Metalúrgicos da Volvo mantém greve | Fábio Campana

Metalúrgicos da Volvo mantém greve

volvo

Metalúrgicos da Volvo em Curitiba recusaram hoje nova proposta da empresa e decidiram manter a greve dura sete dias. Segundo o Sindicato dos Metalúrgicos de Curitiba e região, foram realizadas duas votações secretas. No Leia Mais, a nova proposta da Volvo.

A nova proposta da empresa previa: lay-off (suspensão provisória do contrato de trabalho) de sete meses, sendo cinco em regime normal (onde os trabalhadores recebem seguro-desemprego e a complementação salarial da empresa) e dois com a Volvo assumindo a integralidade do salário; Plano de Demissão Voluntária (PDV), com pagamento de salários e mais os direitos trabalhistas previstos até 15 de dezembro de 2015, mais um pacote de um a quatro salários de acordo com o tempo de empresa, mais a Participação nos Lucros e Resultados (PLR) 2015; manutenção do PLR referencial de R$ 30 mil, levando em conta o mesmo volume de produção de 2014, mas sem os limitadores mínimos. A primeira parcela seria de R$ 5 mil, para pagamento em junho; reajuste salarial sem ganho real, com base apenas no INPC; e compensação dos dias parados na greve através do banco de horas.
Sindicato

Em nota, o presidente do SMC, Sérgio Butka, reconheceu que houve avanços na nova proposta, como a inclusão do PDV, uma reivindicação do sindicato, mas defendeu que a proposta claramente não agradou a maioria dos metalúrgicos.

“Os trabalhadores do chão de fábrica estão coesos e conscientes da importância da mobilização, da unidade e da possibilidade de uma proposta que realmente os satisfaça. Continuamos abertos para, através do diálogo e da negociação, construirmos uma alternativa para o chão de fábrica, que é quem pode estar perdendo o emprego em dezembro”, afirmou.

A fábrica da Volvo, situada na Cidade Industrial de Curitiba, emprega cerca de 4 mil trabalhadores e tem capacidade de produção diária de 80 caminhões pesados, 44 médios e oito ônibus.


Um comentário

  1. terça-feira, 19 de maio de 2015 – 11:44 hs

    Greve orquestrada pelo Patronal.

Deixe seu comentário:

Campos obrigatórios estão marcados com *

*

*