Fornecedores sob suspeita na Lava Jato financiaram campanhas | Fábio Campana

Fornecedores sob suspeita na Lava Jato financiaram campanhas

Gleisi Horffmann Antonio Cruz Abrfoto290

Senado tem 25 integrantes com contribuições de campanha feitas por companhias ligadas ao doleiro Alberto Youssef. Gleisi Hoffmann e Lindbergh Farias receberam mais de 2 milhões cada.

De Veja:

Dos deputados e senadores da atual legislatura, pelo menos 121 receberam dinheiro oficialmente como doação de campanha de empresas investigadas pela operação Lava-Jato, da Polícia Federal. Um levantamento feito pelo site de VEJA nos registros do Tribunal Superior Eleitoral (TSE) revela que 96 dos parlamentares da Câmara e 25 do Senado estão na lista de beneficiados por repasses feitos por fornecedores da Petrobras sob suspeita. Algumas dessas empresas são investigadas por terem comprovadamente depositado recursos na MO Consultoria, empresa de fachada do doleiro Alberto Youssef, ou são suspeitas de colaborar para o esquema de coleta de recursos tocado pelo ex-diretor de Abastecimento da Petrobras Paulo Roberto Costa. O grupo de congressistas recebeu, ao todo, 29,7 milhões de reais de um conjunto de 18 grupos empresariais sob suspeita.

O levantamento mostra que os grupos empresariais ambicionavam estabelecer relações com um espectro amplo de partidos e políticos. Na composição atual do Congresso, um em cada cinco deputados e um em cada três senadores eleitos receberam alguma doação oficialmente das empresas ligadas de alguma forma ao doleiro ou ao ex-diretor de Abastecimento da Petrobras.

Entre os beneficiados pelas doações, há dois pré-candidatos a governos estaduais – o senador Lindbergh Farias (PT), do Rio, e a ex-ministra Gleisi Hoffmann, do Paraná. O novo vice-presidente da Câmara, Arlindo Chinaglia (PT), e o ex-presidente da Casa Marco Maia (PT) também integram a lista. Pela oposição, destacam-se nomes como Rodrigo Maia (DEM), Antonio Imbassahy (PSDB) e Roberto Freire (PPS).

Como mostrou reportagem do site de VEJA, os fornecedores da Petrobras agora investigados doaram, oficialmente, 856 milhões de reais a partidos e candidatos entre 2006 e 2012. Entre os parlamentares em atuação no Congresso, o PT desponta com 12,6 milhões de reais recebidos, seguido por PP (4,4 milhões) e PMDB (3 milhões). Parlamentares da oposição, como DEM e PSDB, também foram beneficiados com 2,9 milhões de reais e 2,3 milhões, respectivamente.

Os beneficiados pelos grupos suspeitos formam uma bancada multipartidária. E, para especialistas, isso cria riscos para o sucesso de investigações de qualquer CPI no Congresso que pretenda investigar irregularidades na Petrobras. “Não significa que todos vão defender os interesses desses grupos, mas, em qualquer decisão que se tome, tem que ser analisado se os parlamentares não servem aos interesses de financiadores. Isso só pode ser verificado na atuação concreta”, alertou o diretor-executivo da ONG Transparência Brasil, Claudio Weber Abramo.

Suspeita de ter liberado mais de 7,9 milhões de reais em propinas a Costa e Youssef, a Camargo Corrêa financiou 31 deputados federais e oito senadores em atuação no Congresso. Entre os suspeitos, é o grupo com maior quantidade de parlamentares financiados no poder. No Senado, foram beneficiados parlamentares como o líder do PT, Humberto Costa, e futuros candidatos petistas a governos estaduais, como Lindbergh Farias (RJ) e Gleisi Hoffmann (PR). Cada um recebeu 1 milhão de reais para tocar a campanha.

Na Câmara, o conglomerado financiou também a candidatura do líder do PMDB e comandante dos rebeldes na base do governo, Eduardo Cunha (RJ), com 500.000 reais. Oposicionistas como Beto Albuquerque, líder do PSB, e Mara Gabrilli (PSDB) também levaram recursos da empreiteira.

No Senado, Gleisi e Lindbergh são os parlamentares com mais vínculos financeiros com investigados na operação Lava-Jato. Cada um recebeu de cinco fornecedores envolvidos na operação. Só da OAS, que depositou 1,6 milhão de reais em contas da empresa de fachada comandada por Youssef, Gleisi recebeu um milhão de reais em doações oficiais na eleição de 2010, enquanto Lindbergh angariou 200.000 reais. A OAS financiou, no total, 24 deputados federais e sete senadores em exercício. É o segundo grupo em quantidade de parlamentares financiados.

Outra empresa diretamente ligada à empresa fantasma de Youssef é a Arcoenge, que depositou 491.000 reais em contas operadas pelo doleiro, e ajudou a eleger três deputados federais e um senador. Entre os beneficiados estão o líder do PT na Câmara, deputado Vicentinho (SP), o oposicionista Onyx Lorenzoni (DEM-RS) e o senador Magno Malta (PR-ES). Vicentinho ganhou 116.000 reais do grupo, Malta embolsou 100.000 e, Lorenzoni, 50.000 reais. Conheça a lista de parlamentares que receberam doações do grupo aqui.

 


9 comentários

  1. SEBASTIÃO
    quinta-feira, 8 de maio de 2014 – 9:16 hs

    COMO É BOM CONFIAR NA OPERAÇÃO LAVA JATO,PARABÉNS,AINDA EXISTE SETORES DE CONFIANÇA NESTE PAÍS.

  2. Artur
    quinta-feira, 8 de maio de 2014 – 9:21 hs

    RATOS + RATOS + RATOS + RATAZANAS + RATAZANAS estas espécies execráveis estão mandando em nosso país!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!
    O que podemos esperar daqui para frente??!!!
    O meu sentimento é de que há falência total das instituições!!!
    Tudo isso cria um cenário adequadol para os oportunistas milagreiros e para os assustadores gorilas……..

  3. hb
    quinta-feira, 8 de maio de 2014 – 9:42 hs

    PARA ACABAR COM CORRUPÇÃO, TEMOS QUE ACABAR COM OS PARTIDOS POLÍTICOS……………..CHEGA, CHEGA.

  4. Saul de Lima Brenzink
    quinta-feira, 8 de maio de 2014 – 9:57 hs

    O milagre das doações. É vultosa a soma de doações para aplicar em campanha política. Vou dar uma de João Sem Braço: “será que todo montante foi usado em campanhas, ou será que ajudou a engordar contas em paraísos fiscais? O problema é que todos, inclusive o TSE e STF, sabem das falcatruas com doações mas, ficam de mãos atadas para tomarem medidas investigativas e punitivas. É roubo, eu disse roubo, de todo lado. E nós pagando caro a roubalheira com impostos abusivos. É preciso dar um basta em tudo isso.

  5. Anônimo
    quinta-feira, 8 de maio de 2014 – 10:24 hs

    A IESA da Inepar aparece na lista. Essa gente está sempre colada com os poderosos de plantão.

  6. aline
    quinta-feira, 8 de maio de 2014 – 10:50 hs

    Bem como tem eminentes nomes da oposição também, incluindo os líderes do PSDB e do PPS na Câmara é melhor deixar quietinha essa lista…porque m no ventilador é capaz de pingar mais na oposição do que na situação e dai o único a ganhar é o candidato pastor fascitóide do PSC…

  7. ciro
    quinta-feira, 8 de maio de 2014 – 11:08 hs

    Eles estão tentando comprar tudo e todos para implantar o socialismo comandado pelos estômagos dos menos favorecidos

  8. SYLVIO SEBASTIANI
    quinta-feira, 8 de maio de 2014 – 12:38 hs

    Se este Alberto Youssef se abraçou em R$10 bilhões, ele deve ter amigos para “Aquele Abraço”. O povo brasileiro, os brasileiros e as brasileiras, que entregaram “tudo”, querem saber quem são eles e elas, para fazerem companhia aos Mensaleiros.

  9. wise man
    quinta-feira, 8 de maio de 2014 – 13:48 hs

    e será só coincidência, ambos sonham em assumirem o trono dos seus respectivos estados.

Deixe seu comentário:

Campos obrigatórios estão marcados com *

*

*