Manifestantes tentam invadir a Reitoria após aprovação da gestão do HC à Ebserh | Fábio Campana

Manifestantes tentam invadir a Reitoria após aprovação da gestão do HC à Ebserh

Foto: Aniele Nascimento/Agência de Notícias Gazeta do Povo
hc ufpr

De Angieli Maros, Diego Antonelli e Carolina Pompeo, Gazeta do Povo:

Após uma sessão tumultuada, o Conselho Universitário (Coun) da Universidade Federal do Paraná (UFPR) aprovou a adesão do Hospital de Clínicas (HC) e da Maternidade Victor Ferreira do Amaral a um contrato de cogestão com a Empresa Brasileira de Serviços Hospitalares (Ebserh). Participaram da votação 40 dos 63 conselheiros: 31 votaram a favor da adesão e 9, contra.

De acordo com o diretor do HC, Flávio Tomasich, a adesão à Ebserh prevê a contratação de 1.540 funcionários, déficit atual da instituição, o que permitirá à instituição mais que dobrar o número de consultas ambulatoriais realizadas por mês – de 3 mil para 8 mil. Além disso, a contratação de mais funcionários poderia elevar o número de leitos ativos para 670 e garantiria um aumento de até 48% nas internações, que passariam para 2,5 mil por mês.

Sinditest vai recorrer

A presidente do Sindicato dos Trabalhadores em Educação do Terceiro Grau Público de Curitiba (Sinditest), Carla Cobalchini, afirmou que o sindicato irá realizar assembleia para decidir quais medidas serão tomadas, mas já adiantou que entrará com ação na Justiça alegando a ilegalidade da reunião do Coun.

A posição do sindicato é contrária à adesão à Ebserh pois entende o contrato de cogestão como uma privatização do hospital e pedem a abertura de concurso público.

Votação por videoconferência e celular

A votação foi realizada por videoconferência e telefones celular, pois os manifestantes impediram o acesso de cerca de 15 conselheiros à Reitoria da universidade, obrigando parte deles a se reunir no HC. Essa foi a terceira tentativa de votar a gestão compartilhada – nas duas anteriores, os manifestantes conseguiram impedir a reunião.

Após a confirmação da adesão, manifestantes tentaram invadir o prédio, mas foram reprimidos pela Polícia Federal (PF) com spray de pimenta, bombas de efeito moral e gás lacrimogêneo. Um estudante foi atingido por uma bala de borracha, e vários ficaram desnorteados por conta do spray.

Sessão tumultuada

A reunião estava marcada para as 9 horas dessa quinta-feira (28). Desde o início da manhã, no entanto, membros da Frente de Luta Pra Não Perder o HC – formado por diversas entidades, como Sindicato dos Trabalhadores em Educação do Terceiro Grau Público de Curitiba (Sinditest), Diretório Central dos Estudantes (DCE) e Associação dos Professores da UFPR (Apufpr) – reuniram-se em frente à Reitoria para protestar contra a adesão. A Polícia Federal (PF) estava posicionada no interior do prédio desde cedo também.

Um grupo de aproximadamente 100 manifestantes formou um cordão de isolamento em frente às portas de entrada do prédio para impedir o acesso ao local. Alguns conselheiros tentaram entrar sem escolta policial, mas foram barrados.

Por volta das 10 horas, a sessão foi suspensa por quórum insuficiente. Às 10h50, o reitor da UFPR, Zaki Akel Sobrinho fez nova contagem para verificação e confirmou 40 conselheiros presentes – parte deles na Sala dos Conselhos, na Reitoria, e o restante, cerca de 12 membros, no HC. Tão logo a reunião foi retomada, houve uma interrupção no fornecimento de energia elétrica da Reitoria, e parte da votação deve de ser realizada com auxílio de telefones celulares.

Sinditest afirma que não impediu acesso à reunião

Em relação à liminar expedida na quarta-feira (27) pela Justiça Federal – e que determinou multas ao Sindicato dos Trabalhadores em Educação do Terceiro Grau Público de Curitiba (Sinditest) caso, por responsabilidade dos manifestantes, a realização da reunião fosse impedida -, a presidente do Sinditest, Carla Cobalchini, afirmou que não foi a entidade a responsável por impedir a entrada dos conselheiros na Reitoria.

Do lado de fora da reunião, manifestantes ergueram barricadas em todas as entradas, com cadeiras e mesas de plástico que foram disponibilizadas no pátio para a transmissão ao vivo da reunião do Coun.

Confusão

No começo do ato, cerca de vinte dos 150 manifestantes que estavam no pátio da Reitoria da universidade formaram um cordão de isolamento em frente à porta de entrada do prédio para impedir o acesso ao local da reunião. A Polícia Federal (PF), que já estava dentro do local, tentou desfazer a concentração e atingiu os manifestantes com spray de pimenta.

Um tumulto foi formado logo após a o uso do produto pelos policiais, mas, até as 9h30, não havia registro de feridos. Mesmo com a abordagem da PF, os manifestantes voltaram a formar o cordão de isolamento. Equipes do Batalhão de Choque da Polícia Militar (PM) também estavam no local, porém fora da área do campus.

Multa

Nesta quarta (27), a Justiça Federal expediu uma liminar que determinava a aplicação de multa de R$ 10 mil ao Sinditest por conselheiro UFPR que fosse impedido de ingressar no prédio da Reitoria e multa de R$ 100 mil caso, por responsabilidade dos manifestantes, a realização da reunião do conselho fosse impedida. Porém, caberia à UFPR demonstrar, mediante meios probatórios pertinentes (testemunhas, vídeos etc.), a responsabilidade dos manifestantes por eventual atraso ou inibição da reunião do conselho.

Em entrevista à Gazeta do Povo, a presidente do Sinditest Carla Cobalchini chegou a afirmar que a decisão não iria afetar o ato público já agendado. “Essa criminalização contra o movimento já era esperada. Vamos manter nossa manifestação”, disse. A frente também acredita que um plebiscito seria o caminho ideal para definir o futuro do HC.

Plebiscito

No último dia 21, uma assembleia realizada pelo Sindicato dos Trabalhadores em Educação do Terceiro Grau Público de Curitiba levou à Reitoria proposta para que fosse realizado um plebiscito estadual, com a justificativa de que o hospital atende pacientes oriundos de todas as regiões do Paraná, para definir a adesão ou não à estatal.

Segundo o reitor, não há necessidade de um plebiscito porque o Conselho Universitário é a instituição suprema dentro da UFPR. “O Conselho é democrático, tem representações de todos os segmentos da universidade que foram eleitos pela comunidade universitária. O Conselho é a maior instância da UFPR com capacidade de até destituir o reitor”, explica.

Reuniões suspensas

Em 4 de junho, a reunião para debater a adesão do HC à Ebserh foi cancelada duas vezes no mesmo dia porque manifestantes contrários impediam a entrada de conselheiros nos locais de votação – pela manhã na Reitoria e à tarde na Procuradoria da República. Em 9 de junho, uma manifestação envolvendo aproximadamente 200 pessoas trancou as entradas no salão nobre dos Correios, no bairro Rebouças, em Curitiba.

Mesmo assim, a reunião havia começado. No entanto, uma liminar expedida pela Justiça Federal suspendeu a sessão, considerando que a mesma era ilegal por não ter havido comunicação com pelo menos 48 horas de antecedência sobre o local em que o evento seria realizado.

Após adesão do HC à Ebserh, manifestantes tentam invadir a Reitoria


3 comentários

  1. wagner
    quinta-feira, 28 de agosto de 2014 – 14:34 hs

    A pelegada ficou revoltada por perder o emprego. A sindicalista líder da pelegada fala em privatização, mas como pode ser uma privatização se essa empresa é do governo federal?

  2. Beatrix Kiddo
    quinta-feira, 28 de agosto de 2014 – 21:12 hs

    O absurdo da coisa é que nem metade dos conselheiros votou, ou seja, são 63 conselheiros, 31 votaram a favor, menos da metade do total. Isto vai dar quiproquó jurídico. Mas sua sapiência em pessoa, o senhor doutor reitor não se deu conta disto. Amanhã a gritaria vai aumentar mais ainda, depois que o pessoal do sindicato parar de falar tanta besteira.

  3. Henrique Fervença
    quinta-feira, 28 de agosto de 2014 – 21:29 hs

    Texto e vídeo para ajudar a compreender que é privatização sim:

    http://www.sedufsm.org.br/index.php?secao=noticias&id=2434

Deixe seu comentário:

Campos obrigatórios estão marcados com *

*

*