GRPCom encerra ÓTV | Fábio Campana

GRPCom encerra ÓTV

otv - rpc

Logo após a demissão de diversos profissionais nos últimos dois meses, o grupo de mídia GRPCom decidiu encerrar as transmissões da ÓTV, emissora de televisão a cabo do grupo com foco em Curitiba.

Nos últimos meses a ÓTV havia recebido novos investimentos e vinha aumentando seu quadro de pessoal. Repentinamente, por decisão de acionistas, segundo relatado pelas chefias, decidiu-se acabar com a emissora. 88 funcionários foram demitidos e são esperadas mais demissões nos próximos dias.


7 comentários

  1. Anti-petista
    quarta-feira, 10 de dezembro de 2014 – 14:36 hs

    Uma emissora de TV precisa de anúncios para se manter, a OTV quase não se via anunciantes.
    Uma pena até gostava do canal.

  2. Renato Britto Barros
    quarta-feira, 10 de dezembro de 2014 – 17:06 hs

    Acabou de secar a TETA da Vaca, isto é, os anuncios do governo federal vão ficar mais escassos .

  3. Zeca
    quarta-feira, 10 de dezembro de 2014 – 19:33 hs

    Que seja a próxima a famigerada RPCTV. Aquilo é um berço de estrelas. Um querendo comer o outro. Povo chato e metido.

  4. Beatrix Kiddo
    quarta-feira, 10 de dezembro de 2014 – 19:42 hs

    Ká ká ká para gente acostumada que passou a vida toda só fazendo propaganda dos donos do Poder, viver sem a grana oficial fica difícil. Os donos deste canalzinho só se antecipou, o tempo da vacas magras ainda não acabou. E duvido que o Beto vá mudar a relação que o Estado mantém com esta gente.

  5. Leovir Batista
    quarta-feira, 10 de dezembro de 2014 – 22:42 hs

    é o que todos sabiam – a Gazeta está falindo tendo que vender a edição de domingo aos sábados após 13hs, e a RPC tá bancando o furo.

  6. Paula
    sexta-feira, 12 de dezembro de 2014 – 1:21 hs

    É uma pena o fechamento do canal por mostrar mais uma vez a realidade atual de quem trabalha com comunicação. Por outro lado, é um alerta para os profissionais, sobretudo os recém formados, que entraram na emissora. A maioria sempre foi arrogante, desdenhosa com outros veículos, esnobe, estrela. Poucos tinham uma postura profissional e pessoal de respeito, conheci dois ou três apenas que tinham a consciência da profissão e do mercado. Foi como um tapa na cara para as pessoas que se julgavam absolutamente melhores do que as de outros veículos de imprensa, e olha que era difícil encontrar profissionais que realmente sabiam e conheciam televisão. Quantas vezes perambulavam pelas coletivas de imprensa sem a mínima cordialidade e respeito. E o pior: se sentiam, e acreditavam até, serem da rede Globo. Uma tristeza maior era conviver com gente assim.

  7. marcelo ms
    sábado, 27 de dezembro de 2014 – 11:41 hs

    A única “programação” que valia, era ver o Afonso Pena, que Pena….

Deixe seu comentário:

Campos obrigatórios estão marcados com *

*

*