Difícil digestão | Fábio Campana

Difícil digestão

Mauro Ricardo Costa vai hoje à Comissão de Constituição e Justiça (CCJ) da Assembleia, às 13h30, expor a quantas anda o ajuste fiscal nas contas do Paraná. Pretende convencer os deputados de que as mudanças no Fundo de Previdência são necessárias e inadiáveis. Tema de difícil digestão.


7 comentários

  1. Luis Antonio de Sá Barreto
    terça-feira, 7 de abril de 2015 – 14:16 hs

    Depois que quebraram o Paraná, saquearam as finanças, deram calotes nos servidores e fornecedores, agora vão saquear a Previdência. Isto é o tal “Xóky di Jestão”?

  2. DIÁRIOS SECRETOS
    terça-feira, 7 de abril de 2015 – 14:20 hs

    AVE DE ARRIBAÇÃO! – a rapidez é para colocar essas quadrilhas que tomaram conta do nosso país para correr!!!!!

  3. Beatrix Kiddo
    terça-feira, 7 de abril de 2015 – 14:30 hs

    e não vai haver aquela baixaria da vez passada? Ah o perigo já passou, os mestres queriam garantir os seus privilégios que, depois de garantidos tudo ficou bem.

  4. ferreira
    terça-feira, 7 de abril de 2015 – 14:52 hs

    SERÁ QUE QUE A PROFESSORADA VAI PERMITIR MEXER COM O FUNDO PREVIDENCIÁRIO ???
    DUVIDO !!!

  5. indignado
    terça-feira, 7 de abril de 2015 – 14:58 hs

    Se o Estado precisa de dinheiro deveriam fazer o Nelson Justus devolver a fortuna que roubou.

  6. terça-feira, 7 de abril de 2015 – 15:57 hs

    Importaram esta cria do Maquiavel para fazer o serviço sujo, pois nenhum Paranaense estava disposto a fazer, imagine se com a Dilma está complicado com a cambada dos PSDB no poder estaria muito pior, vejam o que está sendo descoberto no “xoki de Jestam” tucana em Minas Gerais, é de arrepiar a pena de todos os tucanos.

  7. Sergio Silvestre
    terça-feira, 7 de abril de 2015 – 16:13 hs

    Deveriam estar discutindo como vão depor o Beto Richa e não passar a mão no dinheiro da previdencia.
    Já repararam que esse governo sempre tem um alibi,antes eram os empréstimos,agora e a divida da união com o estado e tem gente que acredita no conto do vigário.

Deixe seu comentário:

Campos obrigatórios estão marcados com *

*

*