Do ministério para a lanterna nas eleições | Fábio Campana

Do ministério para a lanterna nas eleições

Urna eletrônica

Alexandre Padilha, Gleisi Hoffmann e Marcelo Crivella tentaram usar o cargo para aumentar popularidade, mas as pesquisas mostram que a tática falhou.

De Gabriel Castro, Veja:

Em uma eleição na qual a favorita à Presidência tem apenas dois minutos de TV e uma estrutura de campanha muito menor do que a de dois adversários, a correlação entre o uso da máquina e o resultado das urnas parece ser mais fraca do que já foi no passado. E há casos concretos para comprovar isso. Em abril, cinco ministros do governo Dilma deixavam seus postos para participar das eleições. Desses, quatro se candidataram a governador. Três caminham para uma derrota nas urnas. Aparentemente, ter participado de um governo cuja popularidade fica em torno dos 34% não é uma vantagem eleitoral.

Os ex-ministros de Dilma usaram o quanto puderam a estrutura do Estado para aumentar sua exposição sob os holofotes. Alexandre Padilha, da Saúde, Gleisi Hoffmann, da Casa Civil, e Marcelo Crivella, da Pesca, usaram seus cargos como plataforma eleitoral.

Padilha intensificou as viagens a São Paulo e aumentou a frequência com que concedia entrevistas. Mais a divulgação do Mais Médicos e a companhia do ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva nos palanques não ajudou o petista a ganhar votos. Tanto que partiu do próprio Lula uma recomendação aos correligionários: que reforcem a campanha de Paulo Skaf (PMDB) para tentar derrotar o tucano Geraldo Alckmin.Apesar de ter subido na última pesquisa Datafolha, Padilha tem apenas 7% das intenções de voto.

No Paraná, Gleisi também está em terceiro lugar, muito distante do segundo colocado, Roberto Requião (PMDB) e ainda mais do líder nas pesquisas, o tucano Beto Richa. A ex-ministra da Casa Civil, que chamou a atenção da presidente Dilma Rousseff ainda no início de seu primeiro mandato no Senado, deve passar os próximos quatro anos cumprindo o mandato no Congresso.

Crivella, que sustentava a vice-liderança no Rio, caiu para o terceiro lugar na disputa graças à ascensão do governador Luiz Fernando Pezão (PMDB), dono de uma máquina mais poderosa e de mais tempo na televisão. Ou seja: o ex-ministro da Pesca não tem um prognóstico muito positivo.

Também no Rio de Janeiro, o também ex-ministro Carlos Lupi, que deixou o cargo evolvido em denúncias de corrupção e depois se reabilitou com a presidente Dilma Rousseff, tem apenas 3% das intenções de voto na disputa pelo Senado no Rio de Janeiro. Ele perde até para o candidato do nanico PCB.

A exceção é o ex-ministro do Desenvolvimento, Indústria e Comércio Exterior Fernando Pimentel. O petista lidera as intenções de voto na eleição para o governo de Minas Gerais. O vice dele, Antônio Andrade (PMDB), também fez parte da equipe de Dilma: foi ministro da Agricultura. Na terra de Aécio Neves, entretanto, o tucano Pimenta da Veiga (PSDB) tem crescido nas pesquisas. Com ou sem Pimentel no governo, tudo indica que o saldo dos ex-ministros de Dilma não será dos melhores nestas eleições.


3 comentários

  1. Tiago
    sexta-feira, 5 de setembro de 2014 – 10:40 hs

    Síndrome do mau governo.

  2. Politico
    sexta-feira, 5 de setembro de 2014 – 15:03 hs

    a greisi é muito ruim…..

  3. Beatrix Kiddo
    sexta-feira, 5 de setembro de 2014 – 23:00 hs

    Cuma? Os três foram ministros? Mas ministros do que mesmo? Ah é, puxa vida, exceto a princesinha que só nos prejudicou os dois outros fizeram o que mesmo?

Deixe seu comentário:

Campos obrigatórios estão marcados com *

*

*