Fiep faz apelo pelo fim dos bloqueios de cargas em rodovias | Fábio Campana

Fiep faz apelo pelo fim dos bloqueios de cargas em rodovias

campa
Entidade afirma que manifestação de caminhoneiros já prejudica indústrias de vários setores, incluindo as que produzem alimentos perecíveis

O presidente da Federação das Indústrias do Paraná (Fiep), Edson Campagnolo, fez um apelo nesta segunda-feira (23) pelo fim dos bloqueios ao transporte de cargas em rodovias do Paraná e de outros estados. O protesto dos caminhoneiros, iniciado na última quarta-feira (18), vem prejudicando indústrias paranaenses, inclusive de setores que produzem alimentos perecíveis – que deveriam estar livres dos bloqueios.

Nesta segunda, Campagnolo e representantes de outras entidades representativas do setor produtivo se reuniram com o superintendente da Polícia Rodoviária Federal (PRF) no Paraná, Gilson Luiz Cortiano. Eles levaram a preocupação da classe empresarial em relação às manifestações e conversaram sobre as providências que a PRF está tomando para garantir a circulação das cargas. Também participaram do encontro os presidentes da Federação do Comércio do Paraná (Fecomércio), Darci Piana, da Organização das Cooperativas do Paraná (Ocepar), João Paulo Koslovski, e do Sindicato da Indústria de Carnes e Derivados do Paraná, Péricles Salazar.

“O setor produtivo brasileiro já atravessa um momento extremamente delicado, que vem se agravando a cada aumento de impostos e de tarifas públicas, como os ocorridos recentemente”, diz o presidente da Fiep. “Os bloqueios nas rodovias comprometem a entrega de matérias primas para as indústrias e o transporte de produtos finais até seus clientes. Esses atrasos representam um enorme prejuízo para as empresas”, acrescenta.

Segundo Campagnolo, a preocupação é ainda maior em relação ao bloqueio de cargas de produtos perecíveis. Apesar de os líderes do protesto afirmarem que caminhões com esses itens estão com passagem liberada pelas rodovias, a Fiep tem recebido relatos de que isso não vem sendo respeitado. Sindicatos filiados à entidade que representam as indústrias de carne e de leite, entre outros, já registram problemas com a manifestação.

No caso do leite, a situação mais grave está na região Sudoeste do Paraná. “Existem vários relatos de produtores que não estão conseguindo transportar o leite até as indústrias de laticínios. Como se trata de um produto altamente perecível e de produção diária, os produtores não têm como armazená-lo por muito tempo, em muitos casos já tendo que descartá-lo”, exemplifica Campagnolo. Além disso, indústrias do setor relatam dificuldades para receber embalagens, o que também pode inviabilizar a produção e o abastecimento de leite nos próximos dias.

Situação semelhante vive o setor de carnes – aves, suínos e bovinos. Grandes exportadores, os frigoríficos também estão enfrentando problemas em relação ao recebimento de cargas, o que tem comprometido sua produção.

“O direito à manifestação é legítimo, porém não pode se sobrepor ao direito à livre circulação de pessoas e mercadorias. Recomendamos que as lideranças do movimento apresentem claramente suas reivindicações e busquem negociação com o governo”, diz o presidente da Fiep. “Fazemos um apelo para que a manifestação seja interrompida o mais rapidamente possível, para evitar prejuízos ainda maiores não apenas para as empresas e produtores, mas para toda a sociedade. E, enquanto isso não ocorre, que ao menos seja respeitada a liberação de transporte de produtos da cadeia de perecíveis”, conclui Campagnolo.


10 comentários

  1. Viezzer
    segunda-feira, 23 de fevereiro de 2015 – 17:24 hs

    A Fiep que vá cobrar da Petrobras, eles decidiram que nós temos que pagar a roubalheira que houve por lá.

  2. Zé Venancio
    segunda-feira, 23 de fevereiro de 2015 – 17:45 hs

    Então, FIEP, vamos resolver o pedagio mais caro do Brasil???

  3. paulinho
    segunda-feira, 23 de fevereiro de 2015 – 18:33 hs

    O próprio presidente da FIEP concorda que ja não aguentamos mais os aumentos de impostos,pedagios, IPVA o aumento do combustível,principalmente o óleo diesel, que tal se ele orientase a indústria tambem a parar, quero ver se este governo não arriava as calças!

  4. segunda-feira, 23 de fevereiro de 2015 – 18:55 hs

    O certo nesta hora e o seguinte. Agricultores fechem as rodovias,com sua velhas maquinas,e o caminhoneiros,parem em todo do BRASIL.Assim fazendo,estamos expulsando o Banditismos do s petistas de ladroes como Lula e Dilma!!?

  5. segunda-feira, 23 de fevereiro de 2015 – 19:02 hs

    Nao agüentamos mais,as mentiras roubalheiras,neste BRASIL NOSSA QPATRIA AMADA,mas os petralhas acabaram com o nosso orgulho de ser Brasileiro,vamos apoiar os Valorosos caminhoneiros,nossos irmãos,convivemos juntos nos produzimos e voces transportam,continuem Ate cair este governo da VERGQONHA,Lula e Dilma.Vamos m frete.Abracos brasileiros verdadeiros!!!,

  6. Vitoria
    terça-feira, 24 de fevereiro de 2015 – 1:21 hs

    Quanta incoerência desse cidadão. As indústrias são penalizadas a cada nova medida dessa quadrilha que governa o Brasil e ele não se manifesta. Que tal se ele fizesse um apelo a PresidAnta para que ouvisse as reinvindicações dos caminhoreiros? Afinal eles estão falando por todos nós brasileiros q não damos mais conta de pagar contas da roubalheira da quadrilha PeTista.

  7. JOÃO C MOURÃO
    terça-feira, 24 de fevereiro de 2015 – 8:40 hs

    FIEP, USE AVIÃO E NAVIO PARA TRANSPORTAR OS PRODUTOS, SEGUNDO A “PRESIDENTA” CAMINHÃO NÃO FAZ A DIFERENÇA

  8. COMANDO
    terça-feira, 24 de fevereiro de 2015 – 9:06 hs

    Nós temos que parar por completo por um dia, não se compra nem um fio de cabelo. Ai eu quero ver um dia com imposto oooooooooo, ISSO TEMOS QUE FAZER.

  9. Waldir
    terça-feira, 24 de fevereiro de 2015 – 11:28 hs

    Resolvendo o seu problema Sr. Presidente, o resto que se dane, e como fica o setor de transporte, burro de carga do país?????? Então ajude o setor que mantém o seu, saia do seu luxuoso gabinete da FIEP e venha conhecer de perto a vida de quem carrega o Brasil no lombo…

  10. QUESTIONADOR
    quarta-feira, 25 de fevereiro de 2015 – 13:02 hs

    -Este senhor Edson Campagnolo, só entende o lado que ele representa, os demais são ignorados!!!
    -A greve dos caminhoneiros é justa e legal, tem todo o direito de parar pelo aumento do custo de combustíveis e o aumento da jornada de trabalho.
    -Os professores também estão em greve e não tardará muito que outras categorias entrem em greve.
    -As greves são o resultado da insatisfação da população frente a incompetência, inoperância, negligência com que os políticos governam este Estado e o restante do País. Sem mencionar os casos de corrupção e impunidade!!!

Deixe seu comentário:

Campos obrigatórios estão marcados com *

*

*