Beto Richa diante de seu Rubicão | Fábio Campana

Beto Richa diante
de seu Rubicão

R

Em matéria de política econômica, o governo de Beto Richa aproxima-se de seu Rubicão. Atravessá-lo ou não é algo que importa menos pela decisão em si, já tomada, e mais pela forma como será feita a travessia. As medidas de ajuste fiscal são necessárias e urgentes. Não há como evitá-las, no momento em que o secretário da Fazenda informa que conta os tostões para pagar a folha do funcionalismo. E a República, comandada pelo PT de Dilma Russeff e congêneres, afunda a todos na recessão.

A equação para entender o momento de dificuldades é simples. A arrecadação projetada em setembro e que balizou o orçamento da República e dos Estados, foi anunciada quando Dilma Rousseff usava dados da estatística oficial para afirmar que a economia nacional era sólida e crescente. Na campanha eleitoral, tudo parecia no melhor dos mundos.

Isso mudou logo após o resultado das eleições. Não a realidade, mas o discurso. A situação financeira do país deteriorou e com ela a dos estados e municípios. Dou um exemplo. Em janeiro, houve queda de 35% na venda de automóveis. O que significou queda de R$ 72 bilhões do IPI, o imposto sobre produtos industrializados. Isso representa redução de R$ 36 bilhões em receitas que seriam repassadas ao Fundo de Participação dos Estados.

Ora, qualquer cidadão que saiba as quatro operações, ou ao menos duas, a de soma e diminuição, sabe que em casos de diminuição do dinheiro que entra é necessário reduzir os gastos, conter as depesas, enfim, apertar o cinto para pagar as contas.

É o que todos se vêem obeigados a fazer agora. Do governo Dilma Rousseff e seus petistas amestrados, aos Estados como o Paraná, que mais contribui do que recebe da Nação. Pois bem, é esse o motivo real que leva o governo a aoresentar medidas de ajuste, de reduzção de despesas, de cortes na folha, nos gastos, a começar pelos privilégios.

O Legislativo compreendeu a situação e a maioria se disse a favor das medidas. Tudo parecia se encaminhar para o desfecho natural: aprovação de cortes e de ajustes fiscais para suportar a redução de receita que o governo da União, de Dilma, Lula, petistas amestrados e esquerda funcionária nos impôs. Isso sem contar os rombos da corrupção federal. Mas tudo parou num obstáculo típico da democracia de massas. O corporativismo se apressou em sair às ruas para protestar e chegou ao cúmulo de invadir o parlamento para impedir a votação das medidas. Na marra. Na força. Ação típica das esquerdas fascistóides.

Não foi a sociedade que cometeu esse crime de lesa democracia. Foi a corporação mais organizada, dos professores, apoiada em partidos e grupos da oposição ao governo local, onde se destaca, pasmem, o PT, núcelo propiciador de toda a desgraça que nos atinge a partir dos desatinos de seu governo da União. Não fomos nós, os paranaenses, que criamos a situação que obriga a todos os brasileiros a apertarem os cintos. E quando o governo do paraná se vê obrigado a tomar medidas de contenção, é o causador da desgraça, derrotado amplamente nas urnas de outurbo, que sai às ruas para protestar, tentando fazer crer que o governo Beto Richa faz isso por motivações as mais terríveis e estapafúrdias.

É o cúmulo da desfaçatez. Daquilo que os antigos chamava de falta de vergonha na cara. A mídia, com raras exceções de mentes sadias, tem uma parcela de responsabilidade, ao perfilar-se com os manifestantes por acreditar que ganham a sua simpatia. Irresponsabilidade que um dia também lhe será contabilizada.

O futuro próximo nos reserva a tentativa da turba de repetir a obstrução, com greves, protestos e com violência. Ao governo Beto Richa não resta outra que cumprir seu papel e resguardar os interesses mais amplos e superiores da sociedade como um todo, que estão acima dos grupelhos e corporações. É indigesto, chato, desgastante, mas é nesses momentos e diante desses desafios que a história separa os fortes dos fracos, e a politica distingue os estadistas dos pobres diabos.


22 comentários

  1. JOÃOZINHO DO SUDOESTE
    segunda-feira, 16 de fevereiro de 2015 – 16:24 hs

    Muito relativas as colocações feitas.Com a poeira baixando,e os ânimos serenando,o SR,Governador está sentindo os erros que cometeu.Nunca,é demais afirmar que ,se o ajuste é necessário,deve-se cortar na carne da máquina administrativa,cargos comissionados e outros penduricalhos.Por quê sómente no lombo dos servidores ???.Os servidores e a maioria da população,sentiu-se traída pelo Governador,que omitiu,mentiu na campanha eleitoral.Outro fato,foi em um momento inoportuno,principalmente com os professores,em um inicio de ano letivo,devendo 1/3 de férias e rescisões aos PSS,foi jogar gasolina no fogo.Está pagando o preço,de sua falta de habilidade e articulação……

  2. Abadia`
    segunda-feira, 16 de fevereiro de 2015 – 16:53 hs

    Está mais para rubiquinho …

  3. ze lima
    segunda-feira, 16 de fevereiro de 2015 – 17:02 hs

    Forte e corajoso comentário. Parabéns

  4. Diogo Almeida
    segunda-feira, 16 de fevereiro de 2015 – 17:14 hs

    O governador, e os deputados têm que fazer uma escolha, ou ignoram os bandidos e todo poder marqueteiro e do uso violento, que eles possuem, inclusive usando da força da lei, visando consertar erros, adequar se a atual realidade econômica, visando um futuro… Ou podem ceder aos canalhas, travestidos de professores, afundar ainda mais as finanças do Estado, correrem o risco de outros setores acharem que podem impor sua pauta no grito, e… Nosso Estado vai para o pau!

  5. Ivan Cotilho
    segunda-feira, 16 de fevereiro de 2015 – 17:17 hs

    Ô coitado…Vamos aguardar quem vai vencer: o povo paranaense ou o nefasto governo do PR

  6. Strapasson
    segunda-feira, 16 de fevereiro de 2015 – 17:36 hs

    Muito esclarecedor o texto. Torço muito para que o Beto atravesse este momento o mais rápido possível. Sou professora da rede estadual, considero legitimo protestar, pressionar.

    Mas que fique claro, não faço parte desta turba. Reprovo veementemente as atitudes, as ações da turba.

  7. paulo
    segunda-feira, 16 de fevereiro de 2015 – 19:40 hs

    O PT criou a corrupção? Defender direitos é ser corrupto? O governo federal, assim como o estadual e municipal, nos roubam descaradamente todos os dias. Richa, assim como Dilma, são dois corruptos. A culpa é de ambos. Além dos petistas amestrados do governo federal temos os tucaninhos amestrados também, na assembléia. Todos loucos para votar contra o servidor, concursado, ocupante do cargo por mérito (sabe o que é isto?) em troca de uma migalha. Sim, migalha. O estado está quebrado, falido. Culpa exclusiva do nosso governador. Ao deputado que o apóia sobra uma ambulância para carregar meia dúzia de enfermos, pois não haverá dinheiro para outro investimento (licitamente, não) ou ação. Por fora, com o que foi desviado, sim. Receberão milhões e é isto o que importa. Antes que me esqueça, o Paraná também estava nas mil maravilhas até as eleições. Depois, a realidade voltou. E o servidor, detentor de méritos, que pague. Os comissionados, corja, que recebam.

  8. Chief
    segunda-feira, 16 de fevereiro de 2015 – 19:54 hs

    Julio Cesar atravessou o Rubicão. Com a seguinte frase: A sorte
    esta lançada.

  9. zangado
    segunda-feira, 16 de fevereiro de 2015 – 20:00 hs

    O governo ou o que se possa assim chamar tem a sua grande parcela de culpa e responsabilidade nessa situação.
    A contingência nacional é um fator, mas o debacle orçamentário do Estado só cabe ao governo local, que teve 4 anos/48 meses para tomar pulso da situação e nada providenciou, tocando a máquina pública na banguela e depois lamuriando contra o governo federal.
    E mais, dissimulando sobre os fatos já consabidos, e pregando na campanha para reeleição que “o melhor está por vir”.
    Ora, chega de perorações, o que está errado, está errado!
    Um governante não pode seguir falseando sua responsabilidade e jogando nas costas de quem paga a conta toda sua incompetência e incúria administrativa.

  10. valdecir carlos trindade
    segunda-feira, 16 de fevereiro de 2015 – 20:07 hs

    A maioria dos professores paranaenses apresentam-se como verdadeiros néscios ao permitir serem manipulados por uma minoria raivosa e ressentida encastelada na direção da APP Sindicato, norteada pela ideologia petista/bolivariana, coadjuvada pela minoria oposicionista/belicista da Assembléia Legislativa. Todo esse espetro do atraso tem ainda o apoio do MST e o que tem de mais errático em termos de política: Roberto Requião e asseclas. A união dessas forças – que tanto mal tem feito ao nosso país – está causando graves danos à educação paranaense, deixando milhares de alunos da rede pública sem aulas, prática que se constitui num grave crime. Fosse o governador um homem de pulso, a situação não teria chegado a esse ponto, pois a autoridade seria imposta e os delinquentes processados e responsabilizados. Não venham falar em exercício do direito de greve, porque não cola. O que estão fazendo é subversão da mais escancarada. Se estão putos com eventual irregularidade administrativa, porque não vociferam contra o governo federal, verdadeira turbina de atos ilícitos. Não o fazem porque são cínicos e vendidos para uma ideologia de esquerda que foi sepultada com a queda do muro de Berlin. São verdadeiros zubis do atraso, da intolerância e do cinismo. São bactérias antidemocráticas a serviço do despotismo esquerdizante.

  11. valdecir carlos trindade
    segunda-feira, 16 de fevereiro de 2015 – 20:12 hs

    CORRIGINDO…

    A maioria dos professores paranaenses APRESENTA-SE…

  12. Cesar
    segunda-feira, 16 de fevereiro de 2015 – 21:06 hs

    Então vai: “alea jacta est”…

  13. Marcos
    terça-feira, 17 de fevereiro de 2015 – 10:11 hs

    Excelentíssimo senhor Governador, o fundo deficitário não é aquele que o dinheiro foi utilizado para construir uma estrada? O dinheiro foi reposto ao fundo pelos seus antecessores? Para solucionar a falta de caixa não seria bom, primeiramente, diminuir o número de cargos em comissão, ou reduzir seus valores?. Caso, ainda fosse insuficiente os cortes, poderiam ser revistas as renuncias ficais, incrementada a fiscalização e reduzidas as depesas com Conselhos, Jaris e etc. O dinheiro do fundo só dá para no máximo 3 anos e depois? Como serão pagos os aposentado, da mesma forma que os funcionários da ativa?

  14. Luiz Carlos Pacheco
    terça-feira, 17 de fevereiro de 2015 – 10:13 hs

    Sou professor de filosofia e de línguas e acho que algumas medidas que o Beto tomou (não concordo em por a mão no ParanáPrevidência, por exemplo) são necessárias, isto é verdade.
    Acho que o erro foi não haver uma comunicação eficiente ao povo antes de tomá-las (deve ter ficado com medo da reação, mas ela aconteceu e em grau maior; lembre-se da frase: “com jeitinho até injeção na testa”) .
    Mas, a sorte do Beto é que tudo isto aconteceu no início do mandato, ainda dá tempo de dar a volta por cima em quatro anos, se houver um bom planejamento (porque quatro anos passam rápido).

  15. Edson
    terça-feira, 17 de fevereiro de 2015 – 10:50 hs

    Estou ansioso pra ver a posição dos parlamentares da base aliada ao desgoverno.Será que eles ainda vão ficar do lado desse Governador hipócrita e mentiroso ou do lado da população paranaense que precisa de educação, saúde, segurança? Só mais uma dúvida, será que ele vai colocar nas suas medidas de AUSTERIDADE os cargos comicionados e alguns gabinetes?Estes últimos episódios mostram-nos que pra esse Governo tem gente demais na esfera legislativa.

  16. sandro Gomes
    terça-feira, 17 de fevereiro de 2015 – 12:02 hs

    O sr “governador” é apenas mais um grande mentiroso, que caiu na própria mentira. Que ele explique para onde foi o dinheiro do PR ou tenha a decência de renunciar. O que esperar de alguem q defende um ladrão dos cofres públicos como o Ezequias? Parabéns aos seus eleitores.

  17. terça-feira, 17 de fevereiro de 2015 – 12:34 hs

    Os professores não perderiam direitos, pois as aposentadorias e demais vantagens que os mesmos têm hoje em dia continuarão, somente aqueles que adentrarem no serviço público, daqui em diante, não terão essas benesses e terão um teto máximo, idêntico aos aposentados do INSS. Nada mais justo de que servidores públicos MUNICIPAIS, ESTADUAIS E FEDERAIS tenham um “TETO”, igual critério do INSS, pois caso contrário daqui alguns anos, se pagarem altos salários, os governos não terão FUNDO suficiente para mantê-los.

  18. ciro
    terça-feira, 17 de fevereiro de 2015 – 17:15 hs

    Com todo respeito ao Sr. Governador e a equipe de comunicaçao do palacio. O Beto tem q ir a TV e radio e expor claramente os porques das atitudes, o povo paranaense é esclarecido para entender e separar o joio q esta em frente ao palacio do trigo q quer trabalhar e ajudar o estado. Agora, o Beto nO pode ter medo d ofender este ou aquele petista mas falar a verdade poi deles nao ezpere nada em seu governo. Nós paranaenses precisamos ouvir a voz do lider d nosso estado. Fabio Campana se possivel repasse esse para o governador.obrigado

  19. Rosa
    terça-feira, 17 de fevereiro de 2015 – 21:33 hs

    Não entendo de política mais vejo o sofrimento de minha prima Fernanda, que é Professora da rede Estadual. Diante dessa balburdia sugiro ao Governador Beto Richa que renuncie ao seu mandato, para o bem da sociedade.

  20. Celso Rocha
    quarta-feira, 18 de fevereiro de 2015 – 10:48 hs

    BETO RICHA TERÁ QUE ATRAVESSAR O SEU RUBICÃO!
    SÓ PARA ENTENDER O SENTIDO HISTÓRICO (E POLÍTICO) DO QUE ESTÁ POR TRÁS DA PALAVRA RUBICÃO!
    Rubicão (“Rubico”, em latim), é o antigo nome de um pequeno rio no norte da Península Itálica, que marcava a divisa entre a província da Gália Cisalpina e o território da cidade de Roma. Ficou conhecido na História, pelo fato de que a lei de Roma, no período da República, proibia qualquer general de atravessá-lo, acompanhado de suas tropas, quando retornavam de campanhas ao norte de Roma. Quando o então general Júlio Cesar (depois se tornou imperador) atravessou o Rubicão, em 49 a.C., em perseguição à Pompeu, violou a lei e tornou inevitável o conflito com o Senado. Nesta ocasião teria proferido a frase “alea jacta est”, que significa: “A sorte está lançada”.
    Até hoje, a expressão ¨atravessar o Rubicão¨ ,significa uma decisão sem volta!
    Mas para Beto Richa é e será pior!
    Tem e terá que enfrentar um “tsunami” do maremoto chamado Servidores Públicos do Estado do Paraná principalmente da parte dos Professores, Policiais Civis e Militares, Agentes Penitenciários, Funcionários da Saúde e demais quadros funcionais do estado!

  21. João do busão
    quarta-feira, 18 de fevereiro de 2015 – 21:55 hs

    Vai me dizer que o senhor governador caiu nas lorotas econômicas da presidente? Estória da carochinha que o próprio fazia questão em desmentir durante a campanha presidencial? Menos né! Ou é burro, ou é mentiroso!

  22. QUESTIONADOR
    quinta-feira, 19 de fevereiro de 2015 – 12:05 hs

    -O texto foi bem elaborado e escrito mas não exime o governador de culpa, ante a todos os acontecimentos políticos e econômicos.
    -A maioria mais esclarecida e precavida da população já sabia que o atual governo federal apenas fantasia uma situação comprometida desde a primeira eleição do ex-presidente molusco…em determinado momento, a economia explodiria e foi o que aconteceu…pobre dos individados e dos governadores menos precavidos que não apertaram o cinto no momento de fartura para prever a época de dificuldades que apareceram no horizonte!!!
    -Neste contexto, o Governador Beto Richa e todo o seu secretariado tem culpa sim e não podem ser inocentados!!!!
    -Exigi-se de quem governa um estado como do Paraná, visão estratégica e bom senso no gasto público!!! E não choque de gestão fraudulento!!!

Deixe seu comentário:

Campos obrigatórios estão marcados com *

*

*