Impróprio para menores, por Mary Zaidan | Fábio Campana

Impróprio para menores, por Mary Zaidan

Artigo de Mary Zaidan

Governante algum gosta de ter uma CPI futucando seus podres. Muito menos em ano de eleição. Portanto, é natural que a presidente Dilma Rousseff e aqueles que ainda lhe são fiéis tentem evitar a investigação congressual das imoralidades bilionárias cometidas contra a Petrobras e o País. Mas seria aconselhável contrapor-se às apurações com alguma decência, dispensando ameaças tolas e explicações que não explicam.

Dizer que a operação e os valores pornográficos, de U$ 1,18 bilhão, pagos por Pasadena estão sendo investigados pelas autoridades competentes, como fez o recém-nomeado ministro Ricardo Berzoini, só piora as coisas. É desfaçatez pura.

Oito anos se passaram para que as tais “autoridades competentes” se tocassem que deviam questionar uma compra sabidamente lesiva. Uma transação para lá de estranha, firmada em tempo recorde de 20 dias e aprovada pelo Conselho de Administração da empresa a partir de um resumo tosco de duas páginas e meia. Parecer “falho” e “incompleto”, como confessou agora a presidente Dilma, na época ministra de Lula e presidente do Conselho.

O mais provável é que nenhuma dessas “autoridades” se mexesse sem que os jornalistas Andreza Matais, Murilo Rodrigues Alves e Fábio Fabrini, de O Estado de S. Paulo, escancarassem os descalabros. Continuariam sem se coçar não fosse a pressão da imprensa, que a cada dia expõe mais pedaços dessa história escabrosa.

É conveniente saber ainda quais “autoridades” apuram os danos provocados pela intimidade entre o ex Lula e Hugo Chávez, que, em acordo informal, quase de boca, impuseram à Petrobras o desembolso de R$ 20 bilhões na ainda incompleta refinaria Abreu e Lima (PE).

Traduzidas pela senadora Gleisi Hoffmann (PT-PR), as ameaças de combater a CPI ampliando o escopo das investigações só fizeram aumentar os impudores contra a petrolífera brasileira.

Espremido contra a parede, a única alternativa imaginada pelo governo foi a de investigar as licitações de trens em São Paulo e a construção do Porto de Suape. Manobra diversionista para tentar constranger o senador mineiro Aécio Neves (PSDB) e o governador de Pernambuco, Eduardo Campos. O tiro pode sair pela culatra.

De duas, uma: ou o governo Dilma e o PT não creem em ilícitos nos dois casos ou compactuam com malfeitos. Do contrário, já poderiam ter usado a maioria que têm para instalar CPIs sobre os temas.

A terceira hipótese é que no afã de defender Dilma do que se tornou indefensável, meteram-se os pés pelas mãos.

Outros ainda vão vestir figurinos impróprios para tentar encobrir escândalos. Mas uma coisa é certa: de tão obscenas, as operações feitas dentro da aparelhada Petrobras podem deixar o governo nu. Que venha a CPI.


6 comentários

  1. Flávius
    domingo, 30 de março de 2014 – 21:03 hs

    Que venha a CPI. Que venham todas as CPI’s!

  2. FUI !!!
    segunda-feira, 31 de março de 2014 – 4:33 hs

    O governo do PT aprendeu bem a lição da mentira. Aprendeu que
    na política, se não mentir não dá nada certo. Quando do lado de cá
    a maioria dos eleitores não dão a mínima para as enganações, os
    caras metem a mão no nosso dinheiro mesmo !!!

  3. Confiança no Brasil
    segunda-feira, 31 de março de 2014 – 9:55 hs

    Lula e Chavez são o retrato (e a origem) de todos os malfeitos da America Latina.

  4. Doutor Prolegômeno
    segunda-feira, 31 de março de 2014 – 10:19 hs

    Siga o dinheiro, siga o dinheiro, diria Deep Throat… ou ainda: follow the yellow brick road, follow the yellow brick road, como no Mágico de Oz… só mágico para fazer o dinheiro desaparecer…

  5. Do Interior....
    segunda-feira, 31 de março de 2014 – 13:47 hs

    Qualquer cidadão comum vê que o rumo da economia tomado por este desgoverno não é o correto.

    A carta de LuLLa e a postura do representante do Brasil à Caracas frente à ditadura da Venezuela é de revirar qualquer militar ou golpista no túmulo.

    Tudo isso, somado à burrice e ao populismo deste petismo levará o Brasil, sem dúvida alguma, ao precipício só então experimentado no governo Sarney e Collor.

    Quem viver verá!

  6. Célio Daily dos Santos
    terça-feira, 1 de abril de 2014 – 9:38 hs

    Eu acho que quando FHC vendeu a Valle do Rio Doce ninguém questionou a privatização de uma empresa por R$ 6 bilhões sendo que o seu valor era de R$ 80 bilhões, privatizou estradas hoje com os maiores pedágios do Brasil, na Europa a Siemens já foi punida e multada pelo caso das propinas aos políticos do PSDB e aqui nem CPI querem fazer, só porque a rede GLOBO está pedindo uma CPI da Petrobras é que os Senadores da direi tona querem fazer são uns paus mandados da mídia que a 50 anos atrás apoiou um golpe militar e agora querem dar outro, isso é tipico de empresas que vivem manipulando deputados e senadores da direita, estão desesperados para voltarem ao poder.

Deixe seu comentário:

Campos obrigatórios estão marcados com *

*

*