Empresas suspeitas de corrupção e cartel são investigadas na Lava Jato | Fábio Campana

Empresas suspeitas de corrupção e cartel são investigadas na Lava Jato

Foto: Adriana Justi/G1
empresas lava jato - adriana justi G1
Operação Lava Jato investiga esquema de lavagem e desvio de dinheiro. Apenas com a Petrobras, empresas têm contratos que somam R$ 59 bi.

Do G1 PR:

A sétima fase da Operação Lava Jato, deflagrada nesta sexta-feira (12), tem como foco sete empresas de grande porte que atuam no Brasil e, segundo a Polícia Federal, têm envolvimento com a formação de cartel para licitações e desvio de recursos para a corrupção de entes públicos. De acordo com o delegado da Polícia Federal Igor Romário de Paula as apreensões, diligências, quebras de sigilo e depoimentos – colhidos durante toda a operação – produziram um material robusto que prova o envolvimento destas empresas em irregularidades. Apenas com a Petrobras, essas empresas têm contratos que somam R$ 59 bilhões, de acordo com a Polícia Federal.

A Lava Jato foi desencadeada em março deste ano e que revelou um esquela bilionário de lavagem de dinheiro. Ao todo, devem ser cumpridos 85 mandados em cidades do Paraná, Minas Gerais, São Paulo, Rio de Janeiro, Recife e Distrito Federal. Os mandados foram expedidos pela Justiça Federal do Paraná, responsável pelas investigações. Já haviam sido presos o ex-diretor de Abastecimento da Petrobras Paulo Roberto da Costa e o doleiro Alberto Youssef, acusado de comandar o esquema. Costa cumpre a prisão em domicílio e o doleiro está preso na sede da PF, em Curitiba.

Nesta fase, 27 pessoas devem ser presas, segundo a PF. Entre as prisões já realizadas está a do ex-diretor de Serviços da Petrobras Renato Duque. Indicado pelo PT para o cargo de alto escalão, ele foi preso em sua residência, no Rio de Janeiro, e conduzido para a superintendência local da PF. Há ainda as prisões de funcionários de, ao menos, nove empresas: Camargo Corrêa, Odebrecht, OAS, UPC, Engevix, Iesa, Queiroz Galvão, Galvão Engenharia e Mendes Júnior.

“As pessoas investigadas tinham o hábito de dormir em hotéis, em outros apartamentos. Eles tinham a intenção de ficar fora de casa, temendo que essa a operação fosse realizada”, disse Igor de Paula.

A ação conta com 300 policiais federais, com apoio de 50 servidores da Receita Federal. A Lava Jato também desbaratou crimes de evasão de divisas e pagamento de propinas que operava inclusive dentro da Petrobras.

Segundo a PF, foi decretado o bloqueio de aproximadamente R$ 720 mihões em bens pertencentes a 36 investigados. Além disso, o juiz federal Sérgio Moro, que está julgando a Lava Jato na primeira instância, autorizou o bloqueio integral de recursos financeiros de três empresas que seria de propriedade de um dos operadores do esquema criminoso.

Os principais contratos sob suspeita são a compra da refinaria de Pasadena, nos EUA, que teria servido para abastecer caixa de partidos e pagar propina, e o da construção da refinaria de Abreu e Lima, em Pernambuco, da qual teriam sido desviados até R$ 400 milhões.

Delações premiadas
Na última terça-feira (12), o procurador-geral da República, Rodrigo Janot, afirmou que, ao menos, nove pessoas já concordaram em colaborar com as investigações da Operação Lava Jato com a delação premiada. Além disso, outras já se interessaram em apontar nomes de envolvidos e fatos relacionados ao suposto esquema de pagamento de propina a políticos a partir de contratos da Petrobras, foco da investigação.

O Supremo Tribunal Federal (STF) já homologou a delação premiada do ex-diretor de Refino e Abastecimento da Petrobras Paulo Roberto Costa. Janot relatou que há outras três delações concluídas e prontas para serem homologadas.

Além disso, informou o chefe do Ministério Público, mais “cinco ou seis” colaboradores estão negociando acordo semelhantes com os procuradores responsáveis pelo caso, entre eles o doleiro Alberto Youssef, apontado como um dos líderes da organização criminosa.


3 comentários

  1. sexta-feira, 14 de novembro de 2014 – 13:14 hs

    Tudo que é construído em terra arenosa tende a cair, pois inexiste suporte, portanto, Lula, Dilma e camarilha que se previnam, pois as suas casas irão cair. A Papuda os espera.

  2. sexta-feira, 14 de novembro de 2014 – 14:50 hs

    mas o Serginho vai continuar enchendo nosso saco!

  3. toni
    sexta-feira, 14 de novembro de 2014 – 23:09 hs

    Espero que o juiz Moro e o Procurador Geral Janot terão o apoio de mais de 82 milhões de brasileiros que querem independentemente de quem estejam envolvidos que paguem pelo que fizeram e devolvam todo nosso dinheiro roubado da Nação.

Deixe seu comentário:

Campos obrigatórios estão marcados com *

*

*