 7 de julho de 2015 – 16:16 hs

    Ou seja, Richa não tem relação republicana com o Estado, penaliza que não está posicionado com ele, ou seja, a mesma coisa que ele tanto reclama do Governo Federal

Deixe seu comentário:

Campos obrigatórios estão marcados com *

*

*