Dissidentes do PMDB vão à polícia denunciar invasão de Requião | Fábio Campana

Dissidentes do PMDB
vão à polícia denunciar
invasão de Requião

unnamed

Os dissidentes do PMDB, liderados pelo secretário-geral Orlando Pessuti e Doático Santos (secretário-geral do partido em Curitiba), resolveram fazer mais um confronto contra Roberto Requião, candidato do partido ao governo. Pessuti registrou hoje boletim de ocorrência da sede do PMDB, invadido por Requião.

“Vamos fazer ainda, via justiça, um pedido de reintegração de posse da sede. A invasão é uma arbitrariedade, uma agressão política ao PMDB. Nós respeitamos a convenção e ele não está respeitando a executiva do partido, ao invadir a sede e arrombar as portas. Não respeita nem o luto que o PMDB faz em respeito a morte de Eduardo Campos”, disse Pessuti.

O secretário-geral disse ainda que Requião tenta usurpar o tempo de TV dos deputados estaduais e federais para ceder à candidatos mais próximos dele. “Ele (Requião) quer fazer o que sempre fez, privilegiar alguns, e jogar gastos e despesas nas costas do PMDB. Tanto é que o partido teve suas contas desaprovadas e a cassação do fundo partidário”, adianta.

Para Pessuti, Requião não respeita nem a convenção nacional que definiu a aliança com o PT de Dilma Rousseff. “Ele (Requião) já disse na imprensa e nos blogs que vai apoiar a Dilma no final da campanha ou no segundo turno. Isso é um desrespeito ao nosso presidente nacional, Michel Temer, vice-presidente da República e novamente, vice de Dilma”, disse.

Na segunda-feira, 18, às 15h, os dissidentes do PMDB estão convocando para ato de apoio à Pessuti e o presidente do partido, Osmar Serraglio. “A mala preta do pedágio comprou a convenção, mas não vai destituir a executiva do partido. O PMDB não é um feudo de Requião em que ele chega invade a hora que bem entender. Isso não vai acontecer. Se eles querem confronto, eles terão. Agora a conversa é comigo”, disse Doático Santos.

O dirigente do PMDB ainda acusa Requião de tentar “usurpar” o horário eleitoral dos deputados que começa na próxima terça-feira, 19, e também de mais uma vez comprometer as finanças do partido e bancar sua campanha. “Por duas vezes, tivemos que resgatar a sede do PMDB porque estava em leilão em função de gastos feitos por Requião em campanhas. Isso também não vai acontecer de novo”, completou Doático.


2 comentários

  1. Parreiras Rodrigues
    sábado, 16 de agosto de 2014 – 9:53 hs

    A invasão da sede do seu próprio partido pelo candidato Roberto Requião Figueira de MeLLo e Silva, justifica o apelido que lhe foi colado pelo hoje seu assessor, o ex-deputado, prefeito e ministro Rafael Greca, o de Maria Louca.
    Já vi esse filme antes, quando gente empunhando fuzis e calçadas de coturnos arrombavam sedes de gremios estudantis, de sindicatos e do outro lado assaltavam bancos, roubavam casa de ex-governador, tudo em nome de “botar ordem na casa”.
    E me estranha a sua colocação em primeiro lugar aqui na RM na pesquisa divulgada ontem pelo grupo Gazeta e pior ainda, pela faixa dos detentores de nível superior. Serão os doutores cultores da truculência, da deseducação, da mentira, da bravata, do escárnio, da humilhação e do atraso?

  2. Paolo
    sábado, 16 de agosto de 2014 – 11:39 hs

    Bobagem! É como aquele casal, separado de fato, quando o cônjuge que sai da casa, volta para pegar umas roupas! Daí, sem chave e com a porta fechada, ele chama o chaveiro e entra! Tudo super normal!!!

Deixe seu comentário:

Campos obrigatórios estão marcados com *

*

*