Furacão digital no Caribe | Fábio Campana

Furacão digital no Caribe

internetencuba_01
A propaganda do governo, a imprensa oficial e slogans tipo ‘Pátria o muerte’ vão ser desmoralizados em Cuba pela internet

Ditaduras acabam pelas armas, por grandes mobilizações populares, pela fuga dos ditadores depois de saquear o país, acabam até com cravos vermelhos e sem um tiro como em Portugal, ou caem de podre, como a nossa. Mas ultimamente têm acabado mal, como no Egito, na Libia e no Iraque, e não raro são substituídas por novas ditaduras, ainda piores.

Uma das mais duradouras do planeta, mesmo sendo “do proletariado”, é a ditadura cubana, que com o reatamento de relações com os Estados Unidos caminha inexoravelmente para o fim do seu ciclo histórico. A novidade é que o regime cubano talvez seja o primeiro a ser derrubado pela massificação das comunicações e da internet — a mais inteligente e eficiente exigência que Obama negociou para o reatamento com Cuba.

Em pouco tempo a ilha estará na grande rede, todos terão acesso a tudo que se passa no mundo, no país, no bairro, na tecnologia, nos direitos humanos, na política. Todos verão que a história não é bem como a Revolução lhes contou, saberão que foram enganados, conhecerão os grandes erros que atrasaram e empobreceram o país. Depois de 50 anos a seco, uma tsunami de informações, opiniões e debates vai sacudir a ilha.

Para um povo que ainda vive na idade do chip lascado e do wi-fi a lenha, essas facilidades de comunicação se potencializam com seu alto nível de educação, a melhor das Américas, que lhes permitirá desfrutar plenamente do mundo novo que conhecerão. Denúncias serão feitas com fotos e gravações de celulares, segredos e tramóias serão revelados, com a porteira digital aberta não haverá polícia nem cadeia que segure tantos dissidentes.

A propaganda do governo, a imprensa oficial e slogans tipo “Pátria o muerte” vão ser desmoralizados pela internet. Com cartões de crédito e comércio on-line, Cuba vai receber um banho não só de dólares mas de uma nova realidade, de novos sonhos e pesadelos.

Mas quando se juntarem os capitais, tecnologias e empreendedorismo de dois milhões de cubanos de Miami com a educação e qualificação dos dez milhões da ilha, não só acabará a ditadura, mas logo Cuba será um dos melhores países da América.

Nelson Motta é jornalista


2 comentários

  1. BigPaul
    sábado, 27 de dezembro de 2014 – 3:33 hs

    Interessante que Nelson Motta, não obstante seu currículo como músico e sua obra irretocável, mantém esse ranço contra a Revolução Militar Brasileira, de 1964, querendo, ou tentando compará-la a coisas como o crime contra a humanidade ocorrido em Cuba.
    Nelson Motta só produziu, e só ganhou dinheiro, como jornalista e músico, no período em que perdurou o Governo Militar. Nunca foi incomodado; nunca foi tocado. E como todo comunistinha de mesa de boteco; ou comunistinha do Leme ao Arpoador; prefere ofender, denegrir e desvirtuar um movimento clamado e aclamado pelo povo; pela imprensa, pela igreja, e até pelos políticos da época, pois o comunismo batia às nossas portas, graças às investidas de bandidos assassinos treinados e armados por Fidel, e Moscou, como Guevara; Lamarca; Prestes; e a turminha que hoje manda e desmanda nesse país, que toos sabem quem é.
    Podre, s. Nelson Motta, são as coisas que o sr. defende.

  2. Beatrix Kiddo
    sábado, 27 de dezembro de 2014 – 9:13 hs

    A praga da “escola eficiente” vai fazer a diferença. A grana dos cubano-americanos somadas à qualificação dos seus irmãos cubanos vai por a Ilha, hoje atrasada, no Primeiro Mundo em menos de uma década. E nós vamos continuar nesta senda de um país em desenvolvimento.

Deixe seu comentário:

Campos obrigatórios estão marcados com *

*

*