As conversas impróprias do ministro da Justiça | Fábio Campana

As conversas impróprias do ministro da Justiça

JOSE-EDUARDO-CARDOZO-size-598

Em encontro com advogados, o ministro da Justiça tranquiliza empreiteiras ao garantir que investigações da Lava-Jato sofrerão uma reviravolta logo depois do Carnaval

De Veja:

Desde a morte do ex-ministro Márcio Thomaz Bastos no ano passado, o PT perdeu seu grande estrategista em momentos de crise. Chamado carinhosamente de “God” (Deus, em inglês) pelos amigos, o onipresente MTB foi convocado para coordenar a defesa das empreiteiras tão logo deflagrada a Operação Lava-Jato. Ele tinha uma meta clara: livrar seus clientes de penas pesadas na Justiça e, de quebra, o governo petista da acusação de patrocinar um novo esquema de corrupção para remunerar sua base aliada no Congresso.

Negociador nato, Thomaz Bastos se dedicava a convencer o Ministério Público Federal de que a roubalheira na Petrobras não passava de um cartel entre empresas — e que, como tal, deveria ser punido e superado com o pagamento de uma multa bilionária. Nada além disso. A morte tirou o criminalista cerebral da mesa de negociação. MTB deixou um vácuo. O governo perdeu sua ponte preferencial com as empreiteiras, o diálogo entre as partes foi interrompido, e as ameaças passaram a dominar as conversas reservadas. Foi nesse clima de ebulição que o ministro da Justiça, José Eduardo Cardozo, assumiu o papel de bombeiro. Ex-deputado pelo PT e candidato há anos a uma vaga de ministro do Supremo Tribunal Federal (STF), Cardozo se lançou numa ofensiva para acalmar as construtoras acusadas de envolvimento no petrolão, que, conforme VEJA revelou, ameaçam implicar a presidente Dilma Rousseff e o antecessor Lula no caso se não forem socorridas. Há duas semanas, o ministro recebeu em seu gabinete, em Brasília, o advogado Sérgio Renault, defensor da UTC, que estava acompanhado do ex-deputado petista Sigmaringa Seixas.

O relato da conversa percorreu os gabinetes de Brasília e os escritórios de advocacia como um sopro de esperança para políticos e empresários acusados de se beneficiar do dinheiro desviado da Petrobras. Não sem razão. Na reunião, que não constou da agenda oficial, Cardozo disse a Renault que a Operação Lava-Jato mudaria de rumo radicalmente, aliviando as agruras dos suspeitos de crimes como corrupção e lavagem de dinheiro. O ministro afirmou ainda que as investigações do caso envolveriam nomes de oposicionistas, o que, segundo a tradição da política nacional, facilitaria a costura de um acordo para que todos se safem. Depois disso, Cardozo fez algumas considerações sobre os próximos passos e, concluindo, desaconselhou a UTC a fechar um acordo de delação premiada. Era tudo o que os outros convivas queriam ouvir. Para defender a UTC, segundo documentos apreendidos pela polícia, o escritório de Renault receberá 2 milhões de reais. Além disso, se conseguir anular as provas e as delações premiadas que complicam a vida de seu cliente, amealharia mais 1,5 milhão de reais. Renault esgrime a tese de que a Lava-jato está apinhada de irregularidades, como a coação de investigados. No encontro, Cardozo disse o mesmo ao advogado, ecoando uma análise jurídica repetida como mantra pelos líderes petistas.

Depois da reunião no ministério, representantes de UTC e Camargo Corrêa recuaram nas conversas com o Ministério Público para um acordo de delação premiada. A OAS manteve-se distante da mesa de negociação. “Na quarta-feira (um dia depois do encontro em Brasília), fomos orientados a suspender as conversas com os procuradores”, confidencia um dos advogados do caso. Cardozo não operou esse milagre sozinho. “Chegou o recado de que o Lula entrará para valer no caso e assumirá a linha de frente. Isso aumentou a esperança de que o governo não deixe as empresas na mão”, diz outro advogado de uma empreiteira.

Procurados por VEJA, Cardozo, Renault e Sigmaringa tropeçaram nas próprias contradições ao tentar esclarecer a reunião no Ministério da Justiça, classificada por eles como um mero bate-papo entre amigos sobre assuntos banais. Cardozo disse inicialmente que não se reuniu com Renault. Depois, admitiu o encontro. A primeira reação de Sigmaringa também foi negar a audiência com Renault no gabinete do ministro, para, em seguida, recuar. Os amigos compartilham, como se vê, do mesmo problema de memória. Na versão de Cardozo, a reunião teria sido obra do acaso. Sigmaringa, um “amigo de longa data”, teria ido visitá-lo. Renault, que estava em Brasília e tinha um almoço marcado com o ex-deputado, decidiu se encontrar com Sigmaringa também no ministério. Pimba! Por uma conjunção cósmica, o advogado da UTC, empresa investigada pela Polícia Federal, acabou no gabinete de José Eduardo Cardozo.

Leia mais em As conversas impróprias do ministro da justiça.


17 comentários

  1. FUI !!!
    sábado, 14 de fevereiro de 2015 – 4:21 hs

    Que Deus o tenha mas o advogado MTB teve a sua trajetória manchada
    pela atuação junto com o PT tentando provar que focinho de porco não é
    tomada, isto é nadar contra a maré. Existem profissionais competentes que
    advogam em prol de assassinos ou ladrões e acham que a sua missão está
    cumprida, porem do ponto de vista moral é uma vergonha !!!

  2. mauro
    sábado, 14 de fevereiro de 2015 – 9:57 hs

    Cambada de Canalhas a serviço do Mal. Esse é o tipo de Ministro da Justiça do Governo Dilma! Serve a seus pares.
    Esse ex-presidente, ainda sonha em voltar ao Poder. Que “DEUS” nos salve!

  3. ferreira
    sábado, 14 de fevereiro de 2015 – 10:37 hs

    EM TODOS OS NÍVEIS, O BRASIL É COMANDADO POR CANALHAS NO PODER .

  4. anti pt
    sábado, 14 de fevereiro de 2015 – 10:44 hs

    tudo tem acerto

  5. Fabio
    sábado, 14 de fevereiro de 2015 – 11:18 hs

    Malditos!

  6. sábado, 14 de fevereiro de 2015 – 12:22 hs

    Quando um Ministro da Justiça se reúne com advogados das empreiteiras é sinal de que é mais grave do que pensávamos o rolo da LAVA JATO. É UMA VERGONHA e UMA AFRONTA PARA O JUDICIÁRIO. Como pode um “homem” desse tipo querer ser MINISTRO DO SUPREMO? Esse cidadão devia ser defenestrado do Ministério (mesmo tendo a anuência da Dilma). E, até falar que o dedo duro da revolução de codinome BARBA, também conhecido por LULA ( o único homem no mundo que não sabe de nada, mesmo sabendo de tudo, isto é, de todos os malfeitos e ladroagens que seus correligionários fizeram: Mensalão, Petrolão e outros ãos que virão or aí. As empreiteiras já tem o exemplo de MARCOS VALÉRIO que foi condenado há QUARENTA (40) ANOS de PRISÃO, por não ter feito delação premiada.. Essa vai ser a pena para quem não colaborar com a JUSTIÇA. Não se deixem enganar, mais uma vez, com esses crápulas da política. Esse cara não mediu a IRRESPONSABILIDADE de tão tamanho gesto. É de uma incoerência gritante já em se reunir com advogados da empreiteira e ainda dar esperanças de que, se não fizerem a delação premiada, o proesso iria ser brando, só faltou dizer que acabaria em MARMELADA ou PIZZA, por suposto envolvimento de políticos da oposição. Essas atitudes tendenciosas faz com que este País não seja sério. Com a palavra a PF, MPF e magistrado Dr.Sérgio Mouro.

  7. Do Interior.....
    sábado, 14 de fevereiro de 2015 – 12:22 hs

    Mais irregularidades que o PT cometeu na Petrobrás, impossível.

    Contudo, Dilma está para nomear mais um petista para a vaga de Joaquim Barbosa, no STF. Está aí o otimismo do Ministro do PT, José Eduardo Cardoso.

    Só Deus para nos livrar destes ladrões.

  8. Do Interior.....
    sábado, 14 de fevereiro de 2015 – 12:27 hs

    É o tapetão do PT!

  9. Zangados
    sábado, 14 de fevereiro de 2015 – 12:54 hs

    Onde o petismo se abanca a conspurcação aparece.

  10. valdecir trindade
    sábado, 14 de fevereiro de 2015 – 12:56 hs

    Não duvido da capacidade dessa turma. Vale lembrar do ultimo discurso do então ministro do STF Joaquim Barbosa (https://www.youtube.com/watch?v=D91yQnDI4Fw) de que a malandragem estava apenas começando e que seria arrasadora num futuro próximo. Vejam discurso recente do Ricardo Levandowski, presidente do STF, via do qual censurava a “cultura do encarceramento” no Brasil. Vejam as decisões do Teori Zavaski, especialmente a que liberou o Renato Duque/PT da prisão e que em outra época liberou até traficantes internacionais, tal seu afã de atender às solicitações do “poder”. E por aí vai. Agora falta nomear o novo ministro do STF, que pode ser o mesmo Cardozo que está articulando (com o Lula por trás) o naufrágio da Lava Jato. No mais temos no SFT Rosa Weber, Dias Tófoli, Carmem Lucia, Barroso etc. Atualmente não confio mais em nenhum deles, lamentavelmente! Tá tudo dominado! Então meus amigos, as instituições estão sendo arrebentadas; nossos valores jogados no lixo; nossas esperanças destruídas; o patrimônio público dilapidado! Creio porém, numa saída. Acredito que surgirá um momento em que esse esgarçamento do tecido social cause um paroxismo tal que não ficará pedra sobre pedra. Lamentavelmente o agente de contenção dessa promiscuidade será diretamente o povo, visto que as instituições não envergarão mais forças para alterar o curso desse navio chamado Brasil, que está indo diretamente para o abismo. É o que penso.

  11. Anônimo
    sábado, 14 de fevereiro de 2015 – 13:14 hs

    Folia: TCU e Planalto jogam juntos para furar a Lava Jato

  12. Moisés Fróes
    sábado, 14 de fevereiro de 2015 – 14:55 hs

    Mais um bandido corruPTista, esse Cardoso.
    Cadeia Nelle.

  13. Moisés Fróes
    sábado, 14 de fevereiro de 2015 – 14:56 hs

    Não tem jeito, esses corruPTistas não aprendem, querem dominar o Brasil à força: NÃO VÃO CONSEGUIR DE JEITO NENHUM!!

  14. sábado, 14 de fevereiro de 2015 – 15:36 hs

    Este Ministro e tudo que os Verdadeiros Brasileirosmquerem vê.lo fora,principalmente neste momento grave,sentimos o final de governo,como Color,e o Ministro de Justica parece uma criança no su parecer

  15. LUIZ
    sábado, 14 de fevereiro de 2015 – 22:10 hs

    MANDA ESSE LIXO PRA INDONÉSIA,LÁ TEM LEI,ORDEM E JUSTIÇA.

  16. Rodrigo
    domingo, 15 de fevereiro de 2015 – 7:48 hs

    começam as defesas da tucanada q vai aparecer na lava jato. e tem a bomba do swissleaks, com mais de 6mil nomes de brasileiros q sonegaram impostos e praticaram evasão de divisas. e somente 11 desses 6mil nome é de gente envolvida na lava jato. outros 5.989 pilantras dvem estar iniciando a diarréia.

  17. ze lima
    domingo, 15 de fevereiro de 2015 – 10:30 hs

    ESSE É TRANQUEIRA

Deixe seu comentário:

Campos obrigatórios estão marcados com *

*

*