Doleiro fez ponte com Saúde, diz empresário | Fábio Campana

Doleiro fez ponte com Saúde, diz empresário

Da Folha de S. Paulo:

Foi o doleiro Alberto Youssef quem conseguiu financiamento de R$ 31 milhões do Ministério da Saúde para o laboratório Labogen por meio de “contatos políticos”, segundo depoimento à Polícia Federal de um dos sócios da empresa, Leonardo Meirelles.

Um dos contatos políticos de Youssef é o deputado André Vargas (PT-PR), vice-presidente da Câmara, segundo interceptações de mensagens feitas pelas PF. Em uma das mensagens, reveladas anteontem pela Folha, Youssef e Vargas falam sobre a Labogen, segundo relatórios da Operação Lava Jato.

Vargas diz ao doleiro que a reunião com o secretário de Ciência, Tecnologia e Insumos Estratégicos do ministério, Carlos Gadelha, “foi boa demais”. “Ele garantiu que vai nos ajudar”, afirma.

A Labogen assinou em dezembro do ano passado um acordo com o Ministério da Saúde para produzir o citrato de sildenafila, o Viagra, usado para tratamento de hipertensão pulmonar.

À época, o ministro era Alexandre Padilha (PT), pré-candidato ao governo de São Paulo.

O acordo previa pagamento de R$ 31 milhões em cinco anos e fazia parte de um programa cujo objetivo era a “redução de preços de produtos estratégicos para a saúde”.

Meirelles foi preso pela Operação Lava Jato, que investiga lavagem de dinheiro, e decidiu colaborar com a PF. O empresário contou que nunca teve contatos com o ministério. Outro sócio da Labogen, Pedro Argese, também colabora com a PF.

A Labogen foi usada por Youssef para fazer remessas ilegais ou internalizar US$ 37 milhões (R$ 84 milhões) com a simulação de importações e exportações, segundo a PF.

O financiamento de R$ 31 milhões para a Labogen foi cancelado pelo Ministério da Saúde na quinta-feira, após a Folha questionar a instituição sobre suspeitas da PF.

E-mails apreendidos apontam que o diretor de produção industrial e inovação da pasta, Eduardo Jorge Oliveira, teria orientado a Labogen a se associar com a EMS. Na parceria, a EMS cuidaria sozinha da produção de 35 milhões de comprimidos ao ano.

A suspeita da PF é que a Labogen foi usada apenas para pagar propina a servidores públicos por causa da diferença de porte entre as empresas. A Labogen tem folha de pagamento de R$ 28 mil. Já a EMS é o laboratório com o maior faturamento no país (R$ 5,8 bilhões em 2012).

OUTRO LADO

André Vargas disse ontem, em pronunciamento na Câmara, que orientou Youssef “a respeito de encaminhamentos burocráticos no Ministério da Saúde”, como faz “normalmente” com quem o procura com projetos “viáveis e de interesse público”.

Disse ainda que não participou, não agendou, não soube previamente nem acompanhou nenhuma reunião no ministério sobre qualquer assunto relacionado à Labogen.

O Ministério da Saúde diz que nunca teve contato com a Labogen. Não houve pagamento, segundo a pasta, porque isso só ocorreria após a entrega do medicamento.

O advogado de Youssef disse que fazer contatos políticos não é crime e que não há provas contra seu cliente.

Padilha disse apoiar a apuração aberta pelo ministério e a suspensão da parceria.

O advogado de Leonardo Meirelles não quis se pronunciar. O defensor da Labogen diz que as suspeitas de que a Labogen é uma empresa de fachada são infundadas. A EMS diz que a parceria obedeceu “critérios técnicos”.


8 comentários

  1. tadeu rocha
    quinta-feira, 3 de abril de 2014 – 16:53 hs

    VEM MAIS COISA POR AI…. ANTES CEDO DO QUE TARDE…PRESIZAMOS ACABAR COM ESSES ROUBO NO BRASIL , BRASILEIROS AJUDE NOSSO BRASIL CHEGA MENSALAO DINHEIRO NA CUECA ,ROSEMERY O POVO JA ESQUEÇEU ETC.

  2. ANTONIO CONSELHEIRO
    quinta-feira, 3 de abril de 2014 – 17:16 hs

    ANDRÉ VARGAS VAI TER A MESMA POSTURAZINHA DO LULA?
    EU NÃO SABIA, NÃO VI, NÃO SEI.
    ESTE PT NÃO É FÁCIL NÃO, VAI DE FERNANDINHO BEIRA MAR A YOUSSEF.

  3. quinta-feira, 3 de abril de 2014 – 19:37 hs

    Malandro,quando o vi,fazer aquele gesto de punho cerrado,com o braço erguido,para afrontar o Digno JoAquim Barbosa,pensei na hora,este cara esta de robô preso,nao deu outra.Deve ser cassado,deve ir apoiar e conviver na papuda.Viva a seriedade política!!

  4. ze da bota
    quinta-feira, 3 de abril de 2014 – 22:43 hs

    A CASA CAIU, CORRA ANDRÉ VARGAS, ENQUANTO DÁ TEMPO, VAI PRO PARAGUAI E FICA POR LÁ.

  5. José rosa
    quinta-feira, 3 de abril de 2014 – 23:48 hs

    Culpa psdb. $$$$$$$$$$$$$$$$$$$$$$$$$$$$$$$$$$

  6. PAÍS SEM VERGONHA
    sexta-feira, 4 de abril de 2014 – 0:12 hs

    ESQUEMA

    Vargas e Youssef trataram também do laboratório Labogem Química, fechando contrato de R$150 milhões com o Ministério da Saúde.

    BOMBA-RELÓGIO

    Apesar da boa relação na Câmara, André Vargas já era tido no Paraná como “bomba relógio”, exibindo sinais exteriores como uso de jatinhos.

    PENSANDO BEM…

    …agora só falta o deputado André Vargas dizer que voltou de ônibus da Paraíba para o Paraná, a fim de poupar nossos suados impostos.

    http://www.diariodopoder.com.br/coluna/

  7. SOMBRA
    sexta-feira, 4 de abril de 2014 – 9:58 hs

    PF neles já…

  8. José
    sábado, 5 de abril de 2014 – 21:15 hs

    Investiguem também a empresa CYG BIOTECH QUÍMICA E FARMACÊUTICA LTDA. Ela faz um esquema semelhante ao da Labogen e está instalada no antigo prédio da Labogen em Indaiatuba/SP.

Deixe seu comentário:

Campos obrigatórios estão marcados com *

*

*