Salário, aposentadoria e outras vantagens ganhas por Requião | Fábio Campana

Salário, aposentadoria e outras vantagens ganhas por Requião

De HLucas:

Como aposentado, Requião aufere R$ 26,5 mil mensais, outros R$ 26,5 mil mensais vêm do salários do Senado. Ou seja, recebe 53,0 mil mensais.

Ainda tem mais: só de passagens, o Senado já bancou R$ 186 mil para Requião conhecer o mundo. As despesas, inclusive os salários de 21 funcionários, do escritório de Requião em Curitiba, pagos pelo Senado, já custaram R$ 972,9 mil. Mais ainda: o Senado bancou mais R$ 207,4 mil em hospedagem, gasolina e alimentação para Requião e outros R$ 161,8 mil para Requião divulgar na mídia suas atividades. Foram salários e aposentadorias, Requião já abocanhou R$ 1,5 milhão do Senado para pagar suas despesas.

E não para por aí: No último mês de maio, o Governo do Paraná depositou na conta de Requião, R$ 499,13 mil em retroativos da ‘aposentadoria’ como governador entre maio de 2011 e agosto de 2012. O benefício fora suspenso em maio de 2011 e Requião acionou a justiça e por liminar o dinheiro voltou a ser depositado mensalmente a partir de setembro de 2012. Em segundo movimento, Requião, através de decisão do Tribunal de Justiça, conseguiu receber os 16 meses em que a aposentadoria não foi depositada. Entre julho de 2010 até abril deste ano (2014), Requião já recebeu R$ 1,28 milhão (valores corrigidos) de aposentadoria.

Entre outubro de 2010 e abril de 2011, Requião recebeu R$ 24,1 mil mensais como aposentado. Recebeu ainda um retroativo – no valor de R$ 72,3 mil – referente a julho/setembro de 2010. São R$ 241,1 mil no período. Entre maio de 2011 a agosto de 2012, os retroativos da suspensão da aposentadoria somaram R$ 499,1 mil. E de setembro de 2012 até abril de 2014, foram mais R$ 540,07 mil. Os aposentados, como Requião, recebem ainda o 13º salário (foram quatro pagamentos até agora).

Em um terceiro movimento, Requião pretendia do Governo do Paraná, o pagamento de multas de suas pendengas judiciais. Em uma delas, o Tribunal de Justiça disse não. Acionado pelo ministro Paulo Bernardo (Comunicações), o TJ-PR manteve a decisão que condenou Requião a pagar R$ 75 mil, em valores atualizados, de indenização por danos morais ao ministro. Requião tentou jogar a conta para o Estado pagar, alegando que fez a declaração como governador, e não como pessoa física.


8 comentários

  1. Cap. Nascimento
    quinta-feira, 21 de agosto de 2014 – 16:33 hs

    Quanto dinheiro público jogado fora com este desqualificado!!!!!

  2. Luiz
    quinta-feira, 21 de agosto de 2014 – 17:19 hs

    O PIOR É QUE IGUAL A ESSE SALAFRÁRIO,TEM MAIS UMA PENCA QUE CAUSAM DANO AOS COFRES PÚBLICOS.

  3. SEXAGENÁRIO
    quinta-feira, 21 de agosto de 2014 – 18:14 hs

    Que judiciário ágil esse,” Requião acionou a justiça e por liminar o dinheiro voltou a ser depositado mensalmente a partir de setembro de 2012″. Sei que existem servidores com demandas na justiça paranaense há décadas e que muitos até já morreram e o judiciário ainda está procrastinando.

  4. zangado
    quinta-feira, 21 de agosto de 2014 – 18:48 hs

    Não é esse pulha que não tem vergonha na cara é o povo que tem votado nele.

    Enquanto tivermos esse povo insosso com o dedo no clic da urna eleitoral estamos todos “falidos” e mal pagos !!!

  5. INDIGNADO
    quinta-feira, 21 de agosto de 2014 – 19:17 hs

    COM QUE MORAL ESTE MARAJA PODE FALAR DE ALGUEM???É O PIOR EXEMPLO DE POLITICO MAIS FALSO QUE NOTA DE R$3,00

  6. quinta-feira, 21 de agosto de 2014 – 19:24 hs

    Quem te viu hein Requião e quem te vê? Você muda de postura a cada instante ou eleição, conforme lhe for conveniente. Quem diria que você, que usou e abusou de comentários maldosos sobre a aposentadoria recebida pelo saudoso José Richa, fazendo com que este perdesse as eleições, pois era contra o pagamento dessa aposentadoria de governador. E, agora, quem diria, além de recebê-la, queria que o Governo do Estado pagasse as indenizações que sofreu insultand terceiros, com a desculpa esfarrapada que estava falando como Governador. Ora para tal cargo é necessário ter educação e não proferir impropérios contra quem quer que seja. Educação e respeito fazem parte de um político sério.

  7. Parreiras Rodrigues
    quinta-feira, 21 de agosto de 2014 – 22:46 hs

    El hombre de la Carta de Puebla. A Carta na mão esquerda e na direita, taça de vinho de novecentão a garrafa.

  8. Leonildes Mathias
    sexta-feira, 22 de agosto de 2014 – 1:47 hs

    Requião: A casa caiu!

Deixe seu comentário:

Campos obrigatórios estão marcados com *

*

*