PT parece não entender em que buraco fiscal o governo Dilma pôs o país | Fábio Campana

PT parece não entender em que buraco fiscal o governo Dilma pôs o país

Miriam Leitão

Quem, dentro do PT, se coloca contra o ajuste fiscal proposto pelos ministros Joaquim Levy e Nelson Barbosa não tem noção do tamanho da crise que a presidente Dilma colocou o país em seu primeiro mandato.

O Brasil teve déficit primário em 2014; antes de pagar os juros, o governo já havia gastado mais do que nós mandamos de impostos a ele. Com o pagamento de dívida, o déficit foi de 6,7% do PIB. É um escândalo. E também é insustentável.

Mantido esse ritmo, o país caminhará para o rebaixamento do risco de sua dívida e diversos outros problemas mais.

O que me espanta é a ex-ministra-chefe da Casa Civil Gleisi Hofman colocar uma emenda demagógica contra a reformulação do cálculo das pensões para viúvas jovens. Hoje, não importando a idade, a regra diz que esposas nessa situação recebam a pensão do marido falecido pelo resto da vida. É preciso apenas o mínimo de responsabilidade e de conhecimento para saber que uma viúva nova, em condições de trabalhar e sem filhos deve receber a pensão por um período, e não para sempre. Isso acontece inclusive em países ricos como a Alemanha e os EUA.

O ministro Nelson Barbosa fez um levantamento e me apresentou uma lista de moças de apenas 20 anos que receberão a pensão pela morte do cônjuge pelo resto da vida. É fácil concluir que essas viúvas podem voltar ao mercado de trabalho. Pela proposta, quem está nessa idade receberia a pensão por três anos. Se a viuvez ocorrer aos 27, o benefício dura um pouco mais, e assim vai aumentando por faixas até a última, para viúvas de 43 anos ou mais, que receberão a pensão para sempre.

A proposta não é retroativa, não afeta direitos adquiridos. Sua aplicação será suave.

A ex-ministra Gleisi, melhor do que muitos, tem condições de saber o tamanho do rombo nas contas públicas deixado pelo governo que ela participou como ministra-chefe da Casa Civil. Ainda assim, ela apresentou essa proposta para atrapalhar o ajuste fiscal que o primeiro mandato da presidente Dilma tornou indispensável.

Gleisi não foi a única parlamentar do próprio PT a apresentar proposta para desmontar o ajuste fiscal necessário. O deputado federal Vicentinho é outro exemplo. Isso mostra a fraqueza da presidente Dilma nesse começo de segundo mandato. Ela não consegue organizar tampouco convencer nem os mais próximos dos petistas, como a ex-ministra Gleisi.

Me espanta eles não entenderem a situação em que colocaram o país, e o risco que isso representa. Para colocar as contas do país no caminho sustentável, é preciso essa e outras medidas que são amargas, sim, mas também são indispensáveis.

A eleição acabou.


7 comentários

  1. Doutor Prolegômeno
    terça-feira, 10 de fevereiro de 2015 – 17:53 hs

    Dona Horizontina, uma velha vizinha, conhecida por já se deitar na cama, tão logo aparecia o leiteiro ou o carteiro, dizia que o buraco é bem mais embaixo do que se imagina.

  2. Diego
    terça-feira, 10 de fevereiro de 2015 – 17:53 hs

    Tem gente que enquanto não chega até o fundo do poço não se dá por satisfeito.

  3. Falido e mau pago
    terça-feira, 10 de fevereiro de 2015 – 18:17 hs

    País de corruPTos, incomPTentes e sonsos.
    Mas não é privilégio só do governo federal. Essa merda em que nos encontramos também fede no estado do Paraná e no município de Curitiba.
    Enquanto não houver educação e cultura para sabermos escolher os nossos governantes, dá nisso.

  4. Juca
    terça-feira, 10 de fevereiro de 2015 – 19:11 hs

    O governo está se dissolvendo. Ninguém mais acredita nessa turma.

  5. Helena
    terça-feira, 10 de fevereiro de 2015 – 23:41 hs

    Já estão acostumado com o cheiro da lama em que vivem no esgoto da corrupção.

  6. FUI !!!
    quarta-feira, 11 de fevereiro de 2015 – 6:59 hs

    Se em um país sério como no primeiro mundo as finanças andam
    de muletas, imaginem como ficou o Brasil depois de tantas roubalhei-
    ras. Tornou-se um país ingovernável (o impeachment é improvável);
    a Dilmanta e o PT vão permanecer no poder; apesar da celeridade
    do Lava Jato uma importante parcela do dinheiro desviado não volta-
    rá aos cofres públicos; os prováveis condenados ficarão em cana por
    pouco tempo e … (cansei…). Assim caminhará o Brasil nos próximos
    anos carregando areia da praia de pá para tapar a cratera que ficou..

  7. LUIZ
    quarta-feira, 11 de fevereiro de 2015 – 13:32 hs

    O NEGÓCIO DO pt É ROUBAR,NADA MAIS.

Deixe seu comentário:

Campos obrigatórios estão marcados com *

*

*