Copel vai investir R$5 bilhões em usinas eólicas até 2019 | Fábio Campana

Copel vai investir R$5
bilhões em usinas
eólicas até 2019

energia - eol

Rio Grande do Norte concentra investimentos da companhia. As primeiras centrais entram em operação em janeiro.

de Cintia Junges, Gazeta do Povo:

Condicionada a um crescimento vegetativo no Paraná – em função de um mercado já definido e da limitação de novas fontes de energia no estado – a Companhia Paranaense de Energia (Copel) foi buscar a mais de 3 mil quilômetros de casa a oportunidade para diversificar sua carteira de geração. Em janeiro de 2015, entram em operação dois parques eólicos da companhia, o Santa Maria e o Santa Helena, ambos do Complexo Brisa Potiguar, no Rio Grande do Norte.

Com 1,1 mil megawatts de capacidade instalada, o estado abriga cerca de R$ 3 bilhões em investimentos eólicos da Copel com energia já comercializada em leilão. Somando projetos em carteira, a companhia planeja investir R$ 5 bilhões até 2019. O investimento mais recente foi na compra do Complexo Bento Miguel, que terá seis parques eólicos e 64 aerogeradores. A energia que será produzida lá foi vendida no 20º Leilão de Energia Nova da Agência Nacional de Energia Elétrica (Aneel), no final de novembro, por R$ 136,9 o megawatt-hora para ser entregue a partir de janeiro de 2019.

Até abril do próximo ano, os parques do Complexo Voltalia, no qual a Copel tem 49% de participação, também devem começar a gerar energia, consolidando o cronograma de investimentos iniciado com mais afinco a partir de 2011. Antes disso, ainda na década de 1990, a Copel foi a pioneira na implantação do parque eólico de Palmas, no Sul do Paraná, que tem potência reduzida e participação pequena no pool eólico da companhia.

Expansão

No Nordeste, a companhia começou comprando fatias de participação em empreendimentos eólicos no Rio Grande do Norte. Hoje possui cinco complexos e 32 centrais eólicas instaladas em seis municípios. Um terço dos empreendimentos está na cidade de São Bento do Norte. Somando projetos em construção (663,6 MW) e outros em carteira (360 MW), a companhia deve entrar 2019 com 1 gigawatt de potência instalada, o que deve corresponder a quase 10% da sua capacidade de geração.

O presidente da Copel, Lindolfo Zimmer, garante que o preço pago nos leilões é competitivo e remunera os investimentos. “Estamos buscando uma rentabilidade de dois dígitos”, diz.

Revisão

O plano da Copel era chegar a 2018 com 3 gigawatts de capacidade eólica instalada, mas a projeção teve de ser revista. As dificuldades do setor elétrico – que afetam principalmente a área de distribuição, obrigada a comprar energia cara no mercado à vista para suprir a demanda–, devem restringir a capacidade de investimento da empresa como um todo.  Apesar dos investimentos ousados em eólicas,o presidente da Copel garante que a companhia está cautelosa na hora de prospectar novos negócios.

Com a crise da escassez de água que vem secando os reservatórios, a aposta da Copel na energia dos ventos é um investimento seguro, pondera Zimmer. “Pessoalmente prefiro as eólicas. Os riscos são menores e não há problemas e atrasos com a liberação das licenças ambientais.”

Rentabilidade

Nos últimos leilões, a energia eólica comercializada ficou no teto – entre R$ 136 MWh para entrega em três anos, e R$ 144 MWh para cinco anos. Segundo o presidente da Associação Brasileira de Energia Eólica (Abeeólica) Elbia Melo, o leilão chegou a tal grau de competição que muitos investidores dizem que a taxa de rentabilidade está baixa. “É possível que o preço teto não esteja remunerando os custos de produção, o que sinaliza a necessidade de um ajuste para tornar as eólicas ainda mais competitivas”.

9% de participação

Será a fatia da energia eólica na matriz energética brasileira até 2019, segundo previsão da Associação Brasileira de Energia Eólica (Abeeólica). A expectativa é que a capacidade instalada deste tipo de energia salte dos atuais 6,3 gigawatts para 15,3 GW dentro dos próximos cinco anos. Hoje, segundo a associação, existem 226 usinas instaladas no Brasil – as primeiras centrais entraram em operação há apenas dois anos.

15ECO-eolicas-copel


3 comentários

  1. PORTUÁRIO
    segunda-feira, 15 de dezembro de 2014 – 12:52 hs

    COLOCARAM A RAPOSA PARA TOMAR CONTA DO GALINHEIRO! SEGUNDO O YOUSSEF, SÓMENTE 2 (DOIS) INTEGRANTES DO PARTIDO PROGRESSITA NÃO PARTICIPARAM DA ROUBALHEIRA DO PETROLÃO. PRECISA ESCREVER MAIS ALGUMA COISA SOBRE ESSE ASSUNTO?

  2. zangado
    segunda-feira, 15 de dezembro de 2014 – 15:38 hs

    Como se justifica investimento em outros Estados para um empresa que foi instituída para atender os paranaenses?

    Por acaso o Paraná não tem potencialidade eólica ou solar a ser desenvolvida pela empresa para sairmos aos poucos da matriz do carbono?

  3. GARGAMEL
    terça-feira, 16 de dezembro de 2014 – 11:16 hs

    Engraçado né, a Copel investindo no Rio Grande do Norte.
    Prestem atenção, vem ai um Copelão ou será Copelduto?

Deixe seu comentário:

Campos obrigatórios estão marcados com *

*

*