90% dos recursos arrecadados pelo Estado são para pagar servidores | Fábio Campana

90% dos recursos arrecadados pelo Estado são para pagar servidores

unnamed

O chefe da Casa Civil, Eduardo Sciarra, explicou que o índice de 5% de reajuste proposto pelo governo estadual para o funcionalismo considerou o momento da economia nacional e o comprometimento das receitas próprias com a folha. Cerca de 90% dos recursos que o governo estadual arrecada é aplicado na folha de pagamento dos servidores. Isso representa, neste momento, que para cada R$ 10,00 arrecadados, o Estado gasta R$ 9,00 com o funcionalismo.

“Não dá para o Estado aplicar todos os recursos disponíveis no pagamento de salários. A sociedade também tem que ser beneficiada pela contribuição que dá ao ajuste fiscal”, disse Sciarra.

Ele sustentou que o índice de reajuste proposto para o funcionalismo é o percentual possível para o momento. “Estamos dando o reajuste possível para esse momento da economia. É o limite que cabe na capacidade orçamentária e financeira do Estado. Além disso, temos que respeitar os limites da Lei de Responsabilidade Fiscal”, explicou.

Segundo Sciarra, o comprometimento das receitas com a folha é resultado de novas contratações, pagamentos de progressões e reajuste dos salários com aumento real. “Por isso, é preciso estar atento aos limites da lei e a disponibilidade financeira do Estado”, afirmou.

Ele defende que o debate em torno dos benefícios pedidos por servidores públicos estaduais em greve não pode comprometer os serviços prestados pelo Estado à população. “Os 11 milhões de paranaenses precisam ser atendidos com ações do governo”, afirmou. O Governo do Paraná tem atualmente cerca de 290 mil servidores ativos e inativos.

AUMENTOS – Nos últimos quatro anos, o Governo do Paraná concedeu aumentos nos salários acima da inflação para quase todas as categorias do funcionalismo público. Os professores, por exemplo, receberam no período reajustes que somam 60%. “O maior aumento da história do Paraná”, disse Sciarra. Neste ano a despesa total do governo com a folha do funcionalismo vai fechar este ano em R$ 19 bilhões, uma evolução de 76% sobre 2010.

Sciarra explica que o ajuste fiscal proposto pelo governo tem com objetivo retomar as obras necessárias para o desenvolvimento do Paraná, de forma que a sociedade receba benefícios pela contribuição que dá com o pagamento de impostos.

Entre as medidas do ajuste fiscal estão adequações de alíquotas tributárias, como do Imposto Sobre Propriedade de Veículos Automotores (IPVA) e do Imposto sobre Circulação de Mercadorias e Serviços (ICMS). “É necessário que o poder público de uma contrapartida aos cidadãos pela contribuição com o ajuste fiscal do Estado”, avalia.

Sciarra ressalta que além de adequar as alíquotas de impostos, o governo estadual propôs a reestruturação do custeio da previdência dos servidores e está adotando medidas de austeridade para reduzir os gastos de custeio, além do congelamento de R$ 11 bilhões do orçamento deste ano. “O ajuste fiscal é para isso. Só pode gastar aquilo que for arrecadado”.

VALORIZAÇÃO – Sobre as demandas do funcionalismo e os motivos das greves, o secretário explicou que valorização dos servidores é um compromisso do governo estadual que está sendo cumprido. De 2011 a 2014, a média de reajuste do salário base do funcionalismo foi de 63,6%, contra uma inflação de 26,7% para o período.

Sciarra defendeu o diálogo com a categoria dos servidores, mas que as negociações com grevistas foram encerradas em resposta às manifestações dos dirigentes sindicais, que na última terça-feira disseram que não haveria mais conversa com o governo.

Além disso, os sindicalistas ampliam a pauta a cada nova rodada de conversas com o governo. Uma das demandas incluídas agora é o aumento para 50% na hora-atividade para os professores. Ou seja, de todo o tempo que passam na escola, os docentes ficariam metade fora da sala de aula.

“Uma medida que no momento iria comprometer o sistema de ensino. Não é só impraticável, chega a ser imoral”, afirmou Sciarra, destacando que nos últimos quatro anos a hora-atividade subiu de 20% para 35% do tempo do professor na escola – aumento de 75%.

Para o secretário não há motivos suficientes para que a greve nas escolas continue, até porque a Justiça decretou a paralisação ilegal. “A sociedade é quem está pagando essa conta, são mais de 1 milhão de alunos sem aula”, disse.


20 comentários

  1. Maria do Bairro
    sexta-feira, 15 de maio de 2015 – 15:42 hs

    È o INCHAÇO dos ALTO$ Cargos de Comissão !!

  2. Allan
    sexta-feira, 15 de maio de 2015 – 16:29 hs

    OOOOOOOOOPA
    Temos ai uma CONFISSÃO de que o estado não está cumprindo a LEI DE RESPONSABILIDADE FISCAL???????
    Pelo que sei o estado pode gastar até o limite maaaaximo de 54% das receitas com folha, estamos em 90%…
    MP, TC por favor vejam isso!!!!!

  3. cap. nascimento
    sexta-feira, 15 de maio de 2015 – 16:30 hs

    Quanto desta percentagem é gasto com comissionados???
    Incluindo os da Copel, Sanepar, Cohapar, Codapar, Detran, etc…o povo está ligado.
    Trazer gente de fora do quadro para prestar o “serviço” que estão prestando é jogar dinheiro fora.

  4. Allan
    sexta-feira, 15 de maio de 2015 – 16:35 hs

    Alguem pode me explicar se o estado gasta como disse o secretario chefe da casa civil 90% do que arrecada com a folha e a lei de responsabilidade fiscal diz o o maximo que se pode gastar com a folha é 54%….a conta não fecha…ele mente ou o estado não cumpre a lei????
    Dos dois um, e eu não sei qual é pior…coitados de nós paranaenses..
    Obs: paguei a 2° parcela do meu IPVA hoje 412,32 da vontade de chorar!

  5. OPINIÁTICO
    sexta-feira, 15 de maio de 2015 – 16:47 hs

    TODA EMPRESA DEVE PAGAR NO MÍNIMO DE 1% A 3%, POIS É ABSOLUTAMENTE INACEITÁVEL QUE UMA EMPRESA DE MÉDIO PORTE OU GRANDE PORTE NÃO TENHA QUE PAGAR IMPOSTO.

  6. Strapasson
    sexta-feira, 15 de maio de 2015 – 17:05 hs

    Fábio, uma sugestão: você poderia fazer o levantamento do número de cargos de comissão no estado do PR e nos outros estados do Brasil?
    E também quanto que é gasto com esses cargos? Grata.

  7. Luigi
    sexta-feira, 15 de maio de 2015 – 17:05 hs

    Um dia isto irá estourar (ou será que já estourou???).
    A sociedade (cidadãos, indivíduos, trabalhadores) organizada em torno de seus entes públicos (União, Estados, DF e Municípios) não é só funcionalismo público. A sustentação da tal máquina do estado caminha para a exaustão de recursos (arrecadação pelos contribuintes), que poderá levar o Brasil a uma situação semelhante à da Grécia.

  8. Dik
    sexta-feira, 15 de maio de 2015 – 17:47 hs

    Sciarra é o homem da mala do Richa.

  9. Devechi
    sexta-feira, 15 de maio de 2015 – 18:07 hs

    Realmente não da para entender esse segundo mandato do Governador. Primeiro se indispôs com todos os professores, agora, com esse reajuste pífio de 5%, vai se indispor com todos os demais servidores. Será que ninguém nesse Governo avalia o desastre que surtirá uma greve geral dos servidores paralisando todas as atividades? Os Paranaenses já estão de saco cheio com os filhos fora das escolas e com as elevadas altas de tributos que influenciam no aumento de preços das mercadorias. 90% de gastos com a folha de servidores tá fora do limite da Lei de responsabilidade.

  10. andre
    sexta-feira, 15 de maio de 2015 – 18:57 hs

    `Privatiza tudo!

  11. Fernando10
    sexta-feira, 15 de maio de 2015 – 20:08 hs

    Garanto que cortando os cargos comissionados já resolveríamos uns 50% da situação, o resto seria equilibrado com cortes nas verbas para o legislativo e judiciário e, também, na proibição de viagens turismos, desnecessárias, que só oneram os cofres públicos, com deslocamentos caríssimos(avião e helicóptero) e diárias escandalosamente superfaturadas, como a do governador a Brasília para acompanhar a sabatina ao STF de militante do PT.

  12. Reginaldo
    sexta-feira, 15 de maio de 2015 – 20:41 hs

    Meu Deus! Ou o Chefe da Casa Civil está mal informado,ou está faltando com a verdade. Se isso for uma realidade o Governador já deveria ter sido afastado por improbidade… Por Favor! Já massacraram os servidores, faliram o Estado, com nomeações de apaniguados, e agora estão querendo jogar a população contra os servidores… Isso é um escárnio com a inteligência dos paranaenses…

  13. Beto Guiz
    sexta-feira, 15 de maio de 2015 – 21:11 hs

    Está aí o resultado do choque de gestão. Emprego com gordos salários para os apadrinhados.

  14. russo
    sexta-feira, 15 de maio de 2015 – 21:16 hs

    e a nomeaçoes para cargos comissionados continua, sem que ninguém seja exonerado. é só olhar o diário oficial do estado.

  15. russo
    sexta-feira, 15 de maio de 2015 – 21:19 hs

    os professores estao em greve e os estatutário do quadro geral e que pagam o pato?

  16. jk
    sexta-feira, 15 de maio de 2015 – 21:32 hs

    Somente a familia Richa deve dar uma grande despesa para o Estado,
    Não da para cortar um pouco o salario deles.

  17. Professor Samuel
    sexta-feira, 15 de maio de 2015 – 22:09 hs

    COMISSIONADOS…só em Campo Largo tem vários coçando o saco e recebendo.

  18. Zangado
    sexta-feira, 15 de maio de 2015 – 23:22 hs

    E o governador levou 52 meses para chegar chegar a essa conclusão ?
    O que andou fazendo nesse tempo todo ?

  19. Sergio Silvestre
    sábado, 16 de maio de 2015 – 7:48 hs

    UM DESSES SERVIDORES É O FILHO DO HAULY,QUE POR NOTAVEL SABER EM FINANÇAS ESTÁ LOTADO NA FOMENTO PARANÁ COM 20 MIL NO CONTRA CHEQUE.

  20. ferreira
    sábado, 16 de maio de 2015 – 12:42 hs

    Está dentro da lógica brasileira, o estado é o maior empregador e o que melhor paga, todo jovem brasileiro nos dias de hoje é concurseiros isto porque não se estimula a iniciativa privada a empregar face a um direito trabalhista avesso ao empregador e também pela insegurança econômica deste desgoverno socialista.
    Mas tudo está de acordo com os governos totalitários.

Deixe seu comentário:

Campos obrigatórios estão marcados com *

*

*