Militar conta à Comissão da Verdade como ajudou a emboscar militantes em Foz do Iguaçu | Fábio Campana

Militar conta à Comissão da Verdade como ajudou a emboscar militantes em Foz do Iguaçu

unnamed

Estelita Hass Carazzai, Folha de S. Paulo

“Na hora que acender a luz, você se joga [no chão].” Foi essa a principal instrução dada ao agente Otávio Rainolfo da Silva, membro do CIE (Centro de Informações do Exército), antes de adentrar na mata para uma operação sigilosa.

Era julho de 1974. Motorista do batalhão de Foz do Iguaçu (PR), Silva agia, ao lado do sargento Alberi Vieira dos Santos, como infiltrado entre cinco guerrilheiros da VPR (Vanguarda Popular Revolucionária), grupo clandestino que combatia a ditadura.

Antes disso, os cinco guerrilheiros estavam exilados na Argentina. Haviam desistido da luta armada, mas foram convencidos a voltar por Alberi. Disfarçado de esquerdista, o sargento dissera a eles que um novo foco de guerrilha seria formado no oeste do Paraná. Os seis viajaram então da Argentina ao Parque Nacional do Iguaçu.

A luz era a senha para que os infiltrados se protegessem, instante em que os outros militares começariam a matar os guerrilheiros. A emboscada ficou conhecida como Massacre de Medianeira. Ou Chacina do Parque Nacional do Iguaçu. Ou Massacre da Estrada do Colono.

Silva, Albieri e os cinco esquerdistas andavam lado a lado pela mata, de madrugada, rumo à cidade de Medianeira. A promessa era iniciar o foco da resistência com um assalto a um banco.

“De repente, as luzes acenderam e deu um tiroteio. Praticamente acabou com todo mundo. Se eu não me deito, tinha morrido também.”

A descrição, quase 40 anos depois, foi feita por Silva à Comissão da Verdade do Paraná, em junho de 2013, numa sessão reservada e em conjunto com a Comissão Nacional da Verdade. Parte de seu depoimento está no relatório do grupo paranaense, entregue em dezembro. A íntegra foi obtida pela Folha.

‘CACHORRO’

Os cinco guerrilheiros –José Lavecchia, Joel de Carvalho, Daniel Carvalho, Victor Carlos Ramos e o argentino Ernesto Ruggia– foram mortos na emboscada. Outro líder da VPR que se juntaria ao grupo, Onofre Pinto foi assassinado pelos militares dias depois. Os corpos dos seis nunca foram achados.

“O Alberi falou para eles [os cinco guerrilheiros] que tinha muitas armas guardadas. Convenceu na crocodilagem”, contou Silva.

Alberi, morto em 1979, era o principal ator da operação, chamada Juriti. Ex-militante de esquerda, atuava como “cachorro” (o sujeito que, preso, mudou de lado e passou a se infiltrar na oposição para colaborar com os militares). Um de seus comandantes na ação era o coronel Paulo Malhães, que, em 2014, assumiu torturas à Comissão Nacional da Verdade.

Só Lavecchia, o mais velho do grupo, 55, desconfiou. Ex-preso político, ele fora banido do país em troca da libertação do embaixador da Alemanha, em 1970. Na entrada da mata, pediu uma arma e ficou com a do próprio Silva.

Quando as luzes se acenderam, os cinco foram fuzilados em segundos, disse Silva. “Até eu que sabia me assustei”, lembra ele.

Lavecchia chegou a atirar contra Silva, mas errou. O argentino Ruggia, 18, não morreu imediatamente. “Vi que ele se debatia, dei um tiro ali e acabou”, contou. Pouco depois, mudou a versão: “Houve [um tiro de misericórdia], mas quem deu eu não sei”.

Após o massacre, os militares serviram sanduíches aos infiltrados: “Falaram: quer Coca ou quer uísque? Eu quero uísque, até nem comi. Tomei para aguentar o sono e não acabar a coragem”.

Onofre ficara num sítio porque era “muito conhecido”. Junto com o ex-ministro José Dirceu e outros, ele havia sido banido do país após o sequestro e a libertação do embaixador dos Estados Unidos Charles Elbrick, em 1969.

Silva e Alberi foram atrás dele. “O Alberi falou: ‘Vamos, Negão, para o acampamento’. Quando paramos, ele [Onofre] viu que era emboscada e quis correr.”

Onofre foi levado a um centro do Exército, onde tentaram convencê-lo a atuar como “cachorro”. Dias depois, recebeu uma injeção de shelltox, um inseticida. “Ao passar pelo banheiro, vi ele deitado meio elétrico.”

Segundo Silva, Onofre teve os dedos, a arcada dentária e tripas removidos. Depois foi jogado num rio. Os demais foram enterrados no parque, supõe o motorista.

O Ministério Público Federal chegou a abrir um inquérito em 2009 para apurar o desaparecimento dos militantes, mas o arquivou por falta de provas.

À comissão Silva disse que as memórias do massacre eram “uma tortura na sua cabeça”. Disse ainda que saiu do Exército porque “chegava um ponto em que não dormia sem calmante” e que se preocupava com a segurança de sua família.

Aos 67 anos, o ex-agente infiltrado da ditadura trabalha hoje como policial civil num município pequeno no oeste do Paraná.

Procurado pela reportagem, ele não quis dar entrevista sobre seu passado.

“Não quero falar mais nada”, disse, por telefone. “Lá em Foz [do Iguaçu], um cara falou que eu era assassino em um bar. Arrebentei ele”, finalizou.


6 comentários

  1. Alessandro
    segunda-feira, 19 de janeiro de 2015 – 17:59 hs

    VPR. Seu maior líder foi Lamarca, ex-capitão desertor do exército. Na deserção roubou 63 fuzis, 5 metralhadoras, revólveres e munição.
    A VPR foi responsável por roubo de ainda mais fuzis, em 1968 de um hospital militar, ano em que explodiu um posto de sentinela do QG do exército de SP, MATANDO o soldado Mario Kozel Filho.
    A VPR matou também o capitão do exército dos EUA Charles Chandler.
    A VPR sequestrou o cônsul geral do Japão, em 1970.
    No mesmo ano sequestraram os embaixadores da Alemanha e da suíça.
    O próprio Lamarca matou o agente Hélio Carvalho de Araújo, em 1970.
    A VPR matou o friamente, a coronhadas, o tenente da PM de SP Alberto Mendes Júnior, o qual se ofereceu como refém em troca de soldados de seu pelotão. Tal foi a comoção por este ato bárbaro que hoje Mendes Júnior é patrono da PM de SP.
    Esse é um resumo da “honrada” história da VPR.
    E vejam que eles não lutavam pela democracia, sim pela tomada do poder pelo regime comunista!

    Todo cuidado era pouco com os criminosos da VPR.

  2. Democracia
    segunda-feira, 19 de janeiro de 2015 – 18:18 hs

    Covardes, ainda contam, os caras já estavam na Argentina, não queriam mais lutar contra a maldita ditadura.
    Que vão esses dois militares canalhas queimar no inferno com o Newton Cruz e cia.

  3. LUIZ
    terça-feira, 20 de janeiro de 2015 – 7:55 hs

    FIZERAM A COISA ERRADA,SE TIVESSEM FEITO TUDO CERTINHO,ESSA QUADRILHA DE VAGABUNDOS HOJE NÃO ESTARIA NO PODER E NÃO ESTARIA ROUBANDO O BRASIL DE NORTE A SUL.

  4. terça-feira, 20 de janeiro de 2015 – 16:17 hs

    Se tivessem eliminado esses e outros terroristas, talvez hoje eles não estivessem no poder, nos roubando, enganando e aviltando a democracia como fazem.

  5. jose marcos
    terça-feira, 20 de janeiro de 2015 – 19:36 hs

    Os militares disseram na época que foi ligitma defesa…atirar em que está fugindo kkkk. Os militares eram uma piada, aliás, até hoje eles sao uma piada.

  6. QUESTIONADOR
    quarta-feira, 21 de janeiro de 2015 – 12:56 hs

    -Eu acho que o Regime Militar brasileiro fez uma grande c…da!!!
    -Deveria ter matado sumariamente todo guerrilheiro, sem IPM, sem Justiça, assim não teríamos Dilma, Genoíno(traíra na Guerrilha do Araguaia, delatou todos os comparsas), Dirceu e outros amebas vermelhos….teríamos um País bem melhor agora!!!
    -De que adianta termos um Regime Militar e depois entregá-lo de mão beijado para esta quadrilha???

Deixe seu comentário:

Campos obrigatórios estão marcados com *

*

*