O medo do PT, por Aécio Neves | Fábio Campana

O medo do PT,
por Aécio Neves

Do Aécio Neves, Folha de S.Paulo:

Enquanto o PT faz terrorismo na tv, com o intiuto de amedrontar os brasileiros e levá-los a votar pela reeleição da candidata Dilma Rousseff, é importante colocar o debate político nos trilhos da sensatez.

O que terá acontecido para que o partido se lançasse no desespero, no tudo ou nada, antes mesmo da campanha eleitoral começar oficialmente? Resposta: há uma vigorosa exigência de mudança pulsando no coração e na mente dos brasileiros. Para se ter a dimensão daquilo que realmente assusta o PT, vale a pena conferir alguns números pouco conhecidos do último Datafolha.

O desejo de que as ações do próximo presidente sejam diferentes das ações da presidente Dilma já é compartilhado em todas as camadas sociais, incluindo-se os mais pobres e a classe média: 69% entre os que ganham até dois salários mínimos, 76% entre dois e cinco salários mínimos, e 81% entre cinco e dez salários mínimos. Nas regiões Norte e Nordeste, já são 67% favoráveis à mudança. Nas faixas etárias de 16 a 34 anos, pode-se chegar a 80%.

O PT, que sempre se julgou dono de parcelas importantes da população, surpreendeu-se com a grande virada país afora. Não percebeu o esgotamento do falso modelo maniqueísta, dos bons vs. os maus, do nós vs. eles, que permanentemente tentam nos impor.

Com uma trajetória marcada pela arrogância, de dono da verdade, detentor de todas as virtudes, o partido abandonou os ideais sob os quais foi fundado. Da defesa intransigente da ética, acabou sócio da corrupção. Nasceu se apresentando como partido dos trabalhadores; virou um partido financiado pela elite econômica do país. Propunha um novo modo de governar e vem destruindo o patrimônio público dos brasileiros, cujo mais eloquente exemplo é o que ocorre na Petrobras. Pregava o respeito à democracia e vem assumindo, sem constrangimento, a defesa da censura aos meios de comunicação.

Essas e outras contradições estão na base da rejeição enfrentada hoje pelo PT.

Com a nova propaganda, o partido passa a si mesmo um atestado de fracasso. Depois de quase 12 anos no poder, não festeja o que deveria ser o seu legado. Não tendo mais esperança ou confiança, oferece aos brasileiros o medo e a ameaça.

Os fantasmas que estão assustando o país não são os do passado. São os fantasmas do presente. O fantasma da inflação, que voltou a assombrar as famílias, do crescimento medíocre da economia, da corrupção desenfreada, das promessas não cumpridas e da falta de rumo do país.

E, ao final, ainda subestimam a inteligência dos brasileiros ao tentar nos convencer de que, para mudar, é preciso deixar tudo como está.

O novo talvez ainda não tenha nome. Mas o velho tem: chama-se arrogância e manipulação. Chama-se PT.


7 comentários

  1. QUESTIONADOR
    segunda-feira, 19 de maio de 2014 – 12:12 hs

    -Pensando em sã consciência e utilizando a razão em todos os quesitos, não há como o partido da estrela se manter no poder por tanto tempo e tomando decisões erradas e equivocadas em prol de seu grupo político e de seus aliados e correligionários!!!
    -Este País que possuía um mínimo de decência, a perdeu por completo com a subido ao poder do partido de quadrilheiros, corruptos e corruptores, salvo raríssimas exceções!!!
    -Eles simplesmente, conseguiram segmentar nossa sociedade, conseguiram acabar com toda e qualquer esperança de Justiça(pois o executivo indica os ministros para o STF), deixaram a saúde no corredor da UTI, tornaram a segurança pública em insegurança e o pior de tudo, faliram de forma homérica na questão da educação…mas isso não seria tão ruim, se pensássemos que teríamos como reverter estes quadros. Mas isto jamais acontecerá, pois, o GF está completamente politizado e estatizado com a política infame deste partido apócrifo que jura de pé junto, saber conduzir esta combalido País!!!!

  2. MAURO ADRIANO
    segunda-feira, 19 de maio de 2014 – 13:01 hs

    Brilhante o resumo do candidato. Não sei por onde andam fazendo as pesquisas pre-eleitorais que colocam a Presidente, agora candidata, tão na dianteira assim. Com certeza não devem estar medindo pelo Sul ou Sudeste desse País, ainda que os meios de comunicação tentem enfia-la goela abaixo da população e manipular as informações e protestos de toda forma, o sentimento e o clamor popular cada vez mais caminha para a indignação o basta a tanta canalhice e safadeza.
    É necessário mais ética, transparência e trabalho na política.
    No mais, nosso povo trabalhador e os empresários que APESAR do Governo ainda continuam apostando produzindo nesse País dão conta.

  3. tadeu rocha
    segunda-feira, 19 de maio de 2014 – 13:04 hs

    NESSAS ALTURAS DO CAMPEONATO , E AS CACA QUE O PT ESTA FAZENDO , E OUTRO LADO ELES NÃO TEM NADA QUE DESABONE O AÉCIO NÃO ENCONTRAM NADA , ELES ESTÃO BEM LOUCOS,PORQUE VEM CHUMBO GROSSO AINDA NA PETROBRAS NAO PAROU AINDA BRASILEIROS, VAMOS MUDA SIM …..VOLTA ATRAS NUNCA MAIS LULA, CHEGA DE TANTA COISA RUIM QUE VOCES ESTÃO FAZENDO PARA O BRASIL.

  4. Cassiano Lucas Menegazzo
    segunda-feira, 19 de maio de 2014 – 14:28 hs

    De um lado um no poder um partido que teve 12 anos para deixa um legado e deixou um muito aquém do prometido. Do outro a oposição que denta desqualificar aquilo que foi feito. Aécio, Fernando H. C., entre outros oposicionistas já reconheceram que houve melhores e não é difícil achar vídeos deles fazendo isso. Deixar de reconhecer que o Brasil depois de quase 12 anos é hoje um país melhor é quase que um atestado de ignorância, alienação. Exatamente por este motivo, Aécio e Fernando o fizeram quando o público era “menos alienável”.

    Veja que no atual vídeo de propaganda do PT há uma comparação entre duas situações temporais, uma há 12 anos e outra agora. Mas o que aconteceu neste tempo realmente reflete a propaganda?

    Olhando os números, o poder aquisitivo do Brasileira dobrou em média, o Brasil foi o país com a maior diminuição de desigualidade do mundo, a inflação esteve em todos estes anos dentro da meta, o PIB cresceu mais do que antes e mais do que a dívida pública e esta diminuiu em relação ao PIB. Programas de inclusão social “através da educação”, de financiamento estudantil e bolsas deram oportunidades à milhares de brasileiros, as vagas em cursos técnicos “mais que dobraram”, o “aumento” de investimento em educação superior e técnica fez os anos de governo FHC parecerem perdidos.

    Na minha cidade cenas como aquela da propaganda já eram normais, crianças pedindo esmola, comida, trabalho, engraxates, todo dia passavam na casa dos meus pais, nas proximidades de uma “periferiazinha”. Hoje, estas cenas não existem mais na minha cidade, aquelas crianças não viraram “doutores”, boa parte ganhou educação suficiente apenas para “ser linha de produção” de uma fabrica ou industria qualquer. A minha cidade é no Paraná, maioria de descendência germânica e italiana, havia pouca pobreza, mas no norte e nordeste falasse ainda de mudanças mais drásticas. Lá situação de fome, miséria, pobreza foram drasticamente reduzidas e o povo lá acredita naquilo que viu acontecer com seus próprios olhos e não em propaganda desesperada de que o Brasil está pior.

    Sendo assim, o brasileiro quer sim mudança, mas esta mudança não é esta que alguns nem mais escondem que querem “enfiar goela abaixo”, não é Aécio. Estes “alguns” gostam de usar as pesquisas para provar que o povo quer mudanças, mas não às usam para mostrar esta outra verdade, o povo não quer o PSDB, não é o PT que tem medo de Aécio, é o povo que o teme, que não quer o PSDB.

  5. Confiança no Brasil
    segunda-feira, 19 de maio de 2014 – 14:31 hs

    “E, ao final, ainda subestimam a inteligência dos brasileiros ao tentar nos convencer de que, para mudar, é preciso deixar tudo como está.” – A síntese de tudo.

  6. BETÃO
    segunda-feira, 19 de maio de 2014 – 14:53 hs

    Que venha DILMO, LULA e qualquer outro pelego Petista.
    Os brasileiros não acreditam mais nas mentiras do molusco incompetente e seu POSTE ELEITO.

  7. scrooge
    segunda-feira, 19 de maio de 2014 – 16:12 hs

    O modelo de governo imposto pelo pestismo, baseado na filiação partidária e não na competência, nos levou aonde hoje nos encontramos, à beira do abismo. A estatal do petróleo foi para o buraco também por culpa do seu próprio pessoal, ele não protestou quando o pestismo aparelhou a empresa. E não é só nesta estatal, vejam-se todas as agencias reguladoras, dominadas em sua quase totalidade por pessoas incompetentes quando não corruptas ao mesmo tempo. Só podia dar nisto. Vai ser duro mudar, quem é que quer ver na rua aquele mesmo cara que sei ser meu companheiro de partido?

Deixe seu comentário:

Campos obrigatórios estão marcados com *

*

*