EUA e Cuba retomarão relações | Fábio Campana

EUA e Cuba retomarão relações

Foto: Reuters
2D9896845-pb-131210-obama-castro-nj-03

de Flávia Barbosa, O Globo:

Após 53 anos de rompimento, Estados Unidos e Cuba vão normalizar integralmente as relações diplomáticas, com abertura de embaixadas em Havana e Washington e recomposição de canais de cooperação e negociação, informaram os governos das duas nações. Para concretizarem o passo histórico, os presidentes Barack Obama e Raúl Castro autorizaram no primeiro semestre de 2013 conversas secretas de alto nível — que começaram em junho daquele ano, tiveram a bênção do Papa Francisco e foram concluídas ontem, com chamada telefônica de uma hora e meia entre os dois mandatários — e alinhavaram a liberação de prisioneiros cubanos e americanos, o que ocorreu esta manhã. Os EUA decidiram ainda rever a inclusão de Cuba na lista de Estados que apoiam o terrorismo; relaxar ainda mais viagens e remessas de americanos à Ilha; e liberar várias transações financeiras e tipos de exportações.

Obama e Raúl anunciaram as medidas simultaneamente, em Washington e Havana. Segundo o governo americano, Cuba também fez concessões. Vai liberar 53 prisioneiros que Washington considera políticos (alguns dos quais já começaram a ser soltos), vai facilitar o acesso à internet à população e abrirá espaço para visitas adicionais de avaliação da ONU e da Cruz Vermelha.

— Começamos um novo capítulo nas histórias dessas duas nações das Américas — disse Obama. — Ninguém está bem servido por políticas desenhadas quando a maioria de nós nem éra nascida. Através dessas mudanças, tentamos criar mais oportunidades para os povos americano e cubano e iniciar um novo capítulo.

O embargo econômico continua válido, pois depende de decisão do Congresso americano. Mas foi enfraquecido com as medidas. O objetivo dos americanos, segundo autoridades do primeiro escalão, é aumentar o cacife da sociedade civil cubana e potencializar as reformas que vêm sendo adotadas por Raúl Castro desde que substituiu o irmão Fidel no comando de Cuba, em fevereiro de 2008. E evitar novos atritos.

— Não devemos permitir que sanções americanas aumentem o fardo do povo cubano que queremos ajudar — afirmou Obama.

Os EUA acreditam que as medidas representam um empurrão ao desenvolvimento de empreendedores e críticos cubanos e que Washington tem mais poder de fogo para melhores condições de direitos humanos na Ilha se se engajar com o regime. Isso forçaria correção de rumos em Havana, avaliam autoridades do primeiro escalão, não apenas pela pressão direta de cidadãos e americanos, mas pelo apoio de nações latinoamericanas, que se opõem à política de exclusão que os EUA adotaram a partir de 1961.

— Estas são as mudanças mais significativas na política com Cuba em mais de 50 anos. Estamos começando a normalização das relações entre os EUA e Cuba — afirmou um assessor direto de Obama. — Partimos do princípio de que o embargo não funcionou. Nós apoiamos a sua derrubada, mas reconhecemos que o Congresso não vai fazê-lo no futuro próximo. Então, estamos agindo dentro dos limites legais da autoridade presidencial.

DIREITOS HUMANOS CONTINUARÃO EM PAUTA

Antecipando críticas, as autoridades afirmaram que as diferenças entre os dois países em relação ao respeito aos direitos humanos continuarão e que Obama permanecerá pressionando por mudanças democráticas na ilha:

— Estamos tomando estas medidas porque acreditamos que a política do passado não funcionou e que o futuro de Cuba é (melhor) nesta direção. Mas nossa ênfase em direitos humanos continuará tão forte quanto antes, só que agora com o engajamento direto. Nosso representante em Havana inclusive vai se reunir hoje à tarde com membros da sociedade civil americana para informarmos que as demandas não serão esquecidas nessas ações, serão reforçadas e ganham um novo vento soprando a favor. Acreditamos inclusive que esta mudança na nossa política vai elevar imensamente nossas políticas e posição na América Latina e esperamos forte apoio às medidas e à pressão por direitos humanos (dos países latinos).

Outra autoridade complementou:

— Os presidentes Obama e Castro conversaram ontem ao telefone por uma hora e meia sobre os aspectos finais da liberação dos presos americanos e cubanos, trataram de temas de cooperação, como combate ao ebola e contraterrorismo. Obama afirmou que começam a mudar as relações, mas que ele continuará na advocacia de direitos humanos.

A normalização das relações começa imediatamente, e a abertura das embaixadas levará apenas o tempo dos trâmites burocráticos. Obama também ordenou a revisão da permanência de Cuba na lista de Estados que apoiam o terrorismo, à qual foi anexada em 1982, o que implica em sanções financeiras e comerciais adicionais ao embargo.

DIMINUIÇÃO DAS RESTRIÇÕES

Mais americanos poderão viajar a negócios, em missões religiosas e humanitárias e com propósito cultural e educacional à Ilha e novos itens foram incluídos na lista de produtos e serviços autorizados a serem exportados para Cuba. Entre eles, equipamentos de telecomunicações, materiais de construção e máquinas e utensílios utilizados na agricultura de pequeno porte e em pequenos negócios, como barbearias e restaurantes. Remessas de americanos sem origem ou família cubana sobem de US$ 500 para US$ 2.000 trimestrais.

O Tesouro também vai alterar regulações permitindo que instituições financeiras dos EUA possam abrir contas em contrapartes cubanas, assim como será liberado o uso de cartões de crédito e débito americanos em Cuba. As viagens a turismo dos cidadãos americanos sem laços com Cuba, porém, continuam proibidas, pois estão atreladas à lei que estabeleceu o embargo e dependem de decisão do Congresso.

O pacote de normalização foi negociado por um ano e cinco meses, a partir de conversas para liberação de priosioneiros dos dois países. Um canal secreto de negociações foi estabelecido e reuniões ocorreram a partir de junho de 2013 no Canadá. Este ano, o Vaticano também sediou o encontro final, em novembro. O Papa Francisco, segundo o governo dos EUA, foi figura fundamental nas negociações. O tema Cuba dominou a agenda do encontro que ele manteve com Obama no início deste ano e em seguida o Papa enviou carta aos presidentes americano e cubano pedindo solução para as esgarçadas relações.

BASES

A base do acordo foi a liberação do terceirizado americano Alan Gross, preso em dezembro de 2009 sob acusação de ser um espião americano. Cuba concordou em libertá-lo por causas humanitárias e ele chegou a Washington ontem no fim da manhã. Além disso, os EUA concordaram em uma troca de prisioneiros: Havana retornou um agente da inteligência americano preso há 20 anos em solo cubano e Washington libertou três dos chamados “Cinco de Cuba”, presos por espionagem na Flórida.

Os EUA acertaram ainda que não fariam objeção à participação de Cuba na próxima Cúpula das Américas, no início de 2015, no Panamá. Segundo autoridades americanas, Fidel Castro não participou diretamente de nenhuma conversa com os EUA para normalização das relações.

O governo dos EUA acredita que há apoio suficiente na sociedade americana para a mudança no curso da política com Cuba. Pesquisas recentes apontam que 56% dos americanos em geral e 60% do residentes da Flórida e dos latinos favorecem uma abertura a Havana.

— Achamos que há apoio nos dois partidos a estas mudanças e há uma mudança na população cubano-americana, especialmente entre os jovens. E o presidente Obama testemunhou isso em 2008 e 2012 (campanhas presidenciais), em lugares de comunidades cubanas fortes, na Flórida e em Nova Jérsei. Há também apoio em outras fatias da sociedade ligadas ao assunto, como a Igreja Católica, a comunidade empresarial. Há várias fatias da sociedade que vão moldar estas mudanças no Congresso nos anos à frente.

A medida foi antecipada nesta quarta-feira por duas notícias que demonstravam a aproximação entre as duas partes. Pela manhã, o diretor da Agência Americana para o Desenvolvimento Internacional (Usaid), Rajiv Shah, divulgou um comunicado em que afirma que deixará o cargo em fevereiro, após ser alvo de questionamentos no Congresso por conduzir projetos secretos em Cuba que teriam como alvo o regime castrista. Depois, foi anunciada a libertação de Alan Gross, preso em Havana desde 2009 por levar satélites e equipamentos eletrônicos de maneira irregular para grupos judaicos acessarem a internet em Cuba.


16 comentários

  1. Nestor
    quarta-feira, 17 de dezembro de 2014 – 15:51 hs

    A esquerda tá dando chilique…kkkkk

  2. zangado
    quarta-feira, 17 de dezembro de 2014 – 16:04 hs

    Obama prometeu e cumpriu – dia histórico.
    Cabe lembrar o seguinte:
    A primeira nação da América espanhola, incluindo a Espanha e Portugal, que utilizou máquinas e barcos a vapor foi Cuba foi em 1829.
    O primeiro sistema elétrico de iluminação em toda a América Latina (incluindo Espanha) foi instalado em Cuba, em 1889.
    O primeiro bonde que circulou na América Latina foi em Havana em 1900.
    A primeira cidade do mundo a ter telefonia com ligação direta (sem necessidade de telefonista) foi em Havana, em 1906.
    Em 1907, estreou em Havana o primeiro aparelho de Raios-X em toda a América Latina.
    Em 1937, Cuba decretou pela primeira vez na América Latina, a jornada de trabalho de 8 horas, o salário mínimo e a autonomia universitária.
    O primeiro prédio construído em concreto armado em todo o mundo ficava em Havana: O Focsa, em 1952.
    Em 1956, a ONU reconheceu Cuba como o segundo país na América Latina com as menores taxas de analfabetismo (apenas 23,6%). As taxas do Haiti eram de 90%; e Espanha, El Salvador, Bolívia, Venezuela, Brasil, Peru, Guatemala e República Dominicana 50%.
    Em 1958, Cuba é o segundo país do mundo a emitir uma transmissão de televisão em cores.
    Em 1958, Cuba é o país da América Latina com maior número de automóveis (160.000, um para cada 38 habitantes). Era quem mais possuía eletrodomésticos. O país com o maior número de quilômetros de ferrovias por km2 e o segundo no número total de aparelhos de rádio.
    Em 1958, apesar da sua pequena extensão e possuindo apenas 6,5 milhões de habitantes, Cuba era a 29ª economia do mundo.
    E depois o que aconteceu?
    Veio a Revolução… comunista… e hoje… resta o desespero de uma população faminta, sem liberdade nem mesmo de abandonar o país, sem dignidade, onde a atividade que mais emprega é a prostituição.
    fonte: http://revistaescola.abril.com.br/historia/fundamentos/revolucao-cubana-50-427274.shtml

  3. Juca
    quarta-feira, 17 de dezembro de 2014 – 16:29 hs

    É isso aí Obama, faça as coisas de maneira transparente, não como a petezada e a Dilma Youssef.

  4. PORTUÁRIO
    quarta-feira, 17 de dezembro de 2014 – 17:13 hs

    A TERRORISTA E ASSALTANTE (da casa do Adhemar de Barros, Governador de São Paulo, na época da ditadura, foi levado 2 (dois) milhões de dólares) E O “X9” (o língua presa) segundo o livro do Romeu Tuma Júnior, “jogava” tanto para a REPRESSÃO como para os TERRORISTAS E ASSALTANTES, juntamente com o “MINISTRO TOC-TOC” e o GILBERTINHO, AQUELE QUE DIZ QUE ÉRA SEMINARISTA – hum! – nessas “altura do campeonato devem estar rasgando as CUECAS!

  5. Sergio Silvestre
    quarta-feira, 17 de dezembro de 2014 – 18:04 hs

    Fico feliz que se rompeu as barreiras que não deixavam um povo progredir presos em sua própria Partia pelo embargo americano.
    Agora ninguém segura os cubanos.

  6. Guilherme
    quarta-feira, 17 de dezembro de 2014 – 18:08 hs

    Drouga!!!! O preço dos charutos cubanos vai aumentar!!!!

  7. EREMILDO DO IDIOTA
    quarta-feira, 17 de dezembro de 2014 – 18:21 hs

    ENQUANTO ISSO A NOSSA presid ANTA, sanciona a mais gastronômica lei criada no hemisfério sul.

    LEI Nº 13.050, DE 8 DE DEZEMBRO DE 2014.

    Institui o dia 25 de outubro como Dia Nacional do Macarrão.

    A PRESIDENTA DA REPÚBLICA Faço saber que o Congresso Nacional decreta e eu sanciono a seguinte Lei:

    Art. 1o Fica instituído o Dia Nacional do Macarrão, a ser celebrado em todo território nacional, anualmente, no dia 25 de outubro.

    Art. 2o Esta Lei entra em vigor na data de sua publicação.

    Brasília, 8 de dezembro de 2014; 193o da Independência e 126o da República.

    DILMA ROUSSEFF

    Fonte: http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/_Ato2011-2014/2014/Lei/L13050.htm

    Agora bem que o blog poderia começar uma campanha para termos o BOLSA PIZZA….

  8. quarta-feira, 17 de dezembro de 2014 – 18:49 hs

    Aqui a esquerda fez treinamento para todos e cheios de razão,vamos roubar tudo????

  9. André Azevedo
    quarta-feira, 17 de dezembro de 2014 – 22:20 hs

    Deixou o Maduro chupando um picolé. Quem sabe outras Banânias da América “Latrina” deixem de odiar os americanos e percebam que o perigo não é ser explorados por eles, mas esquecidos…

  10. LUIZ ERNESTO
    quarta-feira, 17 de dezembro de 2014 – 22:57 hs

    QUE HORROR!!!
    BARACK OBAMA PETEZOU .
    A DILMA E O LULA NÃO VÃO SE MANIFESTAR?

  11. Dieter
    quinta-feira, 18 de dezembro de 2014 – 0:07 hs

    O vagabundo bêbado e a cadelANTA devem estar dando pulos de tanta raiva. A fim Cuba esta aderindo ao capitalismo e deixando de lá do a esquerda idiota, a mesma que a vaca insiste em implantar no brasil.

  12. Doutor Prolegômeno
    quinta-feira, 18 de dezembro de 2014 – 10:01 hs

    Obama tenta um jogada de relações públicas como forma de compensar o besteirol internacional do seu governo que conseguiu ser mais trapalhão do que Jimmy Carter, o pateta. Somente o Congresso pode levantar o embargo, coisa que não acontecerá enquanto os irmãos assassinos e ladrões não abrirem o regime e estabelecerem um estado democrático de direito na ilha. Fora disso é tudo conversa mole para boi dormir. Obama tem pouquíssimas opções para agir com o poder presidencial e sem o Congresso. Até a nomeação de um embaixador depende da aprovação do Senado americano e pode demorar anos para acontecer. Obama tenta salvar algumas migalhas no fim de sua inútil e improdutiva gestão.

  13. Johan
    quinta-feira, 18 de dezembro de 2014 – 10:27 hs

    Caro FÁBIO, qualquer manifestação de delírio ou de entusiasmo é mera ação precipitada. Há que ter ciência de que, está-se relacionando com políticos COMUNISTAS e SOCIALISTAS, elementos não CONFIÁVEIS, pois liberdade e transparência são adjetivos que não são utilizados em seus vocabulários e discursos. São elementos que desejam poder pelo poder, poder pelos pobres, para mantê-los pobres. Senão vejamos, em um acordo SECRETO realizado entre o governo da ORGANIZAÇÃO CRIMINOSA PETISTA comandada pela DILMA VAGALUME assessorada pelo DUENDE LULLA, com o GOVERNO CASTRISTA, efetivaram a instalação de um PORTO marítimo, que de acordo com eles beneficiará o BRASIL. Ilusão. Com certeza irá transferir o ponto de faturamento dos produtos exportados por valores irrisórios para favorecimento do SUPERFATURAMENTO, e por outro beneficiará as importações facilitando a evasão de divisas do BRASIL. Defendo a liberdade de opinião, liberdade de imprensa e liberdade de investigação. Apoio a proposta de ” o sul é o meu país” e proponho o IMPEACHMENT JÁ da DILMA, antes da posse, para evitar maiores constrangimentos e vergonhas a sociedade brasileira. Atenciosamente.

  14. Saul
    quinta-feira, 18 de dezembro de 2014 – 10:39 hs

    O Brasil investiu em melhorias em Cuba causando certa indignação em determinados setores da sociedade brasileira. A inauguração do porto de Mariel com a presença de Dilma Rousseff. graças a um financiamento do BNDES, que data ainda do governo Lula. deixou super feliz o Estados Unidos da América, a ponto de encerrar os embargos econômicos ao país. Por serem tão próximos é muito mais vantajoso o livre comércio entre os dois, ficando o Brasil chupando os dedos. Para quem disse que seria muito vantajoso economicamente o investimento, que desculpa dará o governo a mais um episódio frustrante?

  15. Luiz Antonio de Sá Pereira
    quinta-feira, 18 de dezembro de 2014 – 11:52 hs

    E agora os Coxinhas Atucanados vão continuar me mandando para Cuba?

  16. Strapasson
    quinta-feira, 18 de dezembro de 2014 – 15:38 hs

    Luiz!

    Vá para Cuba!

    Pronto! A pedido!

    Passagem só de ida, por favor!

Deixe seu comentário:

Campos obrigatórios estão marcados com *

*

*