Hospitais acusam Fruet de atrasar repasses do SUS | Fábio Campana

Hospitais acusam
Fruet de atrasar
repasses do SUS

fruet repasse

Os hospitais Universitários Cajuru, a Santa Casa, Pequeno Príncipe e Erasto Gaertner acusam a Prefeitura de Curitiba de atrasar repasses do SUS. Segundo a assessoria dos hospitais, o repasse de recursos federais no valor de R$ 43,8 milhões não foi feito no dia 16 de outubro e o prefeito Gustavo Fruet (PDT) alega não ter o dinheiro.

A diretora do Hospital Cajuru Simone Simioli afirma que “a Secretaria Municipal de Saúde recebeu o dinheiro do governo federal, parcela única de R$ 5 milhões, e não repassou aos hospitais. A alegação da secretaria é que eles não têm dinheiro, mas o recurso vem do Fundo Nacional da Saúde e já foi repassado a secretaria”.

O Hospital Cajuru é filantrópico e 100% do atendimento é voltado ao SUS. São quatro mil e oitocentos atendimentos de emergência, seis mil e quinhentas consultas de ambulatório, mais de mil internamentos e mil procedimentos cirúrgicos por mês. É o maior pronto-socorro de atendimento de trauma do Paraná.

Os hospitais afirmam que caso os repasses não sejam normalizados os pagamento de obrigações aos fornecedores serão comprometidos e indicam possível desabastecimento de itens necessários a assistência dos pacientes e o pagamento de funcionários pode ser atrasado. Vaje a nota distribuída a imprensa pela assessoria dos hospitais.

Dos hospitais Cajuru, Santa Casa, Pequeno Príncipe e Erasto Gaertner:

NOTA À IMPRENSA
Os hospitais Universitários Cajuru, Santa Casa, Pequeno Príncipe e Erasto Gaertner demonstram preocupação em relação à assistência de saúde na cidade de Curitiba. A apreensão se deve ao atraso no repasse de recursos federais no valor de R$ 43.802.728,86, referente ao contrato fixo de prestação de serviços para o SUS, que a Prefeitura Municipal de Curitiba deveria ter realizado para os hospitais no último dia 16 de outubro.

A portaria de número 2.617 do Ministério da Saúde estabelece o prazo de 5 dias úteis, após a transferência federal à prefeitura, para o repasse aos hospitais. No último dia 9 de outubro, o Fundo Nacional de Saúde destinou o recurso para que a prefeitura encaminhasse às entidades que prestam serviço ao Sistema Único de Saúde (SUS) na capital, o que classifica 18 dias de atraso.

Em função do regime de gestão plena do Município, os hospitais exigem um posicionamento oficial da Prefeitura de Curitiba quanto a efetivação da transferência dos recursos enviados pela Governo Federal. As instituições lesadas alertam que os atrasos no repasse geram a tomada de empréstimos pelos hospitais, agravando a situação financeira dos mesmos. Além disso, os hospitais não conseguem efetuar o pagamento das suas obrigações em dia, os fornecedores indicam possível desabastecimento de itens necessários a assistência dos pacientes e o pagamento dos colaboradores pode ficar comprometido caso os repasses em atraso não sejam recebidos pelos hospitais. Lembramos também a importância da regularização dos pagamentos em função da necessidade dos hospitais efetuarem o pagamento do 13º salário dos colaboradores.

O atraso de recursos da saúde é mais um dos problemas enfrentados pelos hospitais conveniados ao SUS. O sub financiamento do sistema obrigada as instituições filantrópicas a arcarem custos superiores as receitas, gerando mensalmente prejuízos financeiros para estas instituições. A regularização dos pagamentos é fundamental para a manutenção regular dos serviços prestados pelos hospitais.

Assessoria de Imprensa Hospital Universitário Cajuru e Santa Casa de Curitiba


8 comentários

  1. tadeu rocha
    segunda-feira, 3 de novembro de 2014 – 15:38 hs

    TEM QUE PEDI PARA DILMA PREFEITO NÃO DEIXE A SAUDE ASSIM.

  2. Jose Rosa
    segunda-feira, 3 de novembro de 2014 – 15:51 hs

    campo mourão tambem acontece isso

  3. Renato Britto Barros
    segunda-feira, 3 de novembro de 2014 – 15:55 hs

    Nossa isso é caso de polícia.
    Cade o MINISTÉRIO PÚBLICO ? Quantas crianças estão sofrendo e isso sem contar os adultos e os mais necessitados ?
    Sr. PREFEITO GUSTAVO FRUET .
    CORTE SOMENTE 15% DA VERBA DE COMUNICAÇÃO SOCIAL DA GAZETA DO POVO E TERÁ DINHEIRO PARA PAGAR TODOS OS HOSPITAIS DE CURITIBA.

  4. segunda-feira, 3 de novembro de 2014 – 15:55 hs

    dá teus pulo grande prefeito, nem sombra do que foi o pai. aquele era um homem de responsabilidade. esse tem que estudar muito para chegar aos pés do velho.

    .

  5. Roberto
    segunda-feira, 3 de novembro de 2014 – 17:12 hs

    Tem PT na historia… ou federal ou municipal…

    E aqueles vereadores, capitaneados pela Noemia Rocha, que fizeram campanha pra ajudar o Evangélico… e o problema é a prefeitura… seria engraçado se não fosse trágico.

  6. MENSALEIRO JÚNIOR
    segunda-feira, 3 de novembro de 2014 – 17:40 hs

    MAIS UMA VEZ FALO AO GUSTAVO FRUET PARA ALERTÁ-LO SOBRE SEUS ASSESSORES. NÃO ME FAÇA ARREPENDER-ME DE TER VOTADO EM VC. TROQUE TODO SEU SECRETARIADO E NOMEIE UM SECRETARIO PARA A TÃO IMPORTANTE SMDS,O POVO NÃO PODE ESPERAR MAIS,POR FAVOR PREFEITO NÃO COMETA SUICÍDIO POLÍTICO, AINDA DÁ TEMPO DE VC SE RECUPERAR, 2016 ESTÁ MAIS PRÓXIMO DO QUE VC IMAGINA.

  7. carlos r
    segunda-feira, 3 de novembro de 2014 – 18:49 hs

    O PREFEITO CADE A PROMESSA DE CAMPANHA EU VOTEI EM TI MAS NA PROXIMA ESQUEÇA DO MEU VOTO EU ACREDITEI EM TI MAS AGORA TA DIFICIL DE ACREDITAR QUE A PREFEITURA NÃO TEM DINHEIRO VAMOS SE MEXER

  8. FUI !!!
    terça-feira, 4 de novembro de 2014 – 5:04 hs

    Político que acaba com o seu mandato fazendo de conta que governa,
    vai ficar falando sozinho. Hoje a população está mais consciente e cuida-
    dosa a respeito das ações governistas. Se ocorrer uma pesquisa hoje o
    Frueta deve beirar os 5 % de aprovação !!!

Deixe seu comentário:

Campos obrigatórios estão marcados com *

*

*