Dilma é recebida com protestos em Florianópolis | Fábio Campana

Dilma é recebida com protestos em Florianópolis

0606-protestos-b

Três diferentes grupos de trabalhadores protestaram contra a presidente Dilma nesta sexta-feira (6) em Florianópolis (SC). A presidente esteve na cidade para anunciar a liberação de recursos para obras de infraestrutura e assistir à formatura de 2.000 alunos do Pronatec –programa do governo federal para ampliar a oferta de educação profissional e tecnológica. As informações são da Folha de S. Paulo.

Enfermeiros, funcionários dos Correios e servidores da UFSC (Universidade Federal de Santa Catarina) tentaram se aproximar do local da formatura, em um centro de eventos, mas não conseguiram por causa do isolamento feito pela Polícia Militar.

O grupo, então, protestou em uma área próxima. Nem eles sabem se foram notados pela presidente. Os enfermeiros pediram que Dilma interceda pela aprovação de um projeto, em tramitação na Câmara, que regulamenta a jornada de 30 horas semanais para enfermeiros, técnicos de enfermagem e auxiliares –atualmente são 44 horas.

No protesto, eles exibiram um termo de compromisso, assinado em 2010, no qual a então candidata à Presidência se compromete “a apoiar iniciativas legislativas que garantam a jornada de trabalho de 30 horas semanais”.

Gelson Albuquerque, um dos manifestantes e membro do Conselho Federal de Enfermagem, disse que a PM impediu que o grupo chegasse perto do centro de eventos onde estava a presidente. “Ninguém estava de máscara e ninguém queria briga. Mesmo assim, fomos expulsos de forma truculenta.”

Os funcionários dos Correios pediram ressarcimento dos dias de trabalho descontados após a última greve da categoria, no início do ano. Alguns deles carregavam cartazes onde se lia: “Dilma, devolve o dinheiro dos grevistas”.

Os servidores da UFSC, em greve desde o início do ano, também pediram a redução da jornada de 40 horas para 30 horas semanais. Teresinha Seccato, do sindicato da categoria, disse que os servidores queriam chegar ao pátio do centro de eventos, mas a polícia só permitiu que ficassem no canteiro da rua em frente.

“A polícia impediu que a gente chegasse mais perto”, acrescentou ela, que não se queixou de truculência. Segundo os manifestantes, o protesto reuniu 200 pessoas por volta das 12h, quando a presidente chegou à cidade. Três horas depois, a Folha contou 30 pessoas.

A reportagem não conseguiu falar com o comandante do policiamento para comentar o caso. Policiais que trabalhavam no centro de eventos disseram que não poderiam falar sobre o assunto.


3 comentários

  1. Seneca
    sexta-feira, 6 de junho de 2014 – 23:16 hs

    Convoca o PADRE ROQUE Para vice do Reqião!!! PEDE PARA ANDRÉ VARGAS FAZER DOAÇÃO, EM AGRADECIMENTO A CONTRIBUIÇÃO QUE REQUIÃO FEZ PARA O VARGAS!!! Mesma corja!! Kkk

  2. Parreiras Rodrigues
    sábado, 7 de junho de 2014 – 10:26 hs

    Tem que parar com esse negócio de “anunciar recursos”.
    O correto seria a assinatura e a entrega do cheque, preto no branco, Existem projetos anunciados duas, três vezes e nada do faz-me rir.

  3. o amigo do povo
    sábado, 7 de junho de 2014 – 18:52 hs

    O arco dos protestantes manezinhos foi dos que são realmente trabalhadores se estendendo até o outro extremo, que é o dos que querem um regime radical de esquerda, com o fim do capitalismo. Este pessoal é o da UFSC, estes sim realmente distanciados da realidade brasileira.

Deixe seu comentário:

Campos obrigatórios estão marcados com *

*

*