Propinas na Refinaria de Araucária chegam a 86 milhões para PT e PP | Fábio Campana

Propinas na Refinaria
de Araucária chegam a
86 milhões para PT e PP

unnamed

Pelo menos R$ 85,9 milhões teriam sido desviados de obras da refinaria Getúlio Vargas no Paraná para pagamento de propina. Metade desse total, ou cerca de R$ 43 milhões, teria servido para engordar os cofres do PT. Os detalhes constam da planilha com cerca de 87 contratos que foram alvo de corrupção que o ex-gerente da Petrobras Pedro Barusco (foto) entregou à Justiça quando fechou acordo de delação premiada. O documento, que estava sob sigilo, foi divulgado na quinta-feira. As informações são de Amanda Audi na Gazeta do Povo.

Os três contratos da Repar que aparecem na planilha foram fechados entre 2009 e 2010, com os consórcios Skanska/Engevix, Conpar (Odebrecht, UTC e OAS) e Interpar (Setal, Mendes Júnior e MPE). Eles somam, em valores globais, R$ 5 bilhões. Organizado, o ex-gerente alimentava periodicamente a tabela relacionando os contratos fechados com a estatal, o porcentual que seria desviado, como o dinheiro seria dividido e o nome dos executivos tratados como “contato” nas empresas.

No caso da Repar, os três contratos teriam tido o mesmo tipo de divisão. Do total, 1% dos recursos iria para o ex-diretor Paulo Roberto Costa – que em seguida dividia o dinheiro entre ele, o doleiro Alberto Youssef e políticos do PP, segundo as investigações. O outro 1% seria dividido entre o PT. Metade iria para João Vaccari Neto, tesoureiro do partido, e o restante para a “Casa”, em uma referência à diretoria de Serviços da Petrobras, comandada por Renato Duque, que foi indicado ao posto pelo PT, e pelo braço-direito Barusco.

O TCU apontou indícios de superfaturamento nos três contratos citados da refinaria paranaense. No caso do consórcio Skanska/Engevix, o sobrepreço foi rejeitado após as empresas apresentarem novos comprovantes. Nos outros dois, o processo ainda está em trâmite.

O documento de Barusco mostra contratos fechados entre 2003 e 2011, compreendendo os dois governos do ex-presidente Lula e o primeiro ano de mandato de Dilma Rousseff. Os acordos, no total, representam R$ 47,1 bilhões e US$ 12,92 bilhões.

Além da Repar, são elencadas outras 23 obras da Petrobras. Entram na lista as refinarias de Abreu e Lima, Paulínia (Replan), o Complexo Petroquímico do Rio de Janeiro (Comperj), além de gasodutos, plataformas e construções ligadas à exploração de pré-sal.

Os relatos de Barusco na delação premiada motivaram a última fase da Operação Lava Jato, batizada de “My way”, deflagrada na quinta-feira.

Ele citou nomes e revelou que o PT teria recebido entre US$ 150 milhões e US$ 200 milhões em propina pelos contratos relacionados por ele. O dinheiro seria repassado inclusive em doações eleitorais.


2 comentários

  1. sábado, 7 de fevereiro de 2015 – 13:46 hs

    A hora que for anunciada a conta bancária do PT, do Renato Duque e do Vaccari no exterior daí teremos noção desses na corrupção da Petrobras e de outras empresas estatais, e, também da responsabilidade de cada um.

  2. Moisés Fróes
    sábado, 7 de fevereiro de 2015 – 22:35 hs

    O Lulalau disse que há um plano contra a Dilma, mas quem já aplicou um grande golpe no Brasil, FORAM OS CORRUPTOS DO PT, Lula, Dilma e Dirceu são os chefões. CADEIA NELLES.

Deixe seu comentário:

Campos obrigatórios estão marcados com *

*

*