Ação do Gaeco prende policiais, empresários e auditores da Receita | Fábio Campana

Ação do Gaeco prende policiais, empresários
e auditores da Receita

Foto: Fabio Calsavara/Jornal de Londrina foto - JL - gaeco

do Jornal de Londrina:

O Grupo de Atuação Especial de Combate ao Crime Organizado (Gaeco) cumpre na manhã desta sexta-feira 20 novos mandados de prisão em Londrina e região. Por volta das 8h50, 17 pessoas haviam sido presas, entre funcionários da Receita Estadual (RE), policial civil e empresários. A operação é um desdobramento do escândalo de corrupção na Receita Estadual na cidade e conta com o apoio da Corregedoria da Polícia Civil.

De acordo com o promotor Claudio Esteves, até esta manhã não era possível mensurar o valor desviado pela quadrilha. “Nós temos a ideia que haja uma sonegação sistemática de determinadas pessoas, protegidas por agentes públicos ligados à Receita Estadual”, disse. As investigações da Operação Publicana começaram há cerca nove meses.

Prisões
No início desta manhã, o policial civil André Santelli foi preso em Ibiporã, na Região Metropolitana de Londrina, enquanto trabalhava na delegacia local. Segundo o Gaeco, ele seria ex-funcionário da Receita Estadual e teria um irmão que trabalha no órgão.

Os auditores da Receita, Rosângela Semprebom e Marco Antônio Bueno, foram detidos em Londrina. Rosangêla é irmã Luiz Antônio de Souza, auditor fiscal da Receita preso em janeiro.

O Gaeco também cumpriu o mandado de prisão do delegado da RE, Dalton Lázaro Soares. Stefan Ruthschilling, proprietário de uma distribuidora de combustível da região está entre os presos desta manhã.

Por volta das 9 horas, a expectativa é que uma os demais empresários presos nesta manhã fossem encaminhados em uma van para o Gaeco para prestar esclarecimentos.

Crise na Receita
Em 5 de março, o Gaeco cumpriu mais de 50 mandados de busca e apreensão em várias cidades da região Norte do Paraná, inclusive no prédio da Receita Estadual em Londrina. O escritório do órgão também foi vasculhado em Curitiba.

No dia seguinte, o promotor Renato de Lima Castro, da Promotoria de Defesa e Proteção ao Patrimônio Público, fez um alerta e, ao mesmo tempo, um apelo a empresários e contadores, para que tivessem informações ou fossem vítimas do esquema, que colaborassem com o Gaeco.

O suposto esquema de corrupção envolvendo auditores da Delegacia da Receita Estadual em Londrina extorquia empresários de diversas formas, provocando um prejuízo ainda não calculado aos cofres públicos, em impostos que deixaram de ser recolhidos.

Em alguns casos identificados pela Promotoria de Defesa do Patrimônio Público, os auditores teriam cobrado propina para dar baixa em dívidas milionárias de empresas. Para isso, eles teriam recebido R$ 200 mil de cada empresário, o que fez com que investigadores ironizassem a situação, questionando se haveria um “tabelamento” da propina.


9 comentários

  1. Vieira
    sexta-feira, 20 de março de 2015 – 11:53 hs

    Nunca foram auditores, agentes fiscais passaram para auditores da noite para o dia no maior trem da alegria que o Paraná já viu. As propinas foram imensas para aprovar esta passagem. As práticas dos agentes passaram para os auditores, isto sempre existiu, para o governo somente 4 empresas representarão o tributo no Paraná, o resto não importa, por isso existe a corrupção envolvendo os que não são fiscalizados por não ter ” IMPORTÂNCIA” , na visão do governo, isso veio do governo do Requião e continua no governo Beto.

  2. valdir izidoro silveira
    sexta-feira, 20 de março de 2015 – 12:09 hs

    Fabio a culpa é da Dilma, do PT? Não… É do sistema. Fuzilamento para essa canalha; é a minha receita.

  3. COMANDO
    sexta-feira, 20 de março de 2015 – 12:42 hs

    Ate onde vamos, quanta sujeita esta também neste estado…

  4. mauro
    sexta-feira, 20 de março de 2015 – 12:47 hs

    Londrina….berço dessa tigrada toda, pobre Londrina!

  5. FELIPE
    sexta-feira, 20 de março de 2015 – 13:21 hs

    Capa da Veja deste domingo. Beto Richa sabia de tudo. Alguém ai acredita? eu não.

    Primo do Governador esta preso deste segunda por ser o chefe do esquema de corrupção da receita estadual.
    > Um Juiz do Paraná transfere o cara da penitenciaria para uma sela especial no corpo de bombeiros.
    Muito justo né. e os demais presos no esquema, o que acontece com eles?

  6. Leo Pogô
    sexta-feira, 20 de março de 2015 – 13:40 hs

    A corrupção praticada por agentes de órgãos públicos incumbidos na arrecadação e zelo pelos impostos oriundos da população e após comprovados os atos ilícitos deveriam receber pena máxima com bloqueio e penhora imediata de seus bens e demissão a bem do serviço público bem como publicação de Ato com impedimento ao acesso em funções públicas de qualquer natureza..

  7. Sergio Silvestre
    sexta-feira, 20 de março de 2015 – 13:56 hs

    Londrina pega ladrão,ao contrario de Curitiba onde está tudo dominado,
    A coisa tende a descer a serra do Cadeado e beirar o IGUAÇU, vai sobrar penas para todos os lados,esperem e veram,tem fila de empresario querendo delação,é moda,governos vão cair como castelos de cartas.

  8. Flávius
    sexta-feira, 20 de março de 2015 – 15:35 hs

    É chegado o fim dos tempo como previu Nostradamus. Não escapa um municipio, um estado, um país…

  9. sexta-feira, 20 de março de 2015 – 17:50 hs

    E o peixinho da Sec. e Diretora da SEAP já foi preso, o cara era pau mandado e era funcionário da Prefeitura com cargo em Comissão, para ser Chefe do Transporte do Estado, ou seja, ladrão foragido.

Deixe seu comentário:

Campos obrigatórios estão marcados com *

*

*