Vereadores de Curitiba criticam apoio de prefeitura a casamento gay | Fábio Campana

Vereadores de Curitiba criticam apoio de prefeitura a casamento gay

Foto: Divulgação/ CMC carla_lima
Do G1:

Vereadores que compõem a bancada evangélica da Câmara Municipal de Curitiba, criticaram na sessão desta quarta-feira (1º) o apoio dado pela prefeitura a um casamento coletivo que aceitará casais homossexuais. O evento, marcado para dezembro deste ano, ocorrerá na Arena da Baixada, estádio do Clube Atlético Parananese, e é direcionado a casais com renda de até três salários mínimos por pessoa. Além do site oficial, a prefeitura publicou uma mensagem no Facebook divulgando o casamento, o que desagradou alguns vereadores. A parlamentar Carla Pimentel (PSC) chegou a apresentar uma moção de repúdio por considerar a publicação “tendenciosa” e uma “agressão ao conceito de casamento”.

O casamento coletivo será em dezembro e é organizado a partir de uma parceria entre a Prefeitura de Curitiba, Poder Judiciário, Sistema Fecomércio (Sesc e Senac), Cartórios de Registro Civil e o Clube Atlético Paranaense. As inscrições podem ser feitas até o dia 25 de outubro, e casais de cidades da Região Metropolitana também podem participar.

Diante da polêmica, a publicação foi retirada do Facebook, contudo, segundo a moção de repúdio, trazia o seguinte texto: “Curitiba terá em dezembro o maior casamento coletivo já realizado na cidade com aproximadamente 1,5mil “casais”. Para a cerimônia, podem fazer a inscrição casais homoafetivos e que queiram fazer a renovação de votos. A promoção da cerimonia é do poder Judiciário em parceria com a Prefeitura de Curitiba”. O destaque na palavra casais foi dado por Carla Pimentel ao redigir a moção.

Para a vereadora, o casamento só pode ocorrer entre pessoas de sexo distinto. Na opinião dela, o texto publicado pela Prefeitura de Curitiba desconsidera os tradicionais casais heterosexuais que atendidos pelo programa. Pimentel ainda argumenta que a benção religiosa seria cerceada e critica a falta de discussão sobre o tema. Carla Pimentel afirmou ainda que não é uma questão religiosa e sim uma questão de princípios de governança, já que considera que a publicação foi tendenciosa para um Estado laico.

Em Plenário, a vereadora teve o apoio de diversos colegas. Ailton Araújo (PSC), por exemplo, afirmou que o poder público não pode fazer apologia a nenhum tipo de comportamento ou crença. Noemia Rocha (PMDB) afirmou que o Brasil é um país cristão e que a divulgação no Facebook foi ofensiva. Segundo a peemedebista, a bancada evangélica de vereadores defende o conceito de “família natural”. Na mesma linha, o vereador Valdemir Soares (PRB), disse que “união civil é uma coisa. Casamento é outra. Casamento é homem e mulher”. Chico do Uberaba (PMN) também se manifestou. “Sou da época em que menino gostava de menina, e menina gostava de menino”.

Os vereadores Jonny Stica e Professora Josete, ambos do PT, se manifestaram contrários ao posicionamento dos vereadores evangélicos e criticaram o cunho religioso da discussão. O líder do governo na Câmara Pedro Paulo (PT) afirmou que não se pode aceitar a violência, o ódio. Ele disse ainda que o mais importante é ressaltar o alcance social do casamento comunitário, que isenta os casais das custas cartoriais.

Em nota, a Prefeitura de Curitiba afirmou que a intenção da publicação foi divulgar a cerimônia. “Não houve intenção de ofender qualquer grupo, mas sim de informar a todos os públicos que podem usufruir do serviço”, diz a nota. Já no início da noite, pelo Facebook, a Prefeitura afirmou que a mensagem foi apagada porque um grupo de pessoas se declarou ofendido. “A página da Prefeitura de Curitiba no Facebook optou por retirar o conteúdo para conservar seu caráter agregador e garantir o espaço de todos os públicos. A retirada da publicação não altera a disposição da Prefeitura de Curitiba para promover a igualdade em todos os âmbitos, como determinam as leis de nosso país, a começar pela Constituição Federal”, explica a mensagem do Facebook.

A moção de repúdio pode entrar na pauta de votação da sessão de segunda-feira (6).


4 comentários

  1. LUIZ B.
    quinta-feira, 2 de outubro de 2014 – 14:32 hs

    COM CERTEZA ESSA VEREADORA É DECENTE,É CRISTÃ,E TEM MAIS, POR SER NA ARENA VOU DESISTIR DE SER SÓCIO DO ATLÉTICO.

  2. Diego
    quinta-feira, 2 de outubro de 2014 – 16:19 hs

    Desista da sua vida, Luiz B. É melhor ;)

  3. Welison Braga de Sousa
    quinta-feira, 2 de outubro de 2014 – 17:53 hs

    Falta de Respeito para os torcedores do atlético pr e também de todas as comunidades cristã de Curitiba e do Parana por que muitos são torcedores e também independente se são cristão a torcida e contra esse casamento.

  4. Sergio R.
    quinta-feira, 2 de outubro de 2014 – 19:23 hs

    E os damos de honra poderiam ser os jogadores com suas vistosas chuteiras rosas, que andam predominando nos jogos de futebol.

Deixe seu comentário:

Campos obrigatórios estão marcados com *

*

*