Pedagogia da catástrofe | Fábio Campana

Pedagogia da catástrofe

unnamed
Cristovam Buarque: Parecemos estar num tempo em que argumentos não têm papel pedagógico

Chama-se “pedagogia da catástrofe” o conjunto de lições tiradas de tragédias geralmente anunciadas e desprezadas. A população de São Paulo está passando por um aprendizado desse tipo. Depois de anos desperdiçando água e sujando rios, investindo em asfalto e estádios, em vez de reservatórios, sem incluir nas escolas o respeito à água e demais preocupações ambientais, a população começou a conservar água.

A pedagogia da catástrofe funcionou para o povo, mas os governos, aparentemente, não aprenderam e continuam resistindo a fazer as necessárias políticas de investimento e de educação, e a população segue de olhos fechados para outros problemas.

Estamos esperando a destruição da Petrobras para só então aprendermos o risco do aparelhamento do Estado e da corrupção ligada ao financiamento de campanha por empreiteiras. Por anos, o governo federal caminhou a passos firmes na direção da atual crise fiscal e a estagnação econômica. Muitos alertamos para os riscos da baixa poupança, do excesso de gastos, da preferência pelo consumo, da falta de base educacional, mas o governo preferiu caminhar até o ponto da pedagogia da catástrofe. Para conseguir a reeleição, o governo federal prometeu o que não ia cumprir, sem considerar as consequências da desconfiança criada pelo divórcio entre o discurso do marqueteiro na campanha e a fala dos ministros depois da posse.

Tudo indica que precisaremos da catástrofe de um engarrafamento absoluto para percebermos o erro da opção da indústria e do transporte com base no automóvel privado; e de uma guerra civil em todas as ruas das cidades para admitirmos a violência que criamos com um modelo de desenvolvimento centrado no crescimento econômico, concentrando a renda, relegando a busca de educação da cidadania e a construção de harmonia social. A crise ecológica talvez só seja enfrentada quando o aquecimento global já tiver provocado todos os desastres planetários que se avizinham, mas que população e líderes se negam a ver.

Aparentemente estamos em um tempo em que argumentos não têm papel pedagógico; só as catástrofes convencem. O mundo parece ter apenas duas cores e estar parado no tempo; as análises que procuram mostrar as diferentes nuances dos problemas e prever suas consequências são recusadas. Há uma clara preferência pelas ilusões instantâneas no lugar da realidade em movimento, até que a pedagogia da catástrofe desperte a consciência, corrigindo os erros quando o preço já é muito alto.

É pouco provável que as próximas eleições mostrem que o povo aprendeu com seus erros eleitorais e consequentes opções de desenvolvimento, tanto quanto a população de São Paulo aprendeu com o desprezo pela água. Mesmo assim, é preciso insistir nos alertas, ainda que não sejam ouvidos, porque não tentar convencer seria uma catástrofe pessoal.

Cristovam Buarque é senador (PDT-DF)


4 comentários

  1. Sergio Silvestre
    domingo, 22 de fevereiro de 2015 – 14:29 hs

    Esse ai é outro “LULU”que late ,late e nunca morde o pneu.

  2. Palpiteiro
    domingo, 22 de fevereiro de 2015 – 17:55 hs

    O evidente objetivo do lulopetismo como força política é o destroçamento dos valores tradicionais da sociedade brasileira, corroendo e destruindo o tecido social, como uma lepra, uma peste, para substituí-lo por um amoralismo político. O vale-tudo social. A simplificação do mundo dos lulopetistas reduz o povo a uma massa dependente de vales-miséria, financiada por um Estado aparelhado com instituições amorfas e corrompidas. O caminho da Venezuela e da Argentina. Nem Orwell foi capaz de prever uma força política tão apodrecida, despida de qualquer consciência moral e de total ausência de caráter.

  3. FUI !!!
    segunda-feira, 23 de fevereiro de 2015 – 5:14 hs

    Infelizmente para a população afetada por falta quase total de água,
    porem o governo tem uma culpa imensa por tudo que está ocorrendo.
    Não fez os investimentos necessários até hoje e o pior é que não
    alertaram a população sobre a gravidade da situação devido ao perío-
    do eleitoral. Caso contrário a Dilma teria perdido a eleição. Malandra-
    gem e safadeza contra os brasileiros. E a população por sua vez nunca
    fez o dever de casa. Poluiu, esbanjou e imaginou que a água seria in-
    finita. ACABOU !!!

  4. Freddy Kruger
    terça-feira, 24 de fevereiro de 2015 – 11:18 hs

    Este cara é porreta ! Pena que não tenha conseguido espaço para seu crescimento quanto foi candidato a Presidente. Ele não se alinhou a corrupção, às empreiteiras, e principalmente, não se aliou ao PT. É um grande Professor. Pena que a população não lhe dê ouvidos. Preferem o jornal da globo, que só da a notícia que lhe interessa, preferem assistir novelas que não agregam nenhum valor moral a sociedade e principalmente assistir ao BBB, que é a maior prova da degradação dos valores morais da sociedade !

Deixe seu comentário:

Campos obrigatórios estão marcados com *

*

*