O tempo passa e o metrô fica mais caro | Fábio Campana

O tempo passa e o metrô fica mais caro

De Fernanda Trisotto, Gazeta do Povo:

Dez meses passaram desde que o governo federal anunciou os aportes financeiros para o projeto do metrô de Curitiba, orçado em R$ 4,6 bilhões e que ainda não saiu do papel. A licitação, que seria realizada em agosto, foi suspensa pelo Tribunal de Contas (TCE-PR), que questionou a modelagem de Parceria Público-Privada (PPP) adotada, e não há previsão de quando a concorrência será retomada. Só nesses dez meses, considerando a inflação do período, a obra já precisaria de mais R$ 255 milhões para ser executada. A média de R$ 25,5 milhões por mês pode cair, se a inflação seguir em queda. Caso contrário, até um hipotético início de obras no segundo semestre de 2015, seriam quase R$ 500 milhões de verba desvalorizada.

Ao contrário do que ocorre em outros países, o Brasil ainda esbarra na burocracia e atrasos em licitações e obras, o que acaba por encarecer o empreendimento sem que haja qualquer correção dos recursos públicos que foram orçados, nem a reposição da inflação. Pelo anúncio de outubro de 2013, a União repassaria R$ 1,8 bilhão a fundo perdido, estado e município investiriam R$ 700 milhões cada e a iniciativa privada arcaria com mais R$ 1,4 bilhão. Com o atraso, o reajuste mostra que a obra poderia custar mais R$ 25,5 milhões ao mês, dinheiro que viria da iniciativa privada. A questão é se haverá interesse em investir mais dinheiro ainda com o atraso para a execução do projeto. Fontes do mercado financeiro afirmam que isso pode afugentar investidores.

Criada na Inglaterra, a Parceria Público-Privada (PPP) ganha cada vez mais espaço no Brasil, tanto para modelos de administração, como é o caso de presídios, quanto de concessão, como ocorre em projetos de metrô. Dessa forma, o poder público – seja a União, estados ou municípios – pode aportar recursos para grandes obras, que serão executadas e geridas pela iniciativa privada por um período determinado.

“O planejamento em projetos de PPPs é fundamental, pois como se trata de licitações de grande complexidade e volume de recursos considerável, qualquer pequena falha no edital ou no procedimento da fase interna pode gerar prejuízos temporais ou financeiros ao empreendimento”, diz o advogado Rodrigo Pironti, professor de Direito Administrativo da Universidade Positivo. Para ele, se as variações financeiras causarem um desequilíbrio no projeto inicial, é preciso atualizar os valores e fazer uma readequação do volume de investimentos. “Isso pode acarretar um atraso no início do processo pelos inúmeros trâmites burocráticos necessários a uma nova obtenção de disponibilidade orçamentária e financeira”, diz.

Para o secretário de planejamento de Curitiba, Fábio Dória Scatolin, um país que quer fazer obras de infraestrutura precisa superar essa questão da falta de atualização de valores. “Normalmente, são obras de vulto. A engenharia do projeto não é simples e a execução também não. A sugestão de Brasília é um aporte complementar, previsto contratualmente”, diz. Assim, ficaria garantido que, mais para frente, quando a obra fosse executada, haveria um novo montante a receber.

“Em obras pequenas, de 12 meses, você entende que não precisa disso [aporte complementar]. Quando você entra numa obra de vulto, com aporte público e longa, você tem de colocar o risco, porque o mercado tem que precificar através do valor presente a inflação”, avalia. Embora considere que há risco de qualquer projeto perder a atratividade, Scatolin avalia que essa é uma situação típica do mercado, a correção do valor, e não uma aberração contratual.

Respostas

A prefeitura de Curitiba encaminharia as respostas aos questionamentos do Tribunal de Contas do estado do Paraná (TCE-PR) sobre o edital do metrô até o dia 12 de setembro. Dentro do órgão, a análise dos papéis passa primeiro pelo conselheiro relator do caso, Ivan Bonilha, para depois ser levada para o Pleno do órgão, que votará sobre o assunto. Não há, porém, um prazo para que essa análise ocorra. A expectativa da prefeitura é de republicar o edital e assinar o contrato para a obra ainda neste ano.


4 comentários

  1. laertes de souza
    terça-feira, 16 de setembro de 2014 – 10:28 hs

    Caro Fabio
    Se a Prefeitura leva 02 anos para concluir uma pequena obra, viaduto na Linha Verde sobre a linha férrea, acredito que levará pelo menos 30 (trinta) anos o tal do metro.

  2. Doutor Prolegômeno
    terça-feira, 16 de setembro de 2014 – 11:05 hs

    Este metrô é a fonte luminosa que toda cidade da roça quer ter. A cidade perdeu o bonde faz tempo neste assunto. Isso é coisa para dar dinheiro para empreiteiro.

  3. Freddy Kruger
    terça-feira, 16 de setembro de 2014 – 12:02 hs

    Típico de governos do PT. Demoram para iniciar e demoram ainda mais para terminar. Imaginem o que acontece entre o início e o fim !!! Somente 23% das obras do PAC tiveram início até o momento. E olha que já estamos com 12 anos de PT no Governo.
    A prefeitura de Curitiba, tem de fechar a metade de suas secretárias, para ver se começa a funcionar. É cabide de emprego para quem apoiou o Gustavo. E o povo não se surpreenda se o IPTU aumentar novamente.

  4. Beatrix Kiddo
    terça-feira, 16 de setembro de 2014 – 20:57 hs

    Talvez lá pelo ano de 2024 as obras do metrô se iniciem, isto se as licenças ambientais forem todas elas outorgadas, porque existe também estes empecilhos a se considerar. É possível que tenhamos uma dupla inauguração, a conclusão da Lesma Verde e da primeira estação do nosso metrô. Isto em 2025.

Deixe seu comentário:

Campos obrigatórios estão marcados com *

*

*