Milton Hatoum desiste de Marina | Fábio Campana

Milton Hatoum desiste
de Marina

milton hatoum

Do UOL:

O escritor amazonense Milton Hatoum era uma das celebridades que apoiavam a candidatura de Marina Silva à Presidência. Mas ele trocou de opinião no final de semana.

A mudança no programa de governo de Marina fez com que ele ficasse desencantado com a política e voltasse a analisar o que fará com seu voto no dia 5 de outubro. “Agora que houve essa mudança, não faz mais nenhum sentido votar no PSB”, comentou o autor de Cinzas do Norte e Dois Irmãos, durante entrevista ao UOL.

No último sábado (30), com a justificativa de que houve erro na impressão do material, a campanha do PSB retirou do programa trechos sobre a aprovação da lei da identidade de gênero, da proposta que regulamenta o casamento homossexual e da que criminaliza a homofobia, assim como o envio de material didático que conscientizasse as crianças sobre a diversidade sexual e as novas formas de família. “São questões que eu considero fundamentais num Estado laico, sem interferência de qualquer religião”, comenta Hatoum.

O que mais desagradou ao escritor foi observar a pressão de bancadas religiosas sobre as propostas da candidata. Para Hatoum, a situação –considerada por ele um recuo– lhe gerou uma pergunta: “Quem vai governar com ela são as bancadas evangélicas? Acho que, hoje, um proselitismo histérico é assustador. Isso já é, para mim, assustador. Meu medo é essa liderança religiosa fundamentalista”.

Hatoum diz não acreditar que a candidata do PSB faça parte dos grupos religiosos na política. “Entendo a religiosidade da Marina. Ela conhece gente da minha família no Acre. Sei como é difícil chegar aonde ela chegou. O problema é a chantagem. O perigo é quando a liderança religiosa tenta impor uma interpretação do texto sagrado na vida cotidiana.”

Caso haja uma aliança de um possível governo Marina com as bancadas religiosas, o escritor não acredita que possam acontecer mudanças na política nacional. “[Os religiosos] vão pressionar a sociedade civil. Você acaba de mãos amarradas.”

Outro ponto que irritou Hatoum foi a informação, divulgada nesta segunda-feira (1º) pela “Folha de S.Paulo”, de que a da candidata do PSB recorre a versículos da Bíblia para tomar decisões. “Gravíssimo. Não se pode governar com recado pessoal de Deus”, comenta o escritor, vencedor de prêmios importantes da literatura brasileira como o Portugal Telecom e o Jabuti. “Se ela toma uma decisão de forma aleatória na Bíblia, acho isso temeroso.”

Voto

Agora, Hatoum não sabe mais em quem vai votar. “Não há nada muito animador”, afirma. Nos próximos dias, porém, ele pretende se dedicar a ler os projetos de governo das candidaturas de Eduardo Jorge (PV) e de Luciana Genro (PSOL).

Os pontos que lerá com afinco serão os das propostas econômicas e políticas. Até o último sábado, eram justamente esses dois itens que haviam chamado a atenção do escritor no programa de Marina. “O que gostei é a urgência da reforma política e da reforma tributária [citadas pelo projeto do PSB]. Achei consistente.”

Hatoum também não descarta votar em Dilma Rousseff. “Se o PT fizer uma autocrítica… falta um pouco de humildade. Desde o governo FHC [do tucano Fernando Henrique Cardoso, entre 1995 e 2002], houve avanços sociais, que cresceram exponencialmente no governo Lula [do PT, entre 2003 e 2010]”, analisa.

Para decidir em quem votar ou se vai anular seu voto, o escritor prepara-se também para acompanhar os debates com os presidenciáveis. Hatoum, porém, acredita que o ideal para o próximo governo seja a realização de um acordo nacional. “Que se estabeleça um diálogo com os políticos que estão pensando o Brasil. Há nomes bons no PT, no PSDB, no PSB, no PMDB. A pior coisa é dizer que não há políticos dignos no Brasil. Há políticos éticos, responsáveis. Agora, será que [um governo] vai conseguir uni-los? Não é fácil.”


11 comentários

  1. Observador
    terça-feira, 2 de setembro de 2014 – 14:11 hs

    Eu acho que uma pessoa com a cultura e a didática de Hatoum, não pode vir a público com estas cricas, pois pode influenciar os menos esclarecidos culturalmente, especialmente seus conterrâneos, que pode divergir e acabarem por anular seus votos.Ele deve saber muito bem que ninguém é capaz de acertar 100%, muito menos ele que é humano. Ou será que de um dia para outro a Marina já não tem mais valor algum? Será que rever um equívoco ou erro diminui uma pessoa?

  2. SEXAGENÁRIO
    terça-feira, 2 de setembro de 2014 – 14:18 hs

    Não sou evangélico e não frequento igrejas, mas me considero cristão; tradicionalmente minha família é católica.
    O Estado laico não privilegia pessoas que professam qualquer religião, mas quanto a questão “gay” que quer ter direitos a mais que os demais, vejo que estão forçando desconstrução familiar e também a implantação desse material “didático” para conscientização das crianças sobre a diversidade sexual e suas novas formas de família; sou contra essas intenções e votarei naqueles que também são.

  3. Do Interior....
    terça-feira, 2 de setembro de 2014 – 14:53 hs

    Pois digo que os ditos “direitos gays” são muito mais fundamentalistas que qualquer religião. Tentam forçar uma idéia na cabeça de crianças.

    Esta cartilha deveria ser enviada às universidades e não a crianças!!!
    Acho um absurdo isso e é bom que isso nunca seja aprovado!

    Cada um na sua, mas sem tentar influenciar outras pessoas, principalmente as indefesas crianças!

    Fora PT, fora “grupos sociais” de araque!

  4. LUIZ B.
    terça-feira, 2 de setembro de 2014 – 15:01 hs

    COM CERTEZA É OUTRO QUE NÃO FAZ FALTA.

  5. tadeu rocha
    terça-feira, 2 de setembro de 2014 – 16:02 hs

    DESISTE PORQUE …. TU ÉS BURRO … A MARIANA FUTURA P. DA REPUBLICA OU VOCE FOI PARA LADO DA DILMA…

  6. Caça
    terça-feira, 2 de setembro de 2014 – 16:12 hs

    Se com a Dilma esta ruim ,com a Marina vai ficar péssimo ,-,,,podem acreditar.

  7. PARADOXAL
    terça-feira, 2 de setembro de 2014 – 16:58 hs

    Independente de qual rótulo se considera cristão, eu em particular não sou favorável a mudanças radicais de qualquer espécie ou tendências, quero dizer que apoiar os movimentos gays não faz parte da minha educação até porque fui criado dentro de preceitos familiares, onde a família e a base da sociedade e entendo como família, a tradicional, as “novas” tendências são fruto de distorções. Mas também não aceito radicalismo religioso e por este motivo, Marina para mim, só poderá se tornar um Presidenta se for moderada e sensata em suas atitudes. Ler a Bíblia como condução de vida e respeito a vida é indispensável, mas para governar já acho meu radical. Portanto política e religião para mim é que nem azeite e água, nunca irão se misturar.

  8. Doutor Prolegômeno
    terça-feira, 2 de setembro de 2014 – 17:28 hs

    Artistas não deviam misturar sua arte com reles política partidária, como bem demonstra João Coutinho em sua coluna de hoje. Toda pessoa que ganha prestígio e notoriedade, principalmente, se for rica ou faz sucesso, se julga autorizada a falar besteiras impunemente, com aplausos da plateia.

  9. Loop
    terça-feira, 2 de setembro de 2014 – 20:06 hs

    Como dizia o jardineiro de D. João:
    Nada e’ tão ruim … Que não possa piorar””

  10. Side
    terça-feira, 2 de setembro de 2014 – 20:49 hs

    Vai com a Dilma e se afunda junto com ela o infeliz.

  11. ALBERTO
    terça-feira, 2 de setembro de 2014 – 22:22 hs

    É A MARINA QUE PRIVILEGIAR BANQUEIROS, AGRADAR OS CRENTES, PENSANDO QUE GANHARÁ VOTOS DELES;
    ACHO QUE TEMOS QUE VOTAR NO AÉCIO .

Deixe seu comentário:

Campos obrigatórios estão marcados com *

*

*