STJ nega habeas corpus a dono da UTC | Fábio Campana

STJ nega habeas corpus a dono da UTC

unnamed

O ministro do STJ, Newton Trisotto, negou pedido de habeas corpus ao dono da UTC, Ricardo Pessoa, preso na sétima fase da Operação Lava Jato. Trisotto alegou não haver elementos que indicasse “flagrante de ilegalidade” para justificar a liminar. O ministro valeu-se ainda das argumentações dadas pelo juiz Sérgio Moro, que cuida da Lava Jato na 13ª Vara da Justiça Federal no Paraná, de que a defesa de Pessoa teve todas as garantias para exercer seu trabalho. As informações são de Veja e Estadão.

Pessoa é acusado de crimes de organização criminosa e lavagem de dinheiro e está preso na Polícia Federal em Curitiba desde novembro do ano passado. A defesa dele entrou com pedido no STJ após ter recurso negado pelo Tribunal Regional Federal da 4ª Região. O advogado Alberto Toron alegou necessidade de suspensão do prazo e de acesso a todas as provas antes da apresentação de sua resposta. Na avaliação do ministro Trisotto, os advogados têm acesso a todas as provas disponíveis e tempo suficiente para analisá-las, já que teve “o prazo ampliado pelo recesso judiciário”.


3 comentários

  1. Sergio Silvestre
    domingo, 8 de fevereiro de 2015 – 16:23 hs

    Essas construtoras poderiam prestar um grande serviço ao Brasil e elas vem desde o tempo da ditadura militar fazendo as obras do Brasil.
    Eles deveriam enumerar os casos e comissões recebidas desde os tempos do Sarnei,passando pelo Collor,FHC ,Lula e Dilma.
    Eles devem ter montanhas de documentos que prova que o Brasil é um covil de bandidos vestidos de políticos e magistrados.ISSO AINDA VAI DESEMBOCAR PARA UMA AVENTURA DE ALGUM AVENTUREIRO DE DIREITA OU DE ESQUERDA.

  2. VISIONÁRIO
    domingo, 8 de fevereiro de 2015 – 16:29 hs

    Pelo jeito a turminha do Petrolão vão ficar pulando carnaval na prisão.
    Ainda bem que a turminha já decorou a marchinha “Ei você aí me dá
    um dinheiro aí, me dá um dinheiro aí “…

  3. Luiz Eduardo
    domingo, 8 de fevereiro de 2015 – 17:01 hs

    Perfeita a decisão do STJ. Lugar de ladrão é na cadeira, porém, TODOS, inclusive o LULALA, a DILMA, a GRACINHA. A Gracinha que deixou de exercer a fiscalização sobre seus diretores e gerentes cometer crime de improbidade administrativa e contra a economia popular. Não é possível que numa empresa deste porte não se tenha informantes. Esta Gracinha foi irresponsável na administração.

Deixe seu comentário:

Campos obrigatórios estão marcados com *

*

*