Sem mandato, Loures demite funcionários do PMDB sem justa causa | Fábio Campana

Sem mandato, Loures demite funcionários do PMDB sem justa causa

rocha loures - pmdb

As ameaças de demissão coletiva de funcionários do Diretório do PMDB do Paraná foram concretizadas nesta semana. Passado o período eleitoral, o atual presidente do partido, Rodrigo Rocha Loures, que não conseguiu se eleger deputado, resolveu dar um presente de Natal aos cinco funcionários. A demissão sem justa causa foi motivada pelas divergências políticas internas.

Em agosto, o grupo do então candidato ao governo, Roberto Requião, invadiu a sede do partido e destitui parte da executiva, comandada pelo deputado federal Osmar Serraglio (presidente) e Orlando Pessuti (secretário), nomeando Rocha Loures e Sérgio Ricci para os respectivos cargos.

Na época Requião disse que iria inaugurar uma nova política de “higienização” do partido. Ao que tudo indica, essa “higienização” não incluía apenas as questões políticas, mas também colocar para fora os trabalhadores do partido.

Já na primeira reunião da nova executiva, Rocha Loures avisou que os funcionários seriam demitidos. Entretanto a medida gerou protestos dos parlamentares do PMDB. A decisão foi amenizada em razão do período eleitoral. Foi um período tenso entre os funcionários que passara a viver o dia a dia sem saber do seu futuro.

A demissão dos funcionários, alguns com dez anos de serviços prestados, chegou nesta semana. A decisão arbitrária e truculenta, cheia de irregularidades, de acordo com o estatuto partidário, fez com que os funcionários apelassem para sensibilidade e espírito de justiça dos parlamentares do PMDB, conforme carta abaixo:

Senhores deputados

Contrariando a história política do PMDB, onde a justiça social sempre foi uma das principais bandeiras, não podemos nos calar diante das demissões a que estamos sendo vítimas. Somos trabalhadores e entendemos que essa iniciativa contraria todos os princípios democráticos apregoados pelo partido que sempre defendemos.

A decisão de dispensar seus funcionários, em bloco, foi totalmente arbitrária, truculenta, sem justa causa, tipificando o assédio moral em função de perseguição política. O PMDB sempre lutou em defesa do trabalhador e na sua proteção. Agora somos vítimas dessa injustiça.

Por esse motivo, apelamos para a sensibilidade dos nossos deputados, para que essa injustiça seja corrigida. Depois da invasão da sede do PMDB e da destituição de parte da executiva, não podemos mais assistir calados mais essa violação dos nossos direitos.

O ex-deputado Rocha Loures, atual presidente do nosso partido, ao tomar essa atitude, violenta o próprio estatuto do partido. A carta de demissão foi assinada pelo contador. De acordo com o estatuto, no seu artigo 31, parágrafo 3º “é da competência colegiada dos órgãos da direção partidária toda matéria não incluída na competência privada de seus respectivos membros”.

Diante do exposto, pedimos que nossa bancada se posicione em favor dos funcionários que são trabalhadores e não merecem ter seus direitos violados. Não desejamos esse presente de Natal para nossas famílias.


13 comentários

  1. VERDADE
    quinta-feira, 27 de novembro de 2014 – 16:55 hs

    Estah certo! Chega de trairas neste partido!

  2. ORLANDO PESSUTI
    quinta-feira, 27 de novembro de 2014 – 17:08 hs

    DURANTE A CONVENÇÃO DO PMDB EM 20.06.14, EU, O STEPHANES JR, O OSMAR SERRÁGLIO, fomos xingados, ameaçados e agredidos verbalmente por algumas pessoas, dentre elas duas (02) que são até hoje funcionárias do PMDB. Levamos o assunto a conhecimento da Comissão Executiva Estadual na forma de um relato e acatamos a sugestão dos presentes de que deveríamos relevar as agressões verbais e xingamentos, afinal foram proferidos no calor de uma disputada convencional. Assim procedemos. Nenhuma sanção aplicamos. Apenas anotou-se na Ata da reunião.
    QUANTO A ESSE EPISÓDIO DA DEMISSÃO EM MASSA DE FUNCIONÁRIOS ORDEIROS, TRABALHADORES, DEDICADOS AO PARTIDO, EFICIENTES, QUE NENHUMA AÇÃO DE DESRESPEITO OU INSUBORDINAÇÃO PRATICARAM, ISSO É MAIS UMA TERRÍVEL TRUCULÊNCIA, UMA TERRÍVEL AGRESSÃO AO NOSSO PMDB.
    O Roberto Requião, o Rodrigo Rocha Loures e outros, não podem continuar com essas atitutes que não se coadunam e que não representam a história de prática permanente do exercício democrático que sempre norteou o nosso partido.
    É HORA de uma manifestação vigorosa dos Membros da Comissão Executiva Estadual, para que essas demissões sejam tornadas sem efeitos, já que praticadas de forma injusta e em descumprimento ao que estabelece o Estatuto.

  3. Politico
    quinta-feira, 27 de novembro de 2014 – 22:33 hs

    rocha loures é homem rico, herdeiro da nutrimental. nao precisa trabalhar porque o dinheiro cai e muito…e os trabalhadores que há dez anos atuam no partido? infeliz decisao do loures rocha ….talvez por isso o povo nao o queira mais!

  4. nicolau pereira
    quinta-feira, 27 de novembro de 2014 – 22:56 hs

    que esta turma vá pedir emprego ao pansutti, no brde ou aos seus padrinhos políticos do pmdb. boa rocha loures

  5. Francisco Carlos Ruiz
    sexta-feira, 28 de novembro de 2014 – 8:14 hs

    É isto si ditador Requião. Bolivariano de primeira classe. Tomando atitudes chavistas; enganador do povo com mentiras e bravatas. Taca-lhe pau, o povo aguenta…

  6. Renato Britto Barros
    sexta-feira, 28 de novembro de 2014 – 9:12 hs

    Parabéns eterno ex ex e sempre puxa saco ou papagaio de pirata.
    Quando a Polícia Federal e o Ministério Público Federal vão começar a fazer as investigações nas merendas escolares que tem biscoitos da NUTRIMENTAL ?

  7. dagmar joao brasil
    sexta-feira, 28 de novembro de 2014 – 10:28 hs

    Rodrigo e Sergio Ricci, parabéns! As cinco pessoas demitidas não eram merecedoras da confiança da atual Diretória e, apesar de funcionários do PMDB, pelo suas atitudes dentro do partido tinham mesmo que serem excluídas do quadro funcional. O PMDB/PR passou por uma reformulação de seu quadro diretivo, por vontade da maioria de seus membros, e é coerente, positivo e de bom senso está medida administrativa. A indignação e apelação dos ora envolvidos não tem merecimento e não merecem crédito, pois quem sabe e conhece suas ações aprovam tal medida, o que não é o caso do sr. Fábio C., ao menos para a mídia, pois ele, pessoalmente, sabe da forma e maneira que estes 5 ( cinco ) funcionários se portavam e agiam.

  8. tiburcioesteveakienaogostou
    sexta-feira, 28 de novembro de 2014 – 11:43 hs

    Pior que ele so o pai dele! Fizeram uma miséria de votos em sjp, espero que não voltem mais! Mais uma campanha e a nutrimental quebra..

  9. Doroti Stein
    sexta-feira, 28 de novembro de 2014 – 12:02 hs

    João Brasil disse tudo. Obviamente Pessuti está indignado por tirarem quem “cuidava” de seus interesses dentro do partido. Mas acredito que ele conseguirá emprego para os mesmo junto ao seu querido amigo Beto Richa. Ou será que isso não estava no acordo?

  10. Joâo Ciardullo Florentino
    sexta-feira, 28 de novembro de 2014 – 12:17 hs

    Nobre ex governador Pessuti, Vossa Senhoria , diz em seu comentário que foi xingado , ameaçado … e segue dizendo que a executiva da época decidiu pela clemencia , levando em conta o calor do momento . Quero dizer que truculência de fato ouve por parte dos seguranças que agrediram, e cercearam o direito dos filiados do partido de participarem da convenção . Quero dizer que a carta encaminhada aos deputados, indica o paragrafo errado , e mais , da interpretação erronia ao mesmo . No CAPÍTULO III DAS COMISSÕES EXECUTIVAS, em seu Art. 32. e § 3º. diz que; “É da competência colegiada dos órgãos da direção partidária toda matéria NÃO INCLUÍDA NA COMPETÊNCIA PRIVADA DE SEUS RESPECTIVOS MEMBROS.” Cabe esclarecer que no Art. 37. que trata da competência do Secretário Geral, nos seus parágrafos I a III fica expresso que é competência do secretário geral substituir o presidente, em seus impedimentos ou ausências . E mais no paragrafo III diz que ; ” admitir e dispensar pessoal administrativo, supervisionar os registros funcionais e exercer as demais atribuições inerentes.” . Portando olhando o estatuto fica claro que as demissões foram feitas de acordo como reza o estatuto , não ouve arbitrariedade . Todos sabemos que hoje há dois grupos no PMDB/PR . Um que sonha em fazer do PMDB/PR uma filial do PSDB/PR, E outro que tenta restabelecer a ordem dentro do Partido , fazendo o PMDB/PR de fato um partido independente, sem misturas . Nobre ex Governador Orlando Pessuti, Vossa Senhoria, neste momento não pode se manifestar pelo partido, Vossa Senhoria feriu a decisão soberana da convenção Estadual, quando se decidiu à manifestar-se no programa eleitoral do Governador Beto Richa , atacando verbalmente o candidato do PMDB/PR ao cargo de governador . Independente da corrente de pensamento todo membro do partido tem por obrigação ,preservar , obedecer e respeitar as Nobre ex governador Pessuti, Vossa Senhoria , diz em seu comentário que foi xingado , ameaçado … e segue dizendo que a executiva da época decidiu pela clemencia , levando em conta o calor do momento . Quero dizer que truculência de fato ouve por parte dos seguranças que agrediram, e cercearam o direito dos filiados do partido de participarem da convenção . Quero dizer que a carta encaminhada aos deputados, indica o paragrafo errado , e mais , da interpretação erronia ao mesmo . No CAPÍTULO III DAS COMISSÕES EXECUTIVAS, em seu Art. 32. e § 3º. diz que; “É da competência colegiada dos órgãos da direção partidária toda matéria NÃO INCLUÍDA NA COMPETÊNCIA PRIVADA DE SEUS RESPECTIVOS MEMBROS.” Cabe esclarecer que no Art. 37. que trata da competência do Secretário Geral, nos seus parágrafos I a III fica expresso que é competência do secretário geral substituir o presidente, em seus impedimentos ou ausências . E mais no paragrafo III diz que ; ” admitir e dispensar pessoal administrativo, supervisionar os registros funcionais e exercer as demais atribuições inerentes.” . Portando olhando o estatuto fica claro que as demissões foram feitas de acordo como reza o estatuto , não ouve arbitrariedade . Todos sabemos que hoje há dois grupos no PMDB/PR . Um que sonha em fazer do PMDB/PR uma filial do PSDB/PR, E outro que tenta restabelecer a ordem dentro do Partido , fazendo o PMDB/PR de fato um partido independente, sem misturas . Nobre ex Governador Orlando Pessuti, Vossa Senhoria, neste momento não pode se manifestar pelo partido, Vossa Senhoria feriu a decisão soberana da convenção Estadual, quando se decidiu à manifestar-se no programa eleitoral do Governador Beto Richa , atacando verbalmente o candidato do PMDB/PR ao cargo de governador . Independente do que cada membro do partido pense é obrigação de todo membro do partido , respeitar as decisões soberanas , respeitar o estatuto e acima de tudo preservar o partido , não o expondo ao ridículo como alguns membros descontentes do PMDB/PR vem fazendo . Se ainda restar alguma duvida recomento a leitura do Estatuto em seu CAPÍTULO III DOS DIREITOS, DEVERES E DA DISCIPLINA PARTIDÁRIA e o Código de Ética em seu também CAPÍTULO III
    DOS DIREITOS, DOS DEVERES E DA DISCIPLINA PARTIDÁRIA e CAPÍTULO IV SEÇÃO I DAS INFRAÇÕES ÉTICAS DOS FILIADOS .

  11. Ise Mattos
    sexta-feira, 28 de novembro de 2014 – 13:19 hs

    Orlando Pessuti, o Sr só não demitiu as funcionárias em questão, pq foi execrado pelo PMDB e perdeu a convenção, senão o SR as teria demitido, como foi dito que faria no dia da Convenção. Uma duvida, se o Betinho é tão seu amigo, pq não recolocar essas pessoas no governo que o Sr tanto apóia? Abs

  12. SOLANGE LOPES
    sexta-feira, 28 de novembro de 2014 – 14:28 hs

    João Ciardulo, você quer dar vida à um partido morto. O teu chefe mór não se elege vereador em Tamarana.

  13. Este
    sexta-feira, 28 de novembro de 2014 – 16:37 hs

    ORLANDO PESSUTI É HORA DE VOCÊ ENGOLIR SEU RECALQUE E PARAR DE FALAR ASNEIRAS! VOCÊ FOI FALSO COM SEU PARTIDO E SEUS COMPANHEIROS, SE FAZER DE VÍTIMA POR AQUI NÃO COLA!
    E UMA DICA, VOLTE PARA ESCOLA, POIS SEU TEXTO ESTÁ CHEIO DE ERROS DE ORTOGRAFIA E GRAMÁTICA!

Deixe seu comentário:

Campos obrigatórios estão marcados com *

*

*