Itália devolve mensaleiro a país que não extraditou ex-terrorista | Fábio Campana

Itália devolve mensaleiro a país que não extraditou ex-terrorista

pizzolato

O governo brasileiro se comprometeu a manter Pizzolato na Penitenciária da Papuda, em Brasília, elogiada pelos mensaleiros que cumprem pena

Ricardo Noblat

Perdoem o lugar comum, mas o governo da Itália deu “um tapa com luva de pelica” no rosto do governo do Brasil ao autorizar a extradição de Henrique Pizzolato, cidadão italiano, ex-diretor de marketing do Banco do Brasil, condenado a 12 anos e sete meses de prisão pelos crimes de corrupção passiva, peculato e lavagem de dinheiro no processo do mensalão – o pagamento de propinas a deputados e partidos para que votassem na Câmara em 2005 como mandava o governo do então presidente Lula.

Cesare Battisti é um escritor e um ex-terrorista italiano, antigo membro dos Proletários Armados pelo Comunismo (PAC), grupo de extrema esquerda ativo na Itália no fim dos anos 1970. Em 1987, ele foi condenado por terrorismo à prisão perpétua pela autoria direta ou indireta dos quatro homicídios atribuídos ao PAC. Escapou de ser preso porque fugiu para a França. E, para não ser extraditado, de lá para o Brasil. Em 2007, o governo da Itália pediu a extradição dele, autorizada pelo Supremo Tribunal Federal (STF) em 2009.

Ocorre que pela primeira vez, o STF decidiu que a última palavra caberia ao presidente da República. E Lula, no último dia do seu segundo mandato, pressionado pela esquerda do PT, negou a extradição. Baseou-se em um parecer da Advocacia Geral da União que alegava que se Battisti fosse extraditado correria risco de morte devido às condições precárias das penitenciárias italianas. De mais a mais, como preso político, ele também correria riscos, segundo Tarso Genro, então ministro da Justiça.

Políticos italianos de todas as tendências condenaram a decisão de Lula. Por meses, o Brasil foi alvo de pesadas críticas nos meios de comunicação da Itália. Como dizer que as penitenciárias italianas não oferecem condições dignas de vida? Como afirmar que Battisti correria risco de morte por ser um preso político? Na Itália, ele não é considerado um preso político, mas um terrorista ou ex-terrorista. A Itália é um país democrático que garante a vida dos seus cidadãos. O Brasil pisou feio na bola.

A defesa de Pizzolato argumentou com as péssimas condições dos presídios brasileiros para tentar evitar a extradição dele. O governo brasileiro se comprometeu a manter Pizzolato na Penitenciária da Papuda, em Brasília, elogiada pelos mensaleiros que cumprem pena. O governo italiano acreditou na palavra do nosso. Quatro agentes federais irão buscar Pizzolato na próxima semana.


4 comentários

  1. Juca
    domingo, 26 de abril de 2015 – 19:05 hs

    Bem feito, a Itália mostrou ser país civilizado. E não precisa recomendar bom tratamento ao distinto, pois logo estará solto e gozando as benesses que a lei prevê no cumprimento da pena, ainda mais com o PT de rabo preso com ele.

  2. FUI !!!
    domingo, 26 de abril de 2015 – 21:04 hs

    Esta atitude da Itália é um verdadeiro tiro de canhão no saco do
    Lula. Quando o Lula decidiu sozinho bloquear a extradição do Battisti
    pensei:- um dia este malaco vai ter o seu troco… o dia chegou !!!

  3. OTIMISTA
    segunda-feira, 27 de abril de 2015 – 6:50 hs

    Apesar de tudo ainda existem países decentes e com dirigentes de-
    centes. Se fosse o Lula na Itália teria mandado construir um monumen-
    to na praça pública e uma mansão na beira do lago.

  4. Rizadinha
    segunda-feira, 27 de abril de 2015 – 10:36 hs

    Pais sério. Ao contrario desse nosso…

Deixe seu comentário:

Campos obrigatórios estão marcados com *

*

*