Secretário da Fazenda do PR garante que folha de pagamentos está em dia | Fábio Campana

Secretário da Fazenda do PR garante que folha de pagamentos está em dia

mauro ricardo costa --

‘Situação financeira é muito difícil’, admite, porém, Mauro Ricardo Costa. Previsão é de que o caixa se reequilibre apenas a partir de maio.

de Sabrina Coelho, G1 PR:

O secretário da Fazenda, Mauro Ricardo Costa, admitiu nesta segunda-feira (23) que a situação financeira do Paraná é difícil. Apesar dos problemas, ele afirmou que a folha de pagamento dos servidores está em dia, e que os efeitos das medidas impostas para aumentar a arrecadação só surtirão efeito a partir do mês de maio.

“Estamos juntando dinheiro para poder pagar a folha, guardando a arrecadação dos dias que encerram fevereiro de tal forma que tenhamos um montante necessário de recursos para o pagamento da folha. Não há qualquer inadimplência quanto aos meses de dezembro, décimo terceiro, janeiro ou até fevereiro, que vamos pagar agora”, declarou Costa.

Segundo ele, alguns compromissos como pagamento do terço de férias relativo a novembro e dezembro, e as rescisões contratuais dos cerca de 29 mil professores temporários dispensados em dezembro seguem atrasados, mas serão cumpridos nesta terça-feira (24).

O governo garante ainda que as diárias dos bombeiros que trabalharam no litoral durante a Operação Verão foram liberadas na sexta-feira (20).

Orçamento equivocado
De acordo com Costa, o déficit atual nas contas do estado foi causado pela má elaboração do orçamento de 2015, feito com base nos números de junho de 2014 – no primeiro mandato do atual governador, Beto Richa (PSDB). O cálculo fez com que as receitas fossem superestimadas. Por isso houve a necessidade de fazer um ajuste fiscal adequando as despesas à nova realidade financeira do estado.

“Nós contingenciamos o orçamento em R$ 11 bilhões. Parte disso é por conta de receitas que de fato não acontecerão em face da mudança do quadro econômico nacional, outra são medidas preventivas. Receitas que estão condicionadas a operação de credito, a convênios com o governo federal que precisam de fato ingressar nos cofres do estado para que possa liberar sua execução”, explicou o secretário.

A expectativa é de que a partir de maio a entrada de receitas com impostos amenize a situação dos cofres do governo. “Estamos falando de cerca de R$ 1,2 bilhão a mais que ingressarão no caixa do estado”, avaliou.

Outra frente para realização do ajuste fiscal, segundo o secretário, é a redução de despesas. “É isso que o conjunto de medidas que foi enviado a Assembleia Legislativa do Paraná (Alep) se propunha a fazer, e é preciso fazer. Só após a aprovação dos projetos nos vamos poder visualizar uma expectativa de futuro”, reforçou Costa.

Dentre as medidas polêmicas enviadas ao Legislativo que acabaram saindo de pauta para revisão está a fusão dos fundos de previdência do estado. De acordo com o secretário, o pagamento de inativos e pensionistas corresponde a uma das despesas mais significativas da administração estadual.

Em 2012 foram retiradas mais de 100 mil pessoas que estavam no fundo previdenciário e levadas para o fundo financeiro. Hoje as despesas somam R$ 4, 1 bilhões pagos apenas com os recursos do tesouro. As receitas do estado não suportam este montante.

Talvez reverter o processo enviando essas pessoas de volta ao fundo previdenciário, onde estão todas as suas contribuições, seja a solução. Daqui a pouco o estado não terá dinheiro nem pra pagar os ativos, quanto mais os inativos”, alertou Costa.

Manifestações
Quanto aos protestos e manifestações que vem sendo feitos por diversas categorias do funcionalismo público em todo o estado, o secretário diz que é preciso que a população tenha conhecimento dos problemas.

“As corporações reagem quando você tira benefícios que estavam sendo dados há muitos anos. Mas é importante que seja esclarecida a real situação e as medidas que precisam ser adotadas. Não é possível fazer omeletes sem quebrar ovos. Os ovos terão que ser quebrados para haver um equilíbrio nas contas públicas”, afirmou o secretário.


23 comentários

  1. Allan
    terça-feira, 24 de fevereiro de 2015 – 15:33 hs

    Nos 100 mil reais de salário que o senhor ganhar não precisa quebrar ovo nenhum né?

  2. Eder
    terça-feira, 24 de fevereiro de 2015 – 15:46 hs

    Antes de fundir os fundos, vamos então “abrir as planilhas” e discuti-las, vamos achar onde está o problema. Se for sustentável a ponto de garantir as remunerações dos inativos no futuro (e digo futuro próximo), mesmo como servidor público estadual, não serei contra a fusão. Agora, de “guela abaixo” metendo literalmente a mão no dinheiro, isso NÃO.

  3. Sergio Silvestre
    terça-feira, 24 de fevereiro de 2015 – 15:48 hs

    Já juntou os 100 mil dele

  4. julio cezar
    terça-feira, 24 de fevereiro de 2015 – 15:50 hs

    Nossa que desfavor, as contas não estão em dia, ele não pagou as férias nem vai pagar, o choque de gestão é esse, acabar com direitos conquistados em detrimento de seus interesses individuais e pior, motivado pela sua inépcia em administrar. INCOMPETENTE

  5. Frida
    terça-feira, 24 de fevereiro de 2015 – 15:58 hs

    Esta em dia, mas sexta dia 27 chega outra ! kkkk

  6. Johan
    terça-feira, 24 de fevereiro de 2015 – 16:40 hs

    Caro FÁBIO, muito esclarecedora a manifestação do novo secretário, porém a população não é culpada pelo mau gerenciamento dos recursos pelos governantes nos anos passados. A insatisfação geral está muito elevada e o governador BETO será crucificado pelo seu mal desempenho. O Paraná está parado neste momento pela classe dos caminhoneiros, que buscam o melhor para a classe como a redução no preço dos combustíveis e dos pedágios. O político que afirmou que o estado não para, está totalmente equivocado, delirando por absoluta ausência de conhecimento da realidade. A sorte da população é que o movimento paredista dos caminhoneiros é por pouco período, o suficiente para flexionar a musculatura do segmento, e afirmar que o BRASIL parará quando eles desejarem. Os agentes políticos não devem buscar o enfrentamento com a classe, pois o país sairá perdendo. O governador BETO está caminhando no fio da navalha. Defendo a liberdade de opinião, liberdade de imprensa. Apoio e defendo o IMPEACHMENT JÁ da DILMA, agora no poder, para evitar maiores constrangimentos e VERGONHAS a sociedade brasileira. Atenciosamente.

  7. Paulo Roberto
    terça-feira, 24 de fevereiro de 2015 – 17:47 hs

    O Beto Richa acabou, queimou a sua carreira política, assim como o Jaime Lerner, deu força para sua oposição (Requião) queimou seu campo em Curitiba, dificilmente conseguira eleger com seu apoio o Ducci para a próxima eleição, Beto Richa está apanhando todo dia desde a mídia estadual até a nacional, como foi ontem no JN, vergonha !! Beto Richa e seus secretários e aspones aloprados estão com os dias contados na história política do Paraná.

  8. Zé Venancio
    terça-feira, 24 de fevereiro de 2015 – 18:43 hs

    E de repente, não mais que de repente, tudo desanuviou…
    Segundo o bom baiano, agora está tudo normal e esta indisposição gástrica pela qual passou o Paraná e o deputado dentro do camburão, no dia da votação do tratoraço na AL, já foram solucionadas…
    Mais um motivo seu Campana prá ver esse cara longe!
    Fritou o Beto e o pôs no mesmo patamar que Dilma, a figura demonizada pelo Paraná…
    Se Beto não agir rápido, e parece que é o que está fazendo agora, participando da reunião com os reitores das IES estaduais, esse cara vai arrastar o estado para a lama!

  9. Cid BOTAFOGUES
    terça-feira, 24 de fevereiro de 2015 – 19:41 hs

    Mais três dias de paralisação do transporte Rodoviário e o caos completo estará instalado na logística de abastecimento de alimentos e combustíveis; A situação é gravíssima. Não há infra estrutura de transporte Ferroviário e Hidroviário no país. A história é cíclica! Meses que antecederam 1964 ocorreu o abalo da Segurança interna incontrolável. O PODER MODERADOR será convocado pelo povo à agir. Senadores e deputados se manifestando com pavor às dezenas pela critica situação. Momentos de muita tensão> A paralisação ocasiona a retração de toda a produção nacional – transportes e serviços portuários de escoamento.

  10. terça-feira, 24 de fevereiro de 2015 – 20:35 hs

    O que mais me impressiona numa entrevista como essa do secretário da fazenda, é que ele fala em quebrar ovos para o omelete, ou seja, fazer cortes para equilibrar as contas, mas fico pensando, o que eles o governo como um todo, Alep, tem na cabeça. Enfim, os cortes poderia começar pelo executivo, que acumulam cargos em comissões para ganhar mais, 110 mil. Na assembléia, mais cortes. Mas não, os cortes, as mudanças, vem apenas no funcionalismo que ganha bem pouco. Faço um alerta, a culpa é nossa que elegemos eles, infelizmente. E enquanto nós, povo, não mudarmos, eles não mudarão. É uma lástima!

  11. rafael
    terça-feira, 24 de fevereiro de 2015 – 21:40 hs

    Eu nao sei os professores mas tirei ferias em dezembro e nao recebi nada hoje

  12. jose
    terça-feira, 24 de fevereiro de 2015 – 21:58 hs

    “Segundo ele, alguns compromissos como pagamento do terço de férias relativo a novembro e dezembro, e as rescisões contratuais dos cerca de 29 mil professores temporários dispensados em dezembro seguem atrasados, mas serão cumpridos nesta terça-feira (24)” quesito terço de férias (MENTIRA).

  13. rafael
    terça-feira, 24 de fevereiro de 2015 – 22:02 hs

    Nao sei os professores mas o terço de ferias de dezembro nao foi pago hoje como esta na materia

  14. jose
    terça-feira, 24 de fevereiro de 2015 – 22:04 hs

    “As corporações reagem quando você tira benefícios que estavam sendo dados há muitos anos. Mas é importante que seja esclarecida a real situação e as medidas que precisam ser adotadas. Não é possível fazer omeletes sem quebrar ovos. Os ovos terão que ser quebrados para haver um equilíbrio nas contas públicas”, afirmou o secretário”, o excelencia, tire seus benefícios, além do salario de secretário, o qual já é muito alto ou v. senhoria, entre em uma sala da aula com 40 alunos, para ver se é bom, pq não cortam um poucos dos aspones, agora se for verdade as suas benesses em conselhos estaduais, conversamos depois.

  15. ana cristina
    terça-feira, 24 de fevereiro de 2015 – 22:12 hs

    preicisamos de uma auditoria no endividamento do estado, e inacreditavel o q esta acontecendo

  16. Luis Antônio
    terça-feira, 24 de fevereiro de 2015 – 22:54 hs

    O Estado é representado por seus funcionários. Que não podem em hipótese nenhuma serem prejudicados. O Paraná é um estado rico e sempre teve funcionários qualificados e bem remunerados. Taxar aposentados e pensioniatas. Atacar o funcionalismo não é a solução. Esquece o governo da Estabilidade e direitos adquiridos. Isso ñ é um empresa privada é seviçi público. Quero ver ter coragem de cortar direitos do Poder Judiciário, MP e Tribunal de Contas. Esse Senhor veio ñ sei de onde p resolver problemas e não enterrar e matar o governador Beto Richa politicamente.
    Totalmente equivocado !

  17. joel rezende
    terça-feira, 24 de fevereiro de 2015 – 23:10 hs

    onde?

  18. rafael
    quarta-feira, 25 de fevereiro de 2015 – 11:17 hs

    Quando o governo vai pagar as ferias atrasadas ontem nao foi pago nada

  19. jose
    quarta-feira, 25 de fevereiro de 2015 – 14:47 hs

    hahahahahahaha

  20. jose
    quarta-feira, 25 de fevereiro de 2015 – 14:48 hs

    hahahahahahaha, pq os meus comentários, não foram aprovados? tem algo errado? ou ofensivo?

  21. jose
    quarta-feira, 25 de fevereiro de 2015 – 14:49 hs

    esclarecendo, só disse que ele faltou com a verdade, em relação aos pagamentos do terço de férias, se eu estiver errado, me desculpe.

  22. Loop
    quarta-feira, 25 de fevereiro de 2015 – 21:22 hs

    Atire a primeira pedra… Se já viu fiscal correndo comércio – no cotidiano – para acompanhar a emissão de notas fiscais?

  23. Doutor Prolegômeno
    quinta-feira, 26 de fevereiro de 2015 – 14:20 hs

    Quanto ganha o Super Baiano?

Deixe seu comentário:

Campos obrigatórios estão marcados com *

*

*