Pelo Paraná, pelo Brasil | Fábio Campana

Pelo Paraná, pelo Brasil

pelo parana, pelo brasil

Aécio Neves:

No dia 5 de outubro, no primeiro turno das eleições, houve um grande vencedor: o desejo de mudança dos brasileiros. A grande maioria da população mostrou que não está satisfeita com os rumos do atual governo, e me deu a chance de ser o representante da mudança nesta segunda etapa, cujo ápice será no próximo domingo.

Primeiramente, peço licença para reafirmar um agradecimento que fiz na última segunda-feira, quando estive em Curitiba. Agradecer a cada um dos paranaenses pela extraordinária votação dada a mim, neste estado onde tive praticamente metade dos votos. Ao lado do governador reeleito Beto Richa, um dos mais bem preparados homens públicos de sua geração, e do senador reeleito Alvaro Dias, o mais votado do país e extraordinária liderança do Congresso, estou pronto para fazer o governo que os brasileiros esperam.

Nas últimas duas semanas, recebemos o apoio de várias forças que se colocaram como opção aos brasileiros no primeiro turno, como Marina Silva. Renata Campos e os filhos de meu saudoso amigo Eduardo Campos também anunciaram seus votos e confiança em mim em um belíssimo ato no Recife.

Cada vez mais, não somos a opção de um partido ou de uma aliança, mas sim de um movimento mudancista, que pretende recolocar o país nos rumos da ética e da eficiência. Não é possível continuarmos acompanhando passivamente o Estado nacional aparelhado, com 39 absurdos ministérios que pouco entregam, e desvios de toda ordem na nossa maior empresa, a Petrobras.

Na economia, serei o presidente do emprego, que resgatará o nosso crescimento econômico e terá tolerância zero com a inflação. Credibilidade e planejamento são fundamentais para que retornem os investimentos externos, que nos ajudarão a transformar a logística do país. Uma questão central para o agronegócio paranaense, por exemplo. Como o produtor sabe, da porteira para dentro, vai tudo bem. Da porteira para fora, falta quase tudo…

Duas questões são urgentes e precisam da atenção direta do governo federal, que hoje vem sendo omisso. A saúde, que sofre com uma crise de gestão e de recursos, e a segurança pública, com o país abismado com os 56 mil homicídios anuais. Caso eleito, vamos implantar uma Política Nacional de Segurança Pública e assumir a responsabilidade de coordenar o sistema. Além disso, terei a educação como minha maior prioridade, segundo o que fiz em Minas, onde hoje temos a melhor educação fundamental do Brasil.

Por fim, permito-me assumir um último compromisso com os paranaenses. Serei o presidente da República que irá reconciliar o governo federal com o estado, prejudicado como nenhum outro pela visão mesquinha da política. Farei com que os próximos quatro anos valham por oito. E, juntos, poderemos iniciar um novo ciclo de desenvolvimento – consistente, equilibrado e sustentável, com mais justiça e equidade para todos os brasileiros.

Aécio Neves, senador (PSDB-MG), é candidato à Presidência da República.


2 comentários

  1. sergio silvestre
    domingo, 19 de outubro de 2014 – 11:41 hs

    Não sei até onde o Brasil terá um vencedor,pois acho que ganhando Dilma ou ganhando Aécio vamos ter uma nação dividida com duas facções raivosas e o resultado disso é imprevisivel.
    Notei os papos acalorados num churrasco que participei,é claro que ali tinha parentes mas notei que a divisão já resultou em discussões acaloradas,chegando até no caso irmãos se apartarem por opiniões avessas a outra.
    Muito ruim o que está acontecendo,muito pobre está sendo as discussões sobre nosso futuro,os dois lados estão com as facas nos dentes dispostas a tudo para ganhar as eleições e os problemas do Brasil fica em segundo plano.
    Fico imaginando 55 milhões de eleitores raivosos de um lado e 55 milhões de outro não se conformando em perder,ai meu irmão quem perde é o Pais,nossos filhos e netos,toda uma geração perdida por conflitos internos próprios de muares.
    Está chegando a hora de botar a cabeça num travesseiro e começar a pensar naquilo que pode acontecer se não nos contermos.
    Assim petistas e psdebistas que comandam esse Pais a 20 anos,vamos levar com calma tudo que acontecer depois do dia 26.
    ‘NÃO É HORA DE MUDANÇA,RELAXE E PEGUE LEVE,MAS SE TER A MUDANÇA’TAKE EASY”

  2. Carlos Teixeira
    domingo, 19 de outubro de 2014 – 19:32 hs

    Muito bem, Sérgio Silvestre! Boas ideias!

Deixe seu comentário:

Campos obrigatórios estão marcados com *

*

*