Adianta substituir Mauro Ricardo? | Fábio Campana

Adianta substituir
Mauro Ricardo?

mauro-ricardo-fala-sobre-recadastramento-de-imoveis-008

O Sr. Mauro Ricardo Costa, é bom esclarecer logo, não é o emblema acabado da vilania. Há grandeza no seu fanatismo monetarista, na sua fé em cortes, apertos, arrochos. É o Pedro, o Eremita, da contenção inflacionária. O Calvino do ataque ao déficit público. Se reza pela cartilha liberal, é a atualização de Thomas de Kempis debruçado sobre uma manual de boas ações. É, pelo menos, o que Mauro Ricardo passa, como se diz, aos cidadãos perplexos deste Paraná enfiado na crise nacional até o pescoço. E nas suas próprias circunstâncias, de quem deu muito e agora precisa moderar as benesses e os privilégios.

Assim é a imagem que podemos ter de Mauro Ricardo Costa, o novo secretário da Fazenda, personagem moralmente inatacável, segundo consta.Vilões perfeitos são de outra têmpera e catadura, de sorte que deliramos ao vê-los abatidos a tiros na poeira da rua principal pelo revólver do mocinho. Mas para o atual secretário da Fazenda é de se desejar um fim bem mais tranquilo, como convém ao seu aspecto pachorrento, de burocrata bem-sucedido, para alegria da mamãe e dos amigos.

Os olhos nem sempre são, ao contrário do que afirma Milan Kundera, os espelhos d’alma. Talvez a aparência não seja tão reveladora do espírito quanto se acredita. Em entrevista recente, o secretário foi tomado de súbito ataques contra os riscos da recessão, dos excessos na folha de pagamentos, do descontrole das contas públicas. Chegou a pronunciar palavras e expressões nada parlamentares, para contar que conta os tostões e que mal tinha para pagar “mal e porcamente” a folha de fevereiro.

Consta que rodou a baiana em reunião recente na Secretaria da Fazenda e levantou-se furibundo contra o que chama de espírito tacanho dos técnicos fazendários que vêem a árvore e não conseguem ver a floresta, como se fossem seus piores desafetos, em tom audível à beira-mar. A reunião de trabalho dava-se em Curitiba. Alguns dos presentes, que ainda não conheciam o novo secretário da Fazenda ainda não se restabeleceram do espanto e um deles, sabe-se ao certo, consultou fonoaudiólogo para tratar-se de repentina crise de gagueira.

Nos últimos dias, cresceram os rumores de que Mauro Ricardo poderia cair. O sempre disponível e disposto Luiz Carlos Hauly, responsável pela gestão anterior da Fazenda, logo espichou o pescoço a se oferecer para posto, como se nada fosse de sua responsabilidade no caos em que as finanças do Estado do Paraná se encontram. Mauro Ricardo não caiu e as informações mais credenciadas dão conta de que o governador Beto Richa nunca pensou em demiti-lo. Por enquanto.

E de que serviria substituir Mauro Ricardo por alguém que teria de fazer a tarefa exatamente como ele e sem currículo de sucesso em gestão de crise e diante da necessidade atroz de conter despesas. Com disposição suficiente para encarar os movimentos corporativos, organizados e ruidosos, que tentarão barrar qualquer medida de contenção em nome da justiça social e do amparo dos coitadinhos. Ninguém abre mão de nada, nem dos anéis mais baratos. Ao contrário, os professores aproveitam o ensejo para exigir mais. Muito mais.

O governo de Beto Richa, este é o ponto, precisa estabelecer-se a partir de um pensamento novo. Reduzir a taxa de clientelismo, estabelecer barreiras para as pretensões do corporativismo, para que se possam colher, a partir de um dia razoavelmente próximo, os primeiros efeitos de uma contemporaneidade tantas vezes adiada.

Esta transição tem um compromisso com um futuro efetivamente melhor. Quanto a Pedro, o Eremita, clamava pela libertação do Santo Sepulcro, mas, de fato, favorecia os interesses do comércio europeu. A história não explica, até hoje, se sabia o que fazia.


23 comentários

  1. Sergio Silvestre
    segunda-feira, 23 de fevereiro de 2015 – 14:00 hs

    Acho que tem que substituir o governador é mais fácil.

  2. Cidadão Indignado
    segunda-feira, 23 de fevereiro de 2015 – 14:47 hs

    Só acredito quando cortarem na própria carne, pois ninguém aguenta mais : ” Faça o que eu digo, mas não faça o que eu faço “. Cortem os cargos comissionados do legislativo, executivo e judiciário. Cortem os cargos comissionados das empresas estatais ( Copel, Sanepar, Detran, Cohapar, Celepar, etc ). Receita Estadual na busca e efetiva cobrança dos inadimplentes.
    Com poucas mais efetivas medidas, dúvido que em 3 meses o caixa do governo não estaria superavitário. Pois aumentar imposto é muito fácil, visto não precisar cortar os próprios privilégios.

  3. Doutor Prolegômeno
    segunda-feira, 23 de fevereiro de 2015 – 15:56 hs

    Talvez o Mandrake seja o substituto ideal.

  4. Marcos
    segunda-feira, 23 de fevereiro de 2015 – 16:41 hs

    A população paranaense tem conhecimento de quanto uma familia que gaste R$ 1.000,00, quanto paga de impostos ao Estado do Paraná? Os dados abaixo refere-se ao gasto de uma família de 04 pessoas, consumido os mesmos produtos:

    Família Catarinense R$ 14,13
    Família Paulista R$ 13,42
    Família Paranaense R$ 8,66

    Isso são números, realmente não sei como esta a questão dos gastos, mas com relação a receitas efetivamente cobramos aqui no Paraná muito menos do que no resto do Brasil.

  5. Jacinto Pena
    segunda-feira, 23 de fevereiro de 2015 – 16:44 hs

    o secretario toma suas decisões, como se estivesse inventando a roda.

    Depois não dá certo, ou a população se revolta com o governo, que é compostos, na sua essência por pessoas da terra, cria-se um clima de hostilidade e depois esse secretário não se sabe de onde veio e para onde vai estará longe da terra das araucárias.

    o que nos resta?
    reconstituir as relações entre as entidades, recompor a base na assembleia, pedir desculpas pelos excessos de ambos os lados. E o Sr. Ricardo?? ninguem sabe ninguem viu!!

  6. Marcos
    segunda-feira, 23 de fevereiro de 2015 – 16:47 hs

    Em termos percentuais cobravamos 38,71% a menos que os catarinenses, para a mesma Cesta de Produtos. É obvio que em momento de crise isso faz falta. Não refis os cálculos apos a atual alteração da legislação paranaense. Mas analisando o que mudou continuaremos abaixo da média de ambos os Estados.

  7. Santana
    segunda-feira, 23 de fevereiro de 2015 – 17:28 hs

    Adianta sim, pois o cara SÓ quer cortar salários dos trabalhadores e os gastos do Executivo, Legislativo e principalmente do Judiciário NADA!
    Que pouca vergonha esses senhores do TCE querer aux. moradia e os juizes que tinham que dar exemplo de bom comportamento com a coisa publica só querem ganhar ganhar e trabalho que é bom nada.
    Uma ação na justiça demora anos……..
    Esse senhor tem quantos cargos de conselheiro em empresas do paraná?
    Quanto esta ganhando por mês?
    ADIANTA MANDAR EMBORA SIM!!!!!!!!

  8. Zangado
    segunda-feira, 23 de fevereiro de 2015 – 17:35 hs

    Aqui, Beto, o Inapetente, arrocha contra servidores públicos e contribuintes, mas, de fato, quer favorecer interesses personalíssimos para as próximas eleições complicadas pela sua herança maldita.

  9. Zé Venancio
    segunda-feira, 23 de fevereiro de 2015 – 18:01 hs

    Seu Campana, por gentileza, não tente empolar a verve para justificar plantar um pé de milho no meio da lavoura de feijão…
    O fato é claro: o sr. Mauro Ricardo não tem credibilidade, nem no governo que representa. Isto é assunto corrente nos corredores da Casa Civil, sim, ali mesmo, no anexo à direita da entrada principal do Iguaçu. Começa ali onde tiramos foto para entrar e termina lá na mesa do nosso atual chefe…
    Quanto aos professores coitadinhos, bem esses são coitados mesmo… Ou criam-se cargos em comissão para todos os 200.000 funcionários, ou o governinho tira o nosso secretário de educação de pelo menos todos os conselhos de que participa, ganhando mais 23.000 em cada um.
    Segundo ouvi ontem na SEAP, causa inveja na secretária e em outros pseudodirigentes estaduais.
    Assim não dá prá aturar o beicinho soteropolitano da foto, seu Campana.
    Enfim, justifique outra “ratada” do nosso Beto, por favor. Um querido, mas um dirigente inseguro.

  10. Petrukio
    segunda-feira, 23 de fevereiro de 2015 – 18:36 hs

    Só acredito que Betinho está querendo fazer algo pelo Estado quando ele cortar entre 20 a 40% dos comissionados que cada deputado da base tem em sua cota pessoal no governo. Daí a gente começa a conversar!

  11. VERDADE
    segunda-feira, 23 de fevereiro de 2015 – 18:53 hs

    Estou com o Sergio Silvestre! Resumiu bem a situação…

  12. Auditor
    segunda-feira, 23 de fevereiro de 2015 – 21:19 hs

    Justiça seja feita, durante o período em que Hauly foi Secretário da Fazenda, o Paraná teve o melhor desempenho do Brasil em arrecadação (sem aumentar impostos), as microempresas tiveram no Paraná o melhor ambiente de negócio do Brasil e o Hauly e a equipe da Sefa fizeram todo estudo técnico que viabilizou o Paraná Competitivo, maior programa de industrialização do Brasil. Hauly não era ordenador de despesas, portanto, não tem nenhuma responsabilidade pelo desajuste financeiro do Estado. Reconhecer o excelente trabalho de Hauly e sua equipe, é simplesmente restabelecer a verdade. .

  13. observador
    segunda-feira, 23 de fevereiro de 2015 – 21:49 hs

    Aumentando impostos e sacrificando o funcionário público mais humilde -porque não mexer nos previlegios do Judiciário e Ministério Público – até eu posso ser Secretário da Fazenda.

  14. Luiz Eduardo
    segunda-feira, 23 de fevereiro de 2015 – 22:11 hs

    Ora Fabio! Você é macaco velho para acreditar em estórias da carochinha sobre este sujeitinho Mauro. Fabio, você não é tongo, pode no máximo se fazer de tongo! Veja quantas fontes de remuneração tem este indivíduo: secretário e que eu saiba, 3 conselhos, inclusive de um conselhinho medíocre que é o CETRAN – Conselho Estadual de Trânsito, um conselho de bosta. Sem caráter é este carcará sanguinolento aceitar ser conselheiro do CETRAN se nada sabe sobre trânsito. Sem vergonha. Que venha tudo para nós, ao vosso reino cortes e ajustes sanguinários, este é seu conceito. Somadas todas as fontes de renda, deve estar na casa dos 50 a 60 mil mensais. Desse jeito eu na sec na fazenda 24 h por dia. Fabio, por favor, menos, tenha bom senso e seja imparcial, Pouco a pouco vai aparecendo as mamatas deste extraordinário secretário. É o crápula o beto richa beneficiando seu grupelho de amiguinhinhos. Eu também gosto de dinheiro no bolso, mas longe de mim o exagero, pois sou uma pessoa que acredito e respeito as orientações divinas. É mais fácil um camelo passar pelo buraco de uma agulha, o que um rico espertalhão entrar no reino dos céus. Este secretário só tem cara de bobo, o andar não sei, pois ainda não o vi. Calhorda,safado,porco,hipócrita. Vá investigar Sr Fabio Campana, para não queimar a lingua. Dec194 de 15 jan 2015.

  15. LUIZ ANTONIO CORPORATO
    segunda-feira, 23 de fevereiro de 2015 – 22:48 hs

    Esse Mauro Ricardo onde chega adota política de aumento dos om tributos e arrocho salarial ao funcionalismo que com ele trabalha! Esse cara faz marketing pessoal de bom e na verdade não passa de um incompetente e truculento. Esteve em São Paulo e depois de muito aprontar por lá, foi para Salvador encher o judiciário de processos e aprovar leis inconstitucionais. Botem ele para correr paranaenses!

  16. luiz
    segunda-feira, 23 de fevereiro de 2015 – 22:58 hs

    Sou motoqueiro e viajo bastante.
    Neste carnaval fui pro sul e fiquei impressionado com tantas obras rodoviarias em SC e no RS.
    Obras de alargamento em rodovias em meio a pura rocha, só na dinamite, kilometros de revestimento novo!
    Aqui no Paraná nada!

  17. PORTUÁRIO
    terça-feira, 24 de fevereiro de 2015 – 12:13 hs

    ESSE GOVERNO QUE AÍ ESTÁ, TEM QUE RENUNCIAR, VIU IRMÃO DO PEPE LEGAL!

  18. Stanislau Sarmenkowisk
    terça-feira, 24 de fevereiro de 2015 – 12:41 hs

    Estagnação!
    Seu Auditor ou seja quem for que esteja por trás deste pseudônimo, provavelmente alguém da equipe do Hauly.
    O problema do governo não são as arrecadações, estas cresceram muito no nos últimos anos.
    O problema consiste em gerenciar os gastos, principalmente com folha de pagamentos e pensões que devoram toda as receitas do Estado. A realidade é que os salários dos servidores estão muito acima do mercado. O governo não consegue fazer caixa para investimento em infra-estrutura, rodovia, ferrovias, construção de hospitais, universidades…..Sem investimento não existe crescimento econômico.,

  19. Waldir
    terça-feira, 24 de fevereiro de 2015 – 13:19 hs

    Outros Secretários e Diretores Autarquias mamam mais 7 mil como Conselheiros, são os Marajás do Beto.

  20. WILSON RIBEIRO
    terça-feira, 24 de fevereiro de 2015 – 15:24 hs

    Sarnentowisky, há um limite para a folha de pagamento, o qual não foi extrapolado. Portanto, se excessos houveram, ocorreu em outras áreas.

  21. Jorge Batista
    terça-feira, 24 de fevereiro de 2015 – 22:05 hs

    Seu Campana, menos por favor. Thomas de Kempis, Calvino, Milan Kundera…Revestimento literário para enfeitar a vilania e a imoralidade na política? O sr. Mauro não está a altura desses grandes. É apenas um funcionário contratado para fazer um ajuste fiscal, começando pelos cortes das prioridades e ignorando os cortes dos privilégios. Sou professor, estou longe de ser coitadinho, exerço me direito constitucional de me sindicalizar, meu salário não está acima do mercado, e vc está reclamando que o “BOM” Maurinho está tendo dificuldades em implantar um paraíso futuro em cima do couro dos trabalhadores e da população e quer o que? Que confiemos num governador que já mostrou não ser de confiança? Maurino, se ficar, vai ter trabalho duro.

  22. Leandro
    quarta-feira, 25 de fevereiro de 2015 – 0:43 hs

    Wilson ribeiro, houve excesso sim. O governo do Paraná está no limite prudencial de gastos com pessoal desde antes da eleição. A gestão beto richa, por ser desprovida de propostas, programas e benefícios à população, tem que se armar sobre apoio político e propaganda. Uma pena.

  23. jose
    quarta-feira, 25 de fevereiro de 2015 – 14:57 hs

    Substituir???? demorou.

Deixe seu comentário:

Campos obrigatórios estão marcados com *

*

*